Clicky

Gigantes de TIC fazem lobby por subsídio de US$ 50 bilhões para fabricação de chips nos EUA

Ana Paula Lobo* ... 11/05/2021 ... Convergência Digital

O Governo Biden vive um problema significativo por conta da escassez global de chips. De um lado enfrenta a pressão das montadoras de automóveis, que querem obrigar o fornecimento de chips - mesmo que tirando das teles e das empresas de PCs - para manter a produção.

De outro, as gigantes de TI se uniram. Apple, Microsoft, Google (Alphabet), Intel, AWS e outras empresas como Cisco, Verizon e AT&T formalizaram a criação da coalização americana de semicondutores. A entidade reivindica a disponibilização de um fundo de US$ 50 bilhões de subsídio, já batizada de Lei dos Chips, para o retorno da fabricação de chips nos Estados Unidos.

"O financiamento robusto da Lei CHIPS ajudaria os Estados Unidos a construir a capacidade adicional necessária para ter cadeias de abastecimento mais resilientes para garantir que tecnologias críticas estarão disponíveis quando precisarmos delas", disse o grupo em uma carta entregue aos líderes democratas e republicanos em ambas as casas do Congresso dos EUA. Mas a pressão também vem das indústrias automotivas. A Ford já comunicou que deverá reduzir pela metade a sua produção por falta de chips.

Até o momento, o governo Biden não se posicionou, até porque a disputa envolve dois grupos muito fortes e significativos para a economia norte-americana. As gigantes de TI sustentam. "O governo deve abster-se de intervir enquanto a indústria trabalha para corrigir o atual desequilíbrio entre oferta e demanda que está causando a escassez".

No Brasil, a situação não é diferente. De acordo com a Abisemi (Associação Brasileira da Indústria de Semicondutores), cerca de 90% dos semicondutores usados por aqui são importados. O país representa cerca de 2,5% do mercado mundial de US$ 470 bilhões. Os grandes players do mercado de chips são quatro, em ordem de valor de mercado: TSMC (US$ 600 bilhões), NVidia (NVDC 34, US$ 390 bilhões), Intel (ITLC34, US$ 245 bilhões) e AMD (A1MD34, US$ 100 bilhões), e todos devem sofrer consequências positivas ou negativas dessa crise.

*Com informações da Reuters


Cloud Computing
TST vai pagar R$ 200 mil a Dataprev por dados do CPF e CNPJ em blockchain

Serviço foi contratado em junho do ano passado, mas só agora está sendo ofertado pela estatal de TI do governo. Outros órgãos do Estado querem ter acesso ao CPF e ao CNPJ por blockchain, entre eles, o Conselho da Justiça Federal.

Novo trojan vazou senhas de 40 mil brasileiros

Batizado de Redline Trojan Stealer, programa está sendo comercializado em fóruns de pirataria por até 200 dólares. O malware se infiltra por três formas:  campanhas de phishing, a partir de e-mails falsos, links para download de softwares pirateados e por aplicativos móveis não oficiais.

Open Banking: Brasileiro se preocupa com crime financeiro e dados anônimos

Pesquisa da TecBan, feita pela Ipsos, com brasileiros bancarizados mostra que a principal demanda esperada pelos correntistas é a garantia de um atendimento em caso de fraude. Também aumentou a preocupação em saber se os dados compartilhados serão mesmo protegidos como a LGPD impõe.

Bancos oficializam cobrança por PIX para o mercado corporativo

Banco do Brasil, Bradesco, Itaú e Santander fecharam uma tarifa variando entre R$ 9 e R$ 10. Já Caixa, Nubank e Inter seguem não cobrando pelo serviço. 

CI&T vai às compras e adquire a Dextra por jornada digital

Os valores da transação não foram revelados pelas partes. Com a aquisição, a CI&T incorpora 1200 profissionais e clientes no Brasil e nos Estados Unidos.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G