Clicky

5G e Inteligência Artificial são estratégicos para suportar investimentos no Brasil

Convergência Digital ... 14/06/2021 ... Convergência Digital

Mais de oito em cada dez líderes da área de TI no Brasil (mais precisamente 84%) dizem que se sentem mais pressionados para entregar resultados tangíveis para os negócios, comparado ao último ano. É o que aponta uma pesquisa realizada pela Suse, especializada em soluções de código aberto inovadoras, confiáveis e de nível empresarial, para entender as necessidades e os desafios da área e como os líderes de TI em empresas em todo o mundo estão usando a tecnologia para apoiar seus esforços de inovação depois de um ano da pandemia de Covid-19.

A pesquisa global entrevistou 800 líderes de TI de organizações com mais de 250 funcionários em diversos setores da indústria de todo o mundo, durante os meses de março e abril. No Brasil, foram entrevistados 100 líderes, que afirmam que a pandemia de Covid-19 acelerou ou aumentou a inovação tecnológica em 66% das organizações; 95% afirmam que a estabilidade ininterrupta de TI e infraestrutura é mais importante do que nunca.

A pesquisa também apontou que os maiores desafios tecnológicos para os gestores brasileiros incluem demandas por infraestrutura de acesso remoto (38%), pressão para redução de custos operacionais (38%) e manutenção de segurança e controles de acesso a dados (36%).

Entre uma série de tecnologias disponíveis, o estudo aponta que a organização de contêineres, a migração para várias nuvens, a computação de ponta e código aberto se destacam como alguns dos exemplos mais eficazes e impactantes nos negócios. Essas tecnologias se apresentam como fundamentais para ajudar a simplificar, modernizar e acelerar as operações de negócios.

A pesquisa aponta que o pilar de investimento em tecnologia mais importante para os líderes no Brasil é a simplificação da forma como administram o negócio (66%). As abordagens de tecnologia consideradas importantes no suporte a esses pilares de investimento incluem Inteligência Artificial automatizada (92%), 5G/conectividade aprimorada (92%), computação de alto desempenho (91%), estratégia de várias nuvens (90%) e DevOps (90%).

De todas as regiões pesquisadas, o Brasil se mostrou o mercado mais engajado por abraçar a mudança - e animado com as possibilidades apresentadas pelas tecnologias-chave. Quase todos os líderes de TI estão interessados em desbloquear o potencial do código aberto; a maior porcentagem de organizações em todos os mercados já tem uma estratégia de várias nuvens implementada; mais da metade está entusiasmada com a computação de ponta; e quase metade usa contêineres.

O código aberto permite a inovação no nível máximo, de acordo com 91% dos entrevistados. Noventa e dois por cento dos entrevistados veem o código aberto como uma forma de impulsionar a inovação de maneira econômica e 85% estão procurando migrar de soluções proprietárias para soluções de código aberto sempre que possível.

“O papel da inovação tornou-se mais importante do que nunca. As organizações agora devem aumentar sua agilidade para serem capazes de se adaptar às mudanças futuras, atender às expectativas de clientes e funcionários e aumentar a relação custo-benefício em face de qualquer interrupção adicional. A tecnologia é a chave e a pesquisa mostra que os líderes de TI estão abertos para explorar seus benefícios a fim de oferecer melhores resultados de negócios”, afirma José Maria Pessoa, Presidente Interino da SUSE Brasil.


Internet Móvel 3G 4G
Movile vai às compras com novo aporte de investidor global

Grupo global de Internet, Prosus, é o principal investidor da desenvolvedora de negócios como iFood, MovilePay, PlayKids, Afterverse, Sympla e Zoop, e completou o aporte de R$ 1 bilhão não empresa nacional. Games entram na mira.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Teles sugerem prêmio às cidades que facilitarem antenas de 5G

Ideia é copiar marco legal do saneamento e pontuar os municípios com regras amigáveis à telecom em ranking de acesso a recursos públicos e convênios. 

Anatel adia decisão sobre uso de ‘white spaces’

Proposta prevê uso secundário e por dispositivos de radiação restrita do espectro ocioso nas faixas de 54 a 72 MHz, 174 a 216 MHz, 470 a 608 MHz, 614 a 698 MHz. 

TIM convoca rivais para brigar por propaganda com Google e Facebook

Os planos de uma carteira digital única não andaram como o desejado, mas a TIM almeja uma plataforma única de publicidade. “Se nos reunirmos podemos competir com Google e Facebook em um mercado muito maior”, vislumbra o presidente Pietro Labriola. 

Embratel se diz pronta para migrar antenas parabólicas de Banda C para a banda KU

Empresa assegura ter todas as condições para atender aos radiodifusores brasileiros e, em breve, terá o Star One D2, que terá 28 transponders em Banda C, 24 transponders em Banda Ku, um payload em Banda Ka, além de Banda X para uso militar. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G