Home - Convergência Digital

Trabalhadores da Vikstar/Vivo em São Paulo entram em greve para receber atrasados

Ana Paula Lobo - 13/04/2021

Os trabalhadores da Vikstar em São Paulo - cerca de 3000 - decidiram pela greve e pediram ao Tribunal Regional do Trabalho a mediação para conseguir receber os salários atrasados, informou ao Convergência Digital, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Telemarketing (Sintratel), Marco Aurélio Coelho de Oliveira. "O nosso objetivo é que a Vickstar acerte suas pendências com os trabalhadores. Tivemos uma reunião com a Vivo que foi muito boa. A empresa pareceu muito disposta a negociar. A verdade é que os trabalhadores não podem ser o elo prejudicado pela briga Vikstar e Vivo", declarou o sindicalista.

Está na lista de preocupação também o pagamento dos funcionários já demitidos pela Vikstar e que também estão sem receber as suas rescisões trabalhistas. "Hoje temos 2000 mil pessoas trabalhando ainda, mas com o estado de greve vão parar. Não se pode pedir ao trabalhador para trabalhar sem receber e, por isso, formos ao Tribunal Regional do Trabalho", adicionou Marco Aurélio de Oliveira.

No Piauí, onde os cerca de 2800 funcionários da Vikstar já cruzaram os braços, a empresa terceirizada da Vivo garantiu que vai acertar 60% dos salários atrasados ainda hoje. "Os outros 40% vão vir até o final da semana e estamos com uma reunião agendada com a Vivo para pedir a ela que, como solidária, assuma esses pagamentos", contou o presidente do Sindicato dos trabalhadores em telecomunicações do Piauí (Sinttel-PI) e da Federação interestadual dos trabalhadores e pesquisadores em serviços de telecomunicações (Fibratel), João Moura Neto.

A preocupação maior, garantiu Neto, é que as vagas permaneçam no Piauí, mesmo que com a troca de fornecedor. "Temos que assegurar que essas vagas não sejam distribuídas para outros estados. São quase 3 mil trabalhadores", afirmou. Como em São Paulo, já houve o pedido de mediação do Tribunal Regional do Trabalho para que se assegurem todo os trâmites legais sem prejuízo aos trabalhadores. "Na reunião com a Vivo, vamos pedir que o rompimento com a Vikstar, que tem sempre um prazo de transição se assegure o direito do trabalhador. Queremos que a Vivo assuma o comando desse processo", completou João Moura Neto.

No total, a Vikstar tem cerca de 8 mil funcionários terceirizados atendendo o call center da Telefônica/Vivo em São Paulo, Piauí e Paraná. Ao Convergência Digital, a Vikstar, por meio de nota, mantém a alegação que a Vivo não fez os repasses financeiros para o pagamento dos trabalhadores. A Vivo nega o atraso e anunciou nesta segunda-feira, 12/04, o rompimento do contrato do serviço de call center.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

14/05/2021
STF valida lei que proíbe telemarketing para empréstimos a aposentados

12/05/2021
À espera da Anatel, Vivo quer ter rede neutra de fibra no segundo semestre

12/05/2021
Hub digital, Vivo lança oferta especial do Spotify Premium

12/05/2021
Vivo investe na criação da Vida V, um marketplace de saúde e bem-estar

04/05/2021
Um terço dos trabalhadores de call centers sofre distúrbios psíquicos

03/05/2021
Vickstar/Vivo não cumpre acordo e 2400 trabalhadores entram em greve em Teresina

29/04/2021
CADE aprova compra de torres da Vivo pela American Tower

29/04/2021
Vivo Pay chega integrado ao Pix e disponível para não clientes

27/04/2021
Vivo abre 100 vagas no call center para pessoas com deficiência

26/04/2021
Hyndai Brasil contrata Vivo Empresas para carros conectados

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Trabalho híbrido, cloud, segurança, 5G: como fica o mercado de TI no Brasil?

Por Mauricio Suga*

A pandemia da Covid-19 e as mudanças decorrentes dela foram grandes aceleradores da transformação digital, tanto no Brasil quanto a nível mundial. Mudamos a maneira como trabalhamos e entendemos o local de trabalho, como gerimos e nos relacionamos com equipes e, também, revisitamos as prioridades de investimentos organizacionais, sejam elas de curto ou longo prazo.

Destaques
Destaques

MP do Governo muda as regras para teletrabalho

A MP 1046/2021 diz que a infraestrutura necessária para a prestação do trabalho remoto tem de estar em contrato firmado previamente ou em até 30 dias depois da mudança do regime de trabalho.

Governo reedita redução de jornadas de trabalho e suspensão de contratos por conta da Covid-19

Programa passa a ter validade a partir desta quarta-feira, 28 de abril e terá validade de 120 dias.Trabalhador que for inserido no programa terá estabilidade de até seis meses.

TIC incorporou 59 mil novos profissionais e gerou 1,62 milhão de empregos em 2020

Apesar da adversidade econômica e social com a Covid-19, TIC manteve a empregabilidade em alta. "Respondemos à desoneração da folha de pagamentos cumprindo o que nos cabia. Gerar empregos", afirmou o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site