Clicky

Home - Convergência Digital

Vale vai investir em laboratório 5G

Convergência Digital - 16/09/2020

Em seu projeto de indústria 4.0, a Vale aumentou significativamente a expectativa em relação à conectividade. "Temos uma série de aplicações que levam informações para centros de controle, o que nos tornou mais dependentes da conexão", comentou Marcia Costa, gerente-executiva de Tecnologia da empresa, ao participar da Sessão especial 2: Conectando mercados verticais: oportunidades com IOT e 5G, no Painel Telebrasil 2020.

A dependência da conectividade, aliás, foi um dos motivos que levou a Vale a uma parceria com a Vivo, para a instalação de uma rede privada de LTE, ao lado da Nokia, que já atuava com ela. E é um dos fatores que são ponderados no planejamento de abrir um laboratório 5G.

Os desafios da Vale não são pequenos. A empresa trabalha, por exemplo, com caminhões e outros dispositivos autônomos que têm uma série de sensores e exigem um tempo de resposta tecnológica bem preciso. "Um dos nossos pilares é a exposição ao risco, o que nos incentivou a ter caminhões autônomos em áreas críticas", explicou a executiva. As vantagens com o uso dessa tecnologia se refletiram em mais precisão no uso e economia de pneus, por exemplo.

Mas não são os caminhões os únicos motivos que levam a operadora a se tornar mais dependente da conectividade. A empresa trabalha com sensores para monitoramento de radares, com videomonitoramento, com rastreamento de equipamentos e de pessoas, inspeções sem a presença humana e outras aplicações. E isso considerando que seu ramo de atividade, a mineração, sempre teve problemas de cobertura devido às áreas remotas em que atua.

A empresa dispõe de sua própria equipe de telecom e chegou a requerer na Anatel ter a sua própria frequência. Recentemente, fechou um acordo com a Vivo para a implantação da rede móvel privativa em uma mina no Vale dos Carajás (PA), mas que deve se estender para as 15 operações da Vale no Brasil. "Temos de ir para o LTE, substituindo o Wimax que operávamos", disse a executiva. A Nokia é a fornecedora de equipamentos.

Marcia fez questão de ressaltar que há um importante aspecto social nesse contrato, com a cobertura do entorno das minas que são, na maioria, lugares afastados e sem qualquer tipo de conexão. "Por conta da parceria, a Vivo agilizou a cobertura de um hospital em Carajás, o que também mostrou que dá para acelerar quando se unem forças", observou.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

19/11/2020
Qualcomm e Nokia: Ondas milimétricas são a mudança do modelo de negócio no 5G

18/11/2020
Anatel: Cibersegurança em Telecom une teles e os mais de 10 mil prestadores de serviços SCM

17/11/2020
TBNet fecha parceria com tele para transformar 23 mil ATMs em hotspots Wi-Fi 5G

16/11/2020
EUA autorizam Qualcomm a exportar chips 4G para Huawei, mas proíbe o 5G

13/11/2020
Oi avalia 5G para usar 3,5 GHz em banda larga fixa

12/11/2020
Anatel e ABDI vão testar uso industrial e redes privadas no 5G

12/11/2020
Carlos Baigorri é o novo relator do edital do 5G na Anatel

11/11/2020
OpenRAN: padronização é obrigatória para abrir o 'jogo' aos pequenos fornecedores

10/11/2020
Infraestrutura é o recurso escasso do 5G no Brasil

09/11/2020
Procon-SP notifica Claro, Motorola e Samsung sobre venda de 5G

Destaques
Destaques

Aos 23 anos, Anatel lista 5G como próximo desafio

“Entre os desafios que nos aguardam, a economia brasileira precisa ter sua digitalização aprofundada, a conectividade precisa se tornar mais real na vida dos brasileiros”, destacou o presidente da agência, Leonardo de Morais, também ressaltando a segurança cibernética e renovação das concessões em 2025.

Classes D e E só têm o celular para teletrabalho e aulas remotas

Quase 40% dos alunos usam apenas os celulares para acompanhar as aulas online no Brasil, revela a 3ª edição do Painel TIC Covid-19, do CGI.br. No levantamento, porém, 36% dos alunos reclamam da baixa qualidade da conexão à Internet.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

IoT e os novos negócios e aplicações para o mercado de energia

Por Pedro Al Shara*

Analistas de mercado estimam que o impacto da Internet das Coisas na economia alcance de 4% a 11% do Produto Interno Bruto do planeta em 2025.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site