Clicky

Sem móvel, Oi quer ser provedor de Open RAN na infraestrutura

Luís Osvaldo Grossmann ... 18/06/2021 ... Convergência Digital

Em transformação, com a venda da operação móvel e foco maior como fornecedor de infraestrutura, a Oi acompanha o desenvolvimento do Open RAN como oportunidade de negócios. Mas como destaca o diretor de Estratégia, Tecnologia e Arquitetura de Rede da operadora, Mauro Fukuda, a nova onda ainda precisa ganhar confiança das empresas para ganhar momento.

“Estamos criando uma estrutura de rede neutra. E estamos olhando a evolução da infraestrutura para suportar especialmente as redes 5G. Temos que olhar para frente. E as operadoras, para montarem uma rede Open RAN, vão ter que adequar sua estrutura para suportar essa nova tecnologia. A Oi, portanto, pode ser um provedor de infraestrutura para suportar o Open RAN”, disse Fukuda ao participar do e-Fórum Open RAN, realizado pela Network Eventos, em parceria com o Convergência Digital.

“A Oi está em um processo de mudança. Mas independentemente da criação da ClientCo, da InfraCo, estamos vendo a tecnologia como um todo. E o Open RAN pode estar suportando essas nossas unidades, suportando serviços de atendimento à redes privadas. Por outro lado, a InfraCo pode utilizar a tecnologia para fornecer infraestrutura de suporte, não só para suportar necessidades de ClientCo, mas também fornecer infraestrutura com o serviço para os diversos atores de serviços móveis.”

Para o executivo, “o maior desafio é ainda a maturidade das soluções. Tem grande potencial, mas ainda precisa se provar. Soluções totalmente abertas, especialmente no caso de RAN, são funcionalidades altamente sensíveis à latência, throughput, por mais que se esteja desencadeando um sistema baseado em software. É ver se temos condições de fazer atendimento nas mesmas condições de performance, de segurança com relação à solução proprietária, fechada”. O caminho, no entanto, é sem volta.

“É o futuro. Não tenho dúvidas de que isso vai caminhar para todas as operadoras adotarem, porque é a solução que vai realmente ser fundamental para a flexibilidade das redes. O principal desafio, assim, é as operadoras terem segurança para implantar esse tipo de solução em suas redes, porque vai exigir mudanças operacionais, capacitação de pessoas, maturidade.”


Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Anatel adia decisão sobre uso de ‘white spaces’

Proposta prevê uso secundário e por dispositivos de radiação restrita do espectro ocioso nas faixas de 54 a 72 MHz, 174 a 216 MHz, 470 a 608 MHz, 614 a 698 MHz. 

Embratel se diz pronta para migrar antenas parabólicas de Banda C para a banda KU

Empresa assegura ter todas as condições para atender aos radiodifusores brasileiros e, em breve, terá o Star One D2, que terá 28 transponders em Banda C, 24 transponders em Banda Ku, um payload em Banda Ka, além de Banda X para uso militar. 

Pietro Labriola, da TIM, assume presidência da Conexis Brasil Digital

CEO da TIM substitui Rodrigo Abreu, da Oi no comando da entidade setorial. Labriola representará a entidade por um ano e acumulará ainda a presidência da Telebrasil e da Febratel. O 5G é a prioridade na agenda.

Teles pedem aprovação urgente de prisão por oito anos para quem furta ou rouba cabos

Em 2020, foram 96 mil ocorrências de furtos e roubos de cabos de cobre, uma extensão de 4,6 mil km, prejuízo de R$ 1 bilhão às operadoras e apagão de serviço.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G