Home - Convergência Digital

Huawei desafia governo dos EUA a provar o uso de backdoors

Convergência Digital* - 14/02/2020

Por meio de nota oficial, a Huawei decidiu reagir pesado a mais um ataque do governo dos Estados Unidos. A fabricante desafiou os Estados Unidos a provar o uso de backdoors nos seus equipamentos e partiu até para cima de rivais como Apple e Samsung. Na nota oficial, a Huawei salienta que 'as novas acusações do Departamento de Justiça dos Estados Unidos contra a Huawei fazem de uma campanha sistemática. Isso consiste em perseguição política, pura e simplesmente".

De acordo com a Huawei, as novas acusações - autoridades dos Estados Unidos disseram ao Wall Street Journalque a Huawei pode secretamente acessar comunicações usando o equipamento que operadoras são obrigadas a instalar para permitir acesso por órgãos de segurança - se baseiam principalmente em disputas civis dos últimos 20 anos que foram previamente resolvidas, litigadas e, em alguns casos, rejeitadas por juízes e júris federais.

"Nessas disputas, nenhum tribunal descobriu que a Huawei havia se envolvido em roubo de propriedade intelectual ou exigido que a Huawei pagasse indenização por violação de propriedade intelectual de terceiros. O Departamento de Justiça dos Estados Unidos está reintroduzindo casos civis anteriormente resolvidos como casos criminais. Trata-se de aplicação seletiva da lei, motivada politicamente e contrária a convenções judiciais comuns", afirma a Huawei.

A briga respingou nas rivais Apple e Samsung. "Disputas sobre propriedade intelectual são comuns em negócios internacionais. Segundo registros públicos, de 2009 a 2019, a Apple esteve envolvida em 596 ações de propriedade intelectual e a Samsung em 519. A Huawei esteve envolvida em 209. O Departamento de Justiça dos Estados Unidos insistiu em instaurar uma ação criminal contra a Huawei, com único objetivo de atacar, desacreditar e manchar a reputação das principais tecnologias da companhia. Eles querem prejudicar a vantagem competitiva da Huawei no mercado global".

Na nota, a Huawei sustenta que nenhuma empresa pode se tornar líder global roubando outras. Até o final de 2018, a Huawei registrou 87.805 patentes, incluindo 11.152 patentes nos Estados Unidos. Desde 2015, a Huawei recebeu mais de U$ 1,4 bilhão em receita de licenciamento. A companhia pagou mais de U$ 6 bilhões em royalties pelo uso legítimo das patentes de outras empresas, sendo que quase 80% desse valor foi pago a empresas americanas.

Assegura que "nenhum dos produtos ou tecnologias da Huawei foi desenvolvido por meio de roubo de segredos comerciais. O desenvolvimento da Huawei é o resultado de nosso enorme investimento em Pesquisa e Desenvolvimento, além do trabalho árduo dos funcionários nas últimas três décadas. A Huawei conta com a confiança e o apoio de nossos clientes, fornecedores e parceiros." O informe termina afirmando que atacar a Huawei "não ajudará os Estados Unidos a ficarem à frente da concorrência. Repetir uma mentira não a tornará realidade. A Huawei acredita que o tribunal tomará uma decisão justa com base em fatos e evidências".

Reação imediata

O chefe de segurança cibernética da Huawei, John Suffolk, disse nesta sexta-feira, 14/02, em uma coletiva de imprensa, em Londres, não saber de nenhuma operadora de telefonia móvel que dê à fabricante chinesa acesso ao equipamento usado para interceptar chamadas quando solicitado por órgãos de segurança, o que seria o famoso backdoor. “Não temos acesso a este equipamento, não sabemos qual chamada ou informação está sendo interceptada, não sabemos quando é interceptada - tudo o que fazemos é fornecer um lado da caixa que é cego para o que está acontecendo no outro lado da caixa”, sustentou.

Suffolk disse ainda que a Huawei não fabricou o equipamento que operadoras usam para interceptar as comunicações, acrescentando que os EUA não apresentaram nenhuma evidência para as alegações. O executivo alfinetou a situação ao dizer que governos e operadoras são “inteligentes” e estão apoiando a Huawei, na competição travada com outros fabricantes, em especial, Ericsson e Nokia.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

23/06/2020
Huawei: Brasil sempre teve um mercado aberto e justo no setor de TIC

21/05/2020
Huawei tem novo CEO para conduzir negócios no Brasil

18/05/2020
Huawei sobe o tom e diz que governo dos EUA é arbitrário

15/05/2020
EUA restringem vendas de chips para Huawei

14/05/2020
EUA usam Covid-19 para prorrogar por mais um ano restrições à Huawei

09/03/2020
Huawei: Teles e governo vão perder dinheiro se tomarem partido na guerra comercial

20/02/2020
Consumo alto de energia desafia o futuro dos data centers

19/02/2020
Anatel: Quem escolhe fornecedor 5G são as teles vencedoras do leilão

14/02/2020
Huawei desafia governo dos EUA a provar o uso de backdoors

12/02/2020
Huawei diz que está pronta para continuar parceria com as teles no 5G

Destaques
Destaques

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Regulamentação de IoT passa por tratar a coleta e a proteção dos dados

De acordo com a KPMG, será preciso ainda cuidar da avaliação de riscos, governança, gestão da configuração e gestão da cadeia de suprimentos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site