Clicky

GOVERNO » Compras Governamentais

Questionada por parte do governo, Huawei pode assumir nuvem dos órgãos federais

Luís Osvaldo Grossmann ... 23/03/2021 ... Convergência Digital

Em que pese parte da gestão Jair Bolsonaro tentar banir a Huawei das telecomunicações da administração pública, a fabricante chinesa tem chances de servir ao governo como fornecedor da nuvem pública dos órgãos federais. Ao lado da AWS e da Google, a Huawei é uma das três nuvens da proposta apresentada pela Extreme Digital Solutions, por enquanto o menor lance no pregão em andamento: R$ 65,94 milhões. 

Essa é a segunda contratação da nuvem pública do governo federal. A primeira, realizada em 2018 mas com efetiva implementação apenas em 2020, ficou por R$ 30 milhões e chegou a reunir 26 órgãos federais. Esta nova é maior, com 52 órgãos na partida em compra aberta a novas adesões. O prazo também aumentou, para dois anos de contrato. 

A Extreme apresentou o lance mais baixo entre as 20 concorrentes do pregão. Mas a licitação ainda está na fase de avaliação da capacidade operacional da primeira colocada – ou seja, a análise dos atestados e da experiência compatível com o objeto do leilão: a seleção de um orquestrador, ou broker, que contemple pelo menos duas nuvens diferentes, de fornecedores com datacenters no Brasil. 

A Huawei é alvo de tentativas de bloqueio dentro do administração, materializadas em uma portaria do Ministério das Comunicações que veta equipamentos em uma futura rede privativa de telecomunicações do governo se de empresas que não atendam princípios de governança corporativa do mercado acionário brasileiro. O ministro das Comunicações, Fabio Faria, já declarou que tal exigência deixa a chinesa fora dessa rede governamental – embora isso seja discutível diante do texto efetivamente adotado pela Portaria 1.924/21. 

A depender do andamento do pregão de nuvem, outras propostas ainda podem acabar escolhidas. A Claro, que venceu a primeira licitação em 2018 e é o atual broker, tem o segundo menor lance do pregão atual, R$ 71,44 milhões. A Globalweb aparece em seguida, com proposta de R$ 84,04 milhões. AX4B (R$ 85,69 milhões), Brasoftware (R$ 87,91 milhões), Datacentrics (R$ 87,92 milhões), Telefônica (R$ 89,52 milhões), Stefanini (R$ 102,53 milhões), IP2 Cloud (R$ 109,72 milhões) e Datarain (R$ 113,32 milhões) completam as 10 primeiras. Outras 10 empresas apresentaram lances entre R$ 121 milhões e R$ 316 milhões. 


Venda do Serpro traz insegurança jurídica e uso indevido de dados

Análise da Data Privacy Brasil aponta para necessidade de envolvimento da ANPD e ausência de exemplo internacional que justifique a privatização da empresa de TI do governo. 

Serviços digitais: RS lidera oferta. São Paulo e Rio decepcionam. DF não manda dados

Bahia, Paraná e Paraíba também se destacaram no Índice de Oferta de Serviços Públicos Digitais dos Governos Estaduais e Distrital, organizado pela ABEP-TIC.

Salvador é a sétima capital a aderir ao Gov.br

Plataforma dispõe de uma rede para impulsionar e integrar as iniciativas por um governo 100% digital. Distrito Federal, 12 estados e 42 municípios já aderiram.

Banco Itaú é multado em R$ 9,6 milhões por uso irregular de dados

Sanção foi aplicada pelo Ministério da Justiça ao braço de empréstimos consignados da instituição, advindo da compra do BMG, e aponta para violações à privacidade, consentimento, e exclusão de dados, todas previstas no Marco Civil da Internet.

Dell: proteção de dados exige pilares na segurança cibernética

“Ataques estão mais sofisticados enquanto as pessoas e as empresas mais expostas. Precisamos de avançar na cultura da segurança cibernética”, observou o diretor da Dell para setor público, Bruno Assaf.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G