Clicky

Home - Convergência Digital

5G vai atrasar se teles tiverem que pagar limpeza da Banda C

Luís Osvaldo Grossmann - 15/09/2020

O presidente da Claro, José Félix, disparou fortemente contra a possível inclusão dos custos de “limpeza” da faixa de 3,6 GHz no leilão do 5G, que se acredita será realizado em algum momento de 2021. Ao participar nesta terça, 15/9, do Painel Telebrasil 2020, Félix afirmou que a escolha pela solução mais cara para mitigar as interferências entre 5G e parabólicas só beneficia as emissoras de TV. 

“Se a gente consegue mitigar com o uso de filtros essas eventuais interferências, a um custo estimado de R$ 500 milhões, por que faríamos uma migração que teria um custo estimado de R$ 3,5 bilhões? Isso representaria uma transferência de recursos públicos para a TV aberta por satélite. Tem que afastar esse risco, essa conversa, em função do lobby de empresas de radiodifusão, de migração para a banda Ku para liberar a banda C, em função do alto custo que isso representa.”

A Anatel vem repetindo que a mitigação das interferências na recepção das parabólicas é ordem do governo (Portaria 418/20, do ainda MCTIC) e que até agora os testes com os filtros mencionados pelo presidente da Claro não mostraram resultados satisfatórios. Por isso a construção do edital do 5G vai prevendo a migração dessa recepção na chamada banda C para outra fatia do espectro, a banda Ku (acima de 15 GHz). 

“A gente também enxerga um risco fortíssimo de atraso na implementação do 5G, pois uma migração dessa natureza não é uma coisa simples, demandaria muito tempo. São discussões em que se perde muito tempo no país, sem um objetivo claro, sem nenhum sentido e o resultado é que acaba não se fazendo o que tem que ser feito.”

Ele também reiterou a defesa da Claro para que o leilão 5G não traga condições especiais para pequenos prestadores – o que afeta o desenho dos lotes – e garanta pelo menos 100 MHz na faixa intermediária (3,5 GHz) para os principais atores do mercado. 

“O aproveitamento dessa tecnologia, com uma capacidade de banda maior, é muito mais eficiente. Achamos que 100 MHz é um ponto importante na questão do leilão. É o mínimo de banda para que as grandes operadoras tenham rede com boa qualidade de serviço. Esse é um ponto essencial. Esse leilão deve acontecer em condições isonômicas, sem privilégios para pequenos ou grandes. Também achamos que é importante que se tenha entre outras obrigações, a previsão do uso do espectro para a tecnologia 5G. A gente quer afastar o risco de aquisição de espectro por aventureiros ou especuladores que entrem no leilão com a intenção de revender tal espectro.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

04/12/2020
Teste na Europa registra 1Gb de velocidade em ondas milimétricas 5G

30/11/2020
Reino Unido endossa NEC no OpenRAN para tirar Huawei e provocar Ericsson e Nokia

30/11/2020
Um em cada quatro acessos móveis na América Latina será 5G até 2026, prevê Ericsson

27/11/2020
Teles: restrição a fornecedores é um risco ao 5G e aos consumidores

26/11/2020
Palo Alto: É um erro enorme repetir o passado e não tornar a nuvem aberta de verdade

24/11/2020
Leilão 5G: Embaixada da China reage forte contra filho do presidente Jair Bolsonaro

24/11/2020
Minicom se diz cobrado por Bolsonaro para fazer o leilão 5G

24/11/2020
Highline compra Phoenix Tower e passa a deter 3,2 mil torres no Brasil

19/11/2020
Qualcomm e Nokia: Ondas milimétricas são a mudança do modelo de negócio no 5G

18/11/2020
Anatel: Cibersegurança em Telecom une teles e os mais de 10 mil prestadores de serviços SCM

Destaques
Destaques

Qualcomm e Nokia: Ondas milimétricas são a mudança do modelo de negócio no 5G

Ondas milimétricas não apenas uma banda a mais para o 5G, mas são a base das novas aplicações com baixíssima latência, diz Francisco Soares, da Qualcomm. Wilson Cardoso, da Nokia, adverte que, até 2025, serão instaladas 200 mil ERBs para atender verticais específicas como a indústria 4.0.

Anatel: Cibersegurança em Telecom une teles e os mais de 10 mil prestadores de serviços SCM

"Não há como fazer obrigação em cibersegurança. O ambiente tem de ser cooperativo e não é apenas com as teles. São mais de 10 mil pequenos prestadores de serviços e eles têm de estar ativos. Temos de ter uma coordenação entre todos os atores", disse o superintendente de Planejamento e Regulamentação da Anatel, Nilo Pasquali.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

5G precisa ser aberto e transparente

Por Fabio Rua

É possível afirmar que estamos vivendo um momento extremamente crucial na história da tecnologia, ainda mais após todo o processo de aceleração digital e transformação exigidos durante o período da pandemia de COVID-19. As decisões que tomarmos hoje sobre como as redes 5G serão construídas em nosso país terão um impacto sem precedentes na transformação dos negócios.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site