Home - Convergência Digital

Um em cada três smartphones no Brasil está 'infectado' por malware

Convergência Digital - 08/04/2020

Cerca de um terço dos smartphones com Android no Brasil, algo em torno de 23 milhões de aparelhos, estão infectados com malware responsáveis por fraudes em grande escala. Esses malware estão escondidos em vários aplicativos populares e cometem fraudes que miram anunciantes, operadoras e consumidores, revela estudo da empresa Upstream.

São aplicativos que parecem se comportar normalmente na tela do smartphone, mas disfarçadamente clicam em links e anúncios, inscrevem usuários em serviços e consomem grande volume de dados em planos pré-pagos. Não apenas anunciantes pagam desenvolvedores por cliques falsos, esses apps fraudulentos coletam dados pessoais sem qualquer sinal visível.

Segundo a Upstream, há trabalhos em curso com várias operadoras no Brasil na tentativa de proteger consumidores e negócios desse tipo de fraude. A empresa monitora e bloqueia transações suspeitas e segundo o relatório de 2019, isso resultou em quase 1 bilhão de transações em aparelhos com Android, com sucesso em bloquear 91% delas.

Com base nesses resultados, os apps mais ofensores do ano passado foram:

1 - 4Shared: 166 milhões de transações bloqueadas

Esse aplicativo permite armazemento e compartilhamento de arquivos. Às escondidas, no entanto, também gera anúncios e cria falsos cliques, visualizações e até compras. Chegou a ser removido da Google Play, mas já retornou.

2 - Weather Forecast: 45 milhões de transações bloqueadas

O aplicativo World Weather Accurate Radar faz mais que previsão do tempo. Também abusa e coleta dados de identidade do usuário e clica em centenas de anúncios. Ele também continua disponível na Google Play.

3 – VidMate: 43 milhões de transações bloqueadas

Fraudadores reconhecem que usuários de smartphones assistem e compartilham vídeos e assim escondem atividades maliciosas. VidMate, baixado mais de 500 milhões de vezes, também gera falsos cliques, compras e downloads de outros apps suspeitos sem o conhecimento do usuário. Ele foi removido da Google Play.

4 – Videoder: 36 milhões de transações bloqueadas

Esse aplicativo permite download de vídeos em WiFi grátis para serem assistidos mais tarde. Mas às escondidas realiza atividades maliciosas semelhantes às do VidMate.

5 – Snaptube: 32 milhões de transações bloqueadas

Esse app infectou 4,4 milhões de aparelhos e gerou mais de 70 milhões de transações fraudulentas, com cerca de metade delas originadas no Brasil. Embora tenha sido revelado em outubro de 2019, continua disponível.

Segundo dados da Upstream, cuja plataforma roda em 31 operadoras móveis em 20 países, 93% das transações móveis foram bloqueadas globalmente como fraudulentas em 2019.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

06/07/2020
Grupo de saúde vai à CVM reportar ataque cibernético

03/07/2020
Administradora de shopping centers revela ataque cibernético

26/06/2020
PF caça quadrilha que teria vazado dados do presidente Bolsonaro e de mais de 200 mil servidores

25/06/2020
Bancos querem prisão por até 18 anos para cibercriminosos

22/06/2020
Light confirma ataque cibernético e cobrança de resgate em bitcoin

12/06/2020
Natura: Investigação ainda não concluiu se ataque hacker à Avon comprometeu dados pessoais

10/06/2020
Google identifica 18 milhões de mensagens diárias de malware e phising

10/06/2020
Catho torna público acesso indevido à sua base de dados

09/06/2020
Ataques hackers têm o sequestro de dados e a extorsão como alvo principal no Brasil

09/06/2020
Ataque hacker interrompe operação da Avon, da Natura

Destaques
Destaques

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site