Entidades vão à Justiça contra Decreto que muda telefonia e permite renovação de frequências

Luís Osvaldo Grossmann ... 06/08/2020 ... Convergência Digital

Sete entidades que militam no direito à comunicação ingressaram nesta quinta, 6/8, com uma Ação Civil Pública na Justiça Federal de Brasília para anular vários pontos do Decreto presidencial 10.402/20, que regulamenta o novo marco legal das telecomunicações e indica o caminho para a transformação das concessões de telefonia em regime público para autorizações em regime privado. 

“O objetivo é que a União e a Anatel calculem os bens reversíveis com base nas determinações do Tribunal de Contas da União e da Justiça Federal, para que se considere tudo o que foi ou não foi vendido desde o início da concessão em 1998 até agora”, afirma a advogada do Intervozes Flávia Lefèvre. “Se a gente subavaliar esses bens como Anatel está fazendo, vamos ter menos investimentos”, completa. 

A bronca é com a indicação de que o cálculo dos bens reversíveis deve considerar somente a proporção de seu uso para o serviço prestado via concessão, a telefonia fixa (STFC). Na ação, Intervozes, Idec, Clube de Engenharia, Instituto Bem-Estar, Coletivo Digital, Garoa Hacker Clube e Compas argumentam que isso contraria a posição do Tribunal de Contas da União e sustentam que todo o patrimônio que esteja destinado à prestação dos serviços integrou ou integra o acervo das concessões. 

“São milhares de imóveis, equipamentos, antenas, contratos e, principalmente, redes de telecomunicações e os dutos”, apontam na ação civil pública, acrescentando que tal metodologia “não leva em conta alienações nem os respectivos ganhos durante todo o curso dos contratos de concessão auferidos com as alienações ilegais de bilhões em bens reversíveis”. 

A ação também questiona o Decreto onde trata do direito de uso de radiofrequências. A intenção da norma é permitir que as operadoras que já detém espectro possam renovar sucessivamente as outorgas sem a necessidade de novas licitações públicas. Para as entidades, a medida afronta a legislação. 

“Ao vincular as autorizações de uso de radiofrequências às autorizações para exploração de serviços de telecomunicações, que são celebradas por prazo indeterminado, está viabilizando que um recurso público escasso e de alto interesse público e estratégico para a ampliação do acesso aos serviços de telecomunicações e a Internet seja também outorgado sem limite temporal”, apontam na ação. 

Ao fim pedem, portanto, para a Justiça “reconhecer a nulidade dos parágrafos 2 e 3, do art. 5 e parágrafo único do art. 6, do Decreto 10.402/2020, confirmando-se a tutela antecipada requerida, bem como determinando-se às Rés que se abstenham de assinar os contratos de adaptação dos contratos de concessão do STFC para autorizações, sem a efetiva apresentação dos cálculos do valor dos bens reversíveis correspondentes”. 


Internet Móvel 3G 4G
OpenRAN aberta: o xeque-mate do xadrez geopolítico do 5G

Fornecedores precisam  se comprometer mais com a compatibilidade com RAN aberta e os EUA precisam correr  para não perder de vez mercado para Ásia e Europa, advertiu o vice-presidente de estratégia de rede da Telus, Bernard Bureau.

Relator no Senado propõe desoneração de IoT e VSats sem mudar texto da Câmara

Relator do PL 6549/19 na CCT, senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) sustenta que isenção de Fistel, Condecine e CFRP vai, na prática, aumentar a arrecadação . “Ganho líquido na arrecadação será de R$ 2,9 bilhões”, afirma. 

Empate suspende decisão do STF sobre desbloqueio de celular em 24 horas

Operadoras questionam no Supremo uma lei do Rio de Janeiro que determina o desbloqueio da linha 24 horas após quitação de dívida. Placar está em 5 a 5. 

Para Oi, assinatura básica teria que ser acima de R$ 100 para pagar concessão

Presidente da Oi, Rodrigo Abreu, diz que a pandemia foi ruim para o setor e que a busca pelo equilíbrio é fundamental. “O ‘break even’ seria mais caro que um pacote básico de banda larga."

Copel Telecom marca privatização para novembro e quer R$ 1,4 bilhão

Edital de venda do braço de telecomunicações da estatal paranaense de energia é previsto para 21/9. Empresa tem 34 mil km de fibras em 399 municípios. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G