Home - Convergência Digital

Para Defesa, Brasil deveria adotar regra para diversificar fornecedores no 5G

Luís Osvaldo Grossmann - 24/02/2021

Representantes do Ministério da Defesa, do Gabinete de Segurança Institucional e da Escola Superior de Guerra sustentaram junto à Câmara dos Deputados, por meio do GT do 5G, que o Brasil deveria adotar as regras que obrigam mecanismos para diversificação de fornecedores na implantação da quinta geração no país. Nominalmente, a Instrução Normativa 4 do GSI, específica sobre segurança cibernética em redes 5G. 

“Se nossa rede vier com equipamentos dominados por um único a fornecedor, e caso eles venham com uma bomba lógica de fábrica, que é difícil de ser detectado, esse fabricante poderia dar um comando no país dele e travar todo o nosso 5G. É possível usar ferramentas em diferentes camadas para tratar a confidencialidade. Mas isso não resolve a questão da disponibilidade caso um único fabricante tenha controle sobre a maior parte da rede”, disse o general Ivan de Sousa Correa Filho, comandante de Comunicações e Guerra Eletrônica do Exército. 

Ao participar de audiência do GT 5G da Câmara nesta quarta, 24/2, em nome do Ministério da Defesa, Correa Filho defendeu a exigência de uma rede privada 5G para a administração federal justamente porque sobre ela recai a exigência automática da IN 4 do GSI. “Defendo a existência de uma rede privada. E entendo que não seja só do Estado. Uma fábrica que vai adotar 5G deve ter a rede privada dela também. No nosso caso, a rede privada de 5G ganha um ingrediente a mais que é a possibilidade de aplicação plena da IN 4, que melhora os requisitos de segurança da rede do 5G, mas que vale para administração federal, e não é imposta no edital.”

Como reforçou na reunião o diretor do Departamento de Segurança de Informação do GSI, Marcelo Fontenele, a IN 4 tem 22 requisitos que envolvem disponibilidade, integridade, confidencialidade e autenticidade, o que inclui regras de interoperabilidade de equipamentos e a contratação de pelo menos dois fornecedores distintos. Medidas, segundo Fontenele, “para não se ficar preso a nenhum fabricante. Quanto mais diversidade, o mercado aponta a melhor qualidade também em segurança”. 

Como arrematou o professor da Escola Superior de Guerra Ronaldo Carmona, o controle dos fluxos de informação têm importância geopolítica. Nesse contexto, o Brasil não pode ficar refém de um ou outro pacote tecnológico, enquanto deveria buscar algum nível de desenvolvimento independente. 

“O Brasil é um dos maiores países do mundo e precisamos nos preocupar de forma determinante de que maneira essas inovações introduzem novos riscos para a própria estabilidade do poder nacional e do desenvolvimento brasileiro. Hoje o país depende da compra de um pacote tecnológico de potências estrangeiras devido a nossa incapacidade de desenvolvimento autóctone e precisamos conceber instrumentos que mitiguem possíveis intrusões em sistemas e equipamentos que vierem a ser adquiridos, venham de onde vierem. Temos o desafio de evitar monopólio. Não podemos cair no risco de dependermos de um único fornecedor.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

06/05/2021
Para Minicom, 90% das antenas do 5G são isentas de licença

05/05/2021
TIM: 5G ‘puro’ é mais barato e rivais reclamam porque não fizeram VoLTE no 4G

05/05/2021
Huawei:5G exige empresas locais para aplicações e geração de talentos

05/05/2021
Um poço sem fundos no leilão 5G

05/05/2021
Índia libera testes de 5G no país só com fornecedores de fora da China

04/05/2021
Minicom pressiona TCU por edital e leilão do 5G em julho

04/05/2021
GE testa rede de ondas milimétricas da Verizon para novos serviços no 5G

03/05/2021
Na disputa do 5G, Apple lidera e chinesas ultrapassam a Samsung

28/04/2021
Futuro com 5G não será um nirvana, tampouco um apocalipse

27/04/2021
Estressadas com a falta de equipamentos, teles correm com estratégia 5G

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Trabalho híbrido, cloud, segurança, 5G: como fica o mercado de TI no Brasil?

Por Mauricio Suga*

A pandemia da Covid-19 e as mudanças decorrentes dela foram grandes aceleradores da transformação digital, tanto no Brasil quanto a nível mundial. Mudamos a maneira como trabalhamos e entendemos o local de trabalho, como gerimos e nos relacionamos com equipes e, também, revisitamos as prioridades de investimentos organizacionais, sejam elas de curto ou longo prazo.

Destaques
Destaques

Governo reedita redução de jornadas de trabalho e suspensão de contratos por conta da Covid-19

Programa passa a ter validade a partir desta quarta-feira, 28 de abril e terá validade de 120 dias.Trabalhador que for inserido no programa terá estabilidade de até seis meses.

TIC incorporou 59 mil novos profissionais e gerou 1,62 milhão de empregos em 2020

Apesar da adversidade econômica e social com a Covid-19, TIC manteve a empregabilidade em alta. "Respondemos à desoneração da folha de pagamentos cumprindo o que nos cabia. Gerar empregos", afirmou o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.

Receita Federal: Saiba como declarar jornada reduzida no Imposto de Renda

A maior parte dos funcionários do setor de TICs foi incluído no Benefício Emergencial de Preservação de Emprego e da Renda (BEm) em 2020 como medida para aliviar o impacto econômico da Covid-19. Fisco orienta como acertar as contas.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site