Clicky

UIT adota recomendações globais para Internet das Coisas propostas pela Anatel

Luís Osvaldo Grossmann ... 09/06/2021 ... Convergência Digital

A União Internacional de Telecomunicações adotou uma proposta da Anatel como recomendação para o desenvolvimento de estratégias nacionais relacionadas à internet das coisas. Apresentado ainda em 2019 e aprovado em 27/5, trata da ‘Estrutura para um plano mestre do ecossistema de internet das coisas’.

O framework define IoT como “uma infraestrutura global para a sociedade da informação, permitindo serviços avançados interconectando coisas (físicas e virtuais) com base em tecnologias de informação e comunicação interoperáveis, existentes e em evolução”. E expressamente “visa definir um quadro para ajudar os Estados-Membros na priorização de verticais para o desenvolvimento do ecossistema IoT”.

Naturalmente, o primeiro passo de qualquer estratégia de IoT envolve a garantia de conectividade. “Uma das etapas importantes é uma avaliação da infraestrutura de telecomunicações, como transporte de dados e redes de acesso, e identificação forças e carências estruturais que podem impactar as aplicações de IoT.”

Como verticais a serem exploradas, a UIT aponta para veículos, saúde, comércio, cidades, edificações, rural, indústria e logística. E além de considerações sobre cada uma delas, a recomendação alinha diversos pontos que precisam ser levados em conta nos planos nacionais, notadamente sobre espectro, dispositivos, interoperabilidade, segurança e privacidade de dados.

Como defende a UIT, “o posicionamento estratégico permitirá ao país definir fatores críticos de sucesso e priorizá-los. Em termos de ecossistema IoT, a definição de um posicionamento estratégico representa um passo importante para direcionar os esforços do país e mobilizar o atores principais para alcançar os objetivos relevantes”. Nessa linha, o documento aponta para diferentes posicionamentos:

Grupo 1: países que buscam liderança global, tanto no desenvolvimento quanto na implementação de IoT;

Grupo 2: países que buscam a liderança em setores específicos, escolhendo desenvolver distintamente um número limitado de verticais;

Grupo 3: países que buscam o uso de IoT para aumentar a competitividade e gerar bem-estar para a população, como alavanca para aumentar o competitividade da indústria local, geração de empregos e melhoria da qualidade de vida dos população; e

Grupo 4: países que buscam melhorar a qualidade de vida por meio do apoio da IoT, focados no desenvolvimento da IoT em cidades inteligentes.


Internet Móvel 3G 4G
Movile vai às compras com novo aporte de investidor global

Grupo global de Internet, Prosus, é o principal investidor da desenvolvedora de negócios como iFood, MovilePay, PlayKids, Afterverse, Sympla e Zoop, e completou o aporte de R$ 1 bilhão não empresa nacional. Games entram na mira.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Teles sugerem prêmio às cidades que facilitarem antenas de 5G

Ideia é copiar marco legal do saneamento e pontuar os municípios com regras amigáveis à telecom em ranking de acesso a recursos públicos e convênios. 

Anatel adia decisão sobre uso de ‘white spaces’

Proposta prevê uso secundário e por dispositivos de radiação restrita do espectro ocioso nas faixas de 54 a 72 MHz, 174 a 216 MHz, 470 a 608 MHz, 614 a 698 MHz. 

TIM convoca rivais para brigar por propaganda com Google e Facebook

Os planos de uma carteira digital única não andaram como o desejado, mas a TIM almeja uma plataforma única de publicidade. “Se nos reunirmos podemos competir com Google e Facebook em um mercado muito maior”, vislumbra o presidente Pietro Labriola. 

Embratel se diz pronta para migrar antenas parabólicas de Banda C para a banda KU

Empresa assegura ter todas as condições para atender aos radiodifusores brasileiros e, em breve, terá o Star One D2, que terá 28 transponders em Banda C, 24 transponders em Banda Ku, um payload em Banda Ka, além de Banda X para uso militar. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G