Home - Convergência Digital

Em São Paulo, sem acordo em 2020, patrões e empregados de TI discutem Convenção 2021

Ana Paula Lobo* - 18/01/2021

Nesta segunda-feira, 18/01, mesmo sem ter um acordo sobre a convenção coletiva de 2020 - terá uma audiência no Tribunal Regional do Trabalho no dia 27 de janeiro - patrões e empregados de TI em São Paulo tiveram a primeira reunião para discutir a convenção coletiva de 2021. E já no primeiro encontro, houve impasse. Os trabalhadores pediram reajuste de 6,90%, a ampliação da licença maternidade para 180 dias e do auxílio-refeição para R$ 25. A categoria também continua pleiteando a manutenção de todas as cláusulas e conquistas históricas da categoria.

Já o patronato, pelo Seprosp, ofereceu um reajuste de 4% e ficou de estudar a ampliação da licença maternidade para 180 dias. O Seprosp se mostrou contrário a cláusula de Adesão, cláusula que acabou com as Cartas de Oposição e que garante a sustentação financeira da entidade, respeitando a autonomia sindical.

"A sustentação financeira do Sindpd nos possibilitou resistir e avançar ao ponto de termos uma das melhores Convenções Coletivas de Trabalho do Brasil. Uma coisa tem que ficar clara para todos, a asfixia da entidade sindical é parte do processo de precarização das relações de trabalho. Não é à toa que travaram nos últimos três anos o Acordo neste ponto", enfatizou o presidente do Sindpd/SP, Antonio Neto.

O sindicalista disse que o Sindpd/SP está aberto para as empresas que queiram negociar. "Estamos à disposição das empresas para fecharmos Acordos Coletivos de Trabalho. Nos mande um Whatsapp ou e-mail que abrimos a negociação. Vamos buscar todas as empresas para fecharmos acordos, já fizemos isso em 2020 e com muito trabalho, realizamos mais de 600 assembleias virtuais", adicionou Neto.

*Com informações do Sindpd/SP

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

05/03/2021
Empresa de TI é obrigada a pagar PLR depois de disputa judicial

01/02/2021
Impasse entre patrões e empregados, faz TRT/São Paulo convocar Ministério Público do Trabalho

18/01/2021
Em São Paulo, sem acordo em 2020, patrões e empregados de TI discutem Convenção 2021

18/01/2021
Trabalhadores da Procergs entram em greve por aprovação de acordo coletivo 2020

17/12/2020
Patrões e empregados de TI de São Paulo não se acertam e segue impasse sobre reajuste em 2020

14/12/2020
Dissídio de TI em São Paulo: TRT marca nova audiência de conciliação

09/10/2020
Convenção de TI São Paulo: Patrões e empregados não se entendem na Justiça

09/07/2020
TRT/SP rejeita cautelar das empresas de TI e cobra Convenção Coletiva 2020

21/02/2020
Trabalhadores em TI no Distrito Federal querem aumento real de 3%

14/02/2020
Dissídio TI/São Paulo: Trabalhadores querem convenção coletiva para empresas com até 100 trabalhadores

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Muito além do modismo. Muito prazer, Python!

Por Guilherme Lima*

Além de aumentar a produtividade do desenvolvedor, muitas vezes, a linguagem Python vai além de linguagens compiladas ou estaticamente tipadas, como C, C ++ e Java. É importante lembrar que o código Python tem, normalmente, de um terço a um quinto do tamanho do código C ++ ou Java, por exemplo. Isso significa que há menos para digitar, depurar e menos para manter após o fato.

Destaques
Destaques

Na liderança, curiosidade insana e coragem impactam mais que a competência

Vice-presidente para setor público na AWS, Teresa Carlson, e Indra Nooyi, membro do board da Amazon e ex-CEO e chairman da PepsiCo, admitiram que a Covid-19 tem provocado crises existenciais em muitas pessoas e que, há, sim, um forte e um injusto desequilíbrio para as mulheres.

Média salarial de profissional de TI no Brasil ficou em R$ 4.849,00

Pesquisa nacional, realizada pela Assespro-Paraná e pela UFPR, mostra a desigualdade econômica do país. No Nordeste, em Sergipe, a média salarial é de apenas R$ 1.943.00. Em São Paulo, essa média sobe para R$ 6.061,00. Outro ponto preocupante: a diferença salarial entre homens e mulheres segue acima de dois dígitos.

Certificação é critério de seleção para encarregado de dados

Ainda que a LGPD não exija qualificação específica, o mercado busca profissionais com conhecimento na área. Formação pode custar até R$ 6 mil, observou Mariana Blanes, advogada e sócia do Martinelli Advogados, ao participar do CD em Pauta.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site