Clicky

Gigantes de TIC fazem lobby por subsídio de US$ 50 bilhões para fabricação de chips nos EUA

Ana Paula Lobo* ... 11/05/2021 ... Convergência Digital

O Governo Biden vive um problema significativo por conta da escassez global de chips. De um lado enfrenta a pressão das montadoras de automóveis, que querem obrigar o fornecimento de chips - mesmo que tirando das teles e das empresas de PCs - para manter a produção.

De outro, as gigantes de TI se uniram. Apple, Microsoft, Google (Alphabet), Intel, AWS e outras empresas como Cisco, Verizon e AT&T formalizaram a criação da coalização americana de semicondutores. A entidade reivindica a disponibilização de um fundo de US$ 50 bilhões de subsídio, já batizada de Lei dos Chips, para o retorno da fabricação de chips nos Estados Unidos.

"O financiamento robusto da Lei CHIPS ajudaria os Estados Unidos a construir a capacidade adicional necessária para ter cadeias de abastecimento mais resilientes para garantir que tecnologias críticas estarão disponíveis quando precisarmos delas", disse o grupo em uma carta entregue aos líderes democratas e republicanos em ambas as casas do Congresso dos EUA. Mas a pressão também vem das indústrias automotivas. A Ford já comunicou que deverá reduzir pela metade a sua produção por falta de chips.

Até o momento, o governo Biden não se posicionou, até porque a disputa envolve dois grupos muito fortes e significativos para a economia norte-americana. As gigantes de TI sustentam. "O governo deve abster-se de intervir enquanto a indústria trabalha para corrigir o atual desequilíbrio entre oferta e demanda que está causando a escassez".

No Brasil, a situação não é diferente. De acordo com a Abisemi (Associação Brasileira da Indústria de Semicondutores), cerca de 90% dos semicondutores usados por aqui são importados. O país representa cerca de 2,5% do mercado mundial de US$ 470 bilhões. Os grandes players do mercado de chips são quatro, em ordem de valor de mercado: TSMC (US$ 600 bilhões), NVidia (NVDC 34, US$ 390 bilhões), Intel (ITLC34, US$ 245 bilhões) e AMD (A1MD34, US$ 100 bilhões), e todos devem sofrer consequências positivas ou negativas dessa crise.

*Com informações da Reuters


Open Banking: Brasileiro se preocupa com crime financeiro e dados anônimos

Pesquisa da TecBan, feita pela Ipsos, com brasileiros bancarizados mostra que a principal demanda esperada pelos correntistas é a garantia de um atendimento em caso de fraude. Também aumentou a preocupação em saber se os dados compartilhados serão mesmo protegidos como a LGPD impõe.

Bancos oficializam cobrança por PIX para o mercado corporativo

Banco do Brasil, Bradesco, Itaú e Santander fecharam uma tarifa variando entre R$ 9 e R$ 10. Já Caixa, Nubank e Inter seguem não cobrando pelo serviço. 

CI&T vai às compras e adquire a Dextra por jornada digital

Os valores da transação não foram revelados pelas partes. Com a aquisição, a CI&T incorpora 1200 profissionais e clientes no Brasil e nos Estados Unidos.

JP Morgan compra 40% do C6 Bank

Lançado em 2019, o C6 Bank soma mais de 7 milhões de clientes na sua plataforma digital. Quem tem acordo com o banco digital é a TIM.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G