Clicky

Testes de 5G indicam que será preciso mitigar 6 milhões de parabólicas

Luís Osvaldo Grossmann ... 21/05/2019 ... Convergência Digital

A Anatel elegeu a faixa de 3,5 GHz como a banda pioneira para o 5G no Brasil. Mas isso exige soluções para um dilema histórico no país – o risco de interferência com as estimadas 23 milhões de antenas parabólicas que garantem recepção de TV em um terço dos lares brasileiros. Os testes, iniciados há um ano, permitem um certo otimismo para as prestadoras móveis, mas confirmam que o uso efetivo vai exigir muito trabalho.

“O caminho é bom desde que tenhamos a devida filtragem. Usando filtros melhores é perfeitamente possível, tendo antenas com mais de 1,5 metro de diâmetro, mitigar mais de 90% da interferência”, avalia o consultor de tecnologia de rede da Claro, Carlos Camardella. “Mas ainda haverá uma quantidade razoável de antenas com interferência. Será preciso exigir antenas melhores, que tenham certificação e selo da Anatel para serem vendidas no país”, reconhece.

Vale lembrar que, por diferentes objetivos, a Anatel tenta há 15 anos, sem sucesso, destinar a faixa de 3,5 GHz para as telecomunicações. E o que os testes feitos no laboratório da Claro, na Ilha do Fundão, no Rio de Janeiro, evidenciam, é que o legado das parabólicas instaladas privilegiou preço sobre o uso efetivo de filtros. Sem uso em um naco próximo do espectro, tudo bem. Mas o efetivo uso da faixa de 3,5 GHz para o 5G depende de soluções políticas e técnicas.

“No cenário atual, de 23 milhões de antenas parabólicas residenciais, 30% delas em centros urbanos, na pior das hipóteses teremos que mitigar até 6 milhões de antenas, trocar LNBFs [conversores de baixo ruído] que não possuem devidos filtros. Culpa do legado, de equipamentos sem filtros, um problema histórico, já que para ficar mais barato a indústria fez o mais simples”, indica Camardella.

Os testes demonstraram que a interferência existe, mas ela pode ser atenuada, ainda que com algum trabalho. “O que foi testado foram novas amostras de LNBFs com filtragem, mas na minha visão precisa evoluir muito. Hoje não tem como usar distância menor de 600 metros para não interferir na Banda C estendida. Se tiver 5G emitindo em 2,9 GHz já interferiria em um sistema que deveria começar em 3,6 GHz”, completa.



Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Teles sugerem prêmio às cidades que facilitarem antenas de 5G

Ideia é copiar marco legal do saneamento e pontuar os municípios com regras amigáveis à telecom em ranking de acesso a recursos públicos e convênios. 

Anatel adia decisão sobre uso de ‘white spaces’

Proposta prevê uso secundário e por dispositivos de radiação restrita do espectro ocioso nas faixas de 54 a 72 MHz, 174 a 216 MHz, 470 a 608 MHz, 614 a 698 MHz. 

TIM convoca rivais para brigar por propaganda com Google e Facebook

Os planos de uma carteira digital única não andaram como o desejado, mas a TIM almeja uma plataforma única de publicidade. “Se nos reunirmos podemos competir com Google e Facebook em um mercado muito maior”, vislumbra o presidente Pietro Labriola. 

Embratel se diz pronta para migrar antenas parabólicas de Banda C para a banda KU

Empresa assegura ter todas as condições para atender aos radiodifusores brasileiros e, em breve, terá o Star One D2, que terá 28 transponders em Banda C, 24 transponders em Banda Ku, um payload em Banda Ka, além de Banda X para uso militar. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G