INOVAÇÃO

Singularity University: "O que se faz hoje não fará nenhum sentido na próxima década"

Por Roberta Prescott ... 14/10/2019 ... Convergência Digital

Em 2050, o mundo abrigará 9 bilhões de pessoas, mas o maior salto será antes: até 2030 as estimativas apontam que seremos 8,5 bilhões de seres humanos. A primeira lacuna que os habitantes da Terra enfrentarão é de alimentos, uma vez que a demanda aumentará. "Precisaremos de terras do tamanho de duas Índias; e nós não temos isso", proferiu Paul D. Roberts, diretor de inovação e estratégias da Singularity University, ao participar da Abes Software Conference 2019, realizada nesta segunda-feira, 14/10, em São Paulo.

Roberts usou as projeções sobre a possibilidade de falta de alimentos para apontar como o avanço da tecnologia é primordial para resolver os problemas do futuro. Ele falou sobre novas técnicas de manipulação de DNA para produzir leite sem vaca e carnes de origem não-animal. Estamos, segundo ele, diante de um avanço de tecnologias que mudaram completamente a maneira de as pessoas viverem. Como exemplo, citou que caminhamos na direção do sexto paradigma do crescimento exponencial, tanto no que se refere a GPU, TPU, IPU, Thinker, computação em nuvem e edger computing quanto a neuromorphic computing (computação neuromórfica), que é a computação  - computing base of the, domino computing e computação quântica.

"Na década de 2030, com US$ 100 poderá se comprar poder computacional equivalente ao cérebro humano. Sentimos que as coisas estão acontecendo mais rapidamente, e é verdade, mas estamos apenas no começo desta jornada", ressaltou. Diante disso, o conselho dele é que as empresas comecem a pensar exponencialmente, porque "as coisas que estão inventando hoje não serão importantes no futuro".

Ainda que não exista uma formula única, o diretor de inovação e estratégias da Singularity University destacou que, assim que algo é digitalizado, ele passa a poder ter um crescimento exponencial. São seis "Ds", explicou, citando (em inglês), digitalize, deceptive, disruptive, dematerialize, demonetize e democratize. "Comece se perguntando quem são seus competidores e quem não estará mais recebendo dinheiro quando algo for digitalizado", disse.

A maior digitalização tem como pano de fundo o barateamento, ano após ano, dos sensores; a expansão da adoção de internet das coisas; a entrada proximamente de 5G e, dentro de dez anos, de 6G, levando a comunicação para todos os lugares, com latência zero, avanço de redes mesh e maior número de satélites e microssatélites. "Digitalizar muda o mundo", disse. "E a principal coisa que você pode fazer é não planejar o futuro com a visão do presente", aconselhou Paul Roberts. Assistam a entrevista.


Cloud Computing
Com Serpro, AWS ataca duas pontas dos contratos de nuvem no governo

Depois de se tornar a primeira fornecedora direta aos órgãos federais, via pregão da Secretaria de Governo Digital, empresa inaugura acordo com o Serpro para a oferta de multicloud. Microsoft, Google, Huawei, Oracle e IBM estão na fila. Contrato com o Serpro pode chegar até R$ 71,2 milhões em cinco anos.

Softex e MCTIC abrem edital para selecionar 100 projetos de inteligência artificial

Serão escolhidos projetos nas áreas de agronegócios, saúde, indústria e cidades inteligentes que poderão receber aportes de R$ 500 mil.

Pesquisa de inovação mostra investimento baixo e falta de política pública

Segundo o IBGE, as empresas inovadoras do Brasil investiram menos de 2% da receita em P&D. “A agenda de inovação é urgente e deveria ser prioridade”, aponta a Confederação Nacional da Indústria. 

Laura, a IA nacional que já salvou 12 mil vidas, entra no combate ao Coronavírus

Tecnologia será disseminada em todo o Brasil, depois de um acordo com o governo federal. Em setembro do ano passado, no Rio Info 2019, o Convergência Digital entrevistou um dos idealizadores da Laura.

Brasil precisa formar massa crítica de empreendedores para inovação

A posição é defendida pelo CEO da Fábrica de Startups, Hector Simões, que tem como meta se tornar o maior hub de inovação do Rio de Janeiro.

Investimentos em fintechs disparam para R$ 7,6 bilhões no Brasil

Aportes triplicaram puxados pela injeção de R$ 1,9 bilhão no Nubank e R$ 1,6 bilhão no Banco Inter.  Brasil ocupa o quinto lugar entre os maiores centros de captação de fundos de fintechs no mundo.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G