Clicky

Cade rejeita restrições e aprova compra da Linx pela Stone

Da redação ... 16/06/2021 ... Convergência Digital

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, na sessão de julgamento desta quarta-feira (16/06), a aquisição, pela STNE Participações, que pertence ao Grupo Stone, da totalidade das atividades da Linx. O Tribunal deu aval à operação, em definitivo, sem restrições. A negociação pelo controle da Linx antagonizou Stone e TOTVS durante meses.

A STNE Participações e o Grupo Stone prestam serviços de pagamentos, incluindo o desenvolvimento de estrutura tecnológica para captura, transmissão e processamento de dados e liquidação de transações. Além disso, atuam nos segmentos de adquirência, serviços de gateway on-line, softwares de gestão empresarial, crédito, transferência eletrônica de fundos e serviços de entrega rápida com ênfase maior no setor de varejo.

A Linx, por sua vez, é uma empresa brasileira de tecnologia baseada em nuvem e tem como foco a oferta de software de gestão empresarial, por meio do modelo de negócio de software como serviço (software-as-a-service – SaaS).

Em março deste ano, a Superintendência-Geral do Cade aprovou a operação sem restrições e, dias depois, as empresas Adyen do Brasil, Banco Safra e Cielo, habilitadas como terceiras interessadas no ato de concentração, apresentaram recursos contra a decisão. O caso, então, foi levado à apreciação do Tribunal do Conselho, sob a relatoria do conselheiro Sérgio Ravagnani.


Indústria eletrônica cresce 15,7% no primeiro semestre

Para Abinee, resultado contou com a base fraca de comparação, diante do impacto da Covid-19 na atividade em 2020. 

Novo trojan vazou senhas de 40 mil brasileiros

Batizado de Redline Trojan Stealer, programa está sendo comercializado em fóruns de pirataria por até 200 dólares. O malware se infiltra por três formas:  campanhas de phishing, a partir de e-mails falsos, links para download de softwares pirateados e por aplicativos móveis não oficiais.

Open Banking: Brasileiro se preocupa com crime financeiro e dados anônimos

Pesquisa da TecBan, feita pela Ipsos, com brasileiros bancarizados mostra que a principal demanda esperada pelos correntistas é a garantia de um atendimento em caso de fraude. Também aumentou a preocupação em saber se os dados compartilhados serão mesmo protegidos como a LGPD impõe.

Bancos oficializam cobrança por PIX para o mercado corporativo

Banco do Brasil, Bradesco, Itaú e Santander fecharam uma tarifa variando entre R$ 9 e R$ 10. Já Caixa, Nubank e Inter seguem não cobrando pelo serviço. 



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G