Home - Convergência Digital

Oi fornece 4G, Internet, Wi-Fi e conectividade à rede da Marinha na Antártica

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 16/01/2020

Internet fixa com capacidade de transmissão de dados em alta velocidade; rede móvel com conexão 4G; sistema de recepção de sinal de TV via satélite; infraestrutura para acesso Wi-Fi; e conectividade com a rede corporativa da Marinha. Esses são alguns dos serviços prestados pela Oi na Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF), inaugurada nesta quarta-feira, 15/01, pelo governo brasileiro. Com 4.500 metros quadrados e capacidade para hospedar até 64 pessoas, a nova estação conta com equipamentos de última geração da Oi, que têm como objetivo garantir uma conexão de qualidade aos militares e pesquisadores brasileiros que atuam na Antártica.

Os sistemas de telecomunicações viabilizam a troca de dados entre as pesquisas de campo realizadas na Antártica e as instituições às quais os pesquisadores são vinculados no Brasil, contribuindo para o desenvolvimento da pesquisa brasileira, dentro dos objetivos do PROANTAR (Programa Antártico Brasileiro), que visa a produção de conhecimento científico do continente. Essa nova infraestrutura de telecom também permite o monitoramento remoto dos equipamentos vitais da estação, incrementando a segurança operacional da base brasileira, e a ligação à rede corporativa da Marinha para as atividades administrativas, além de garantir a comunicação dos ocupantes da EACF com seus familiares.

“Essa iniciativa está em linha com nosso plano estratégico anunciado no ano passado, que prevê fortalecer nossa atuação como provedora de soluções digitais integradas para o mercado corporativo, baseado na robustez e abrangência da infraestrutura da Oi”, afirma Rodrigo Abreu, COO da Oi. O plano estratégico da companhia prevê investimentos para massificação e liderança da companhia em infraestrutura de fibra ótica no país, com crescimento agressivo em soluções de Telecom e TI para o mercado corporativo e para o mercado de atacado.

A Oi fornece serviços de telecomunicações à Estação Antártica Comandante Ferraz desde 2006. No início do ano passado, a partir de um novo acordo de cooperação entre a Marinha do Brasil e a Oi, a companhia ampliou e modernizou os serviços prestados à EACF. O acordo de cooperação prevê ainda treinamento e qualificação anuais dos militares componentes do Grupo-Base, que permanecem na Estação por mais de um ano, para a operacionalização do sistema e a manutenção dos equipamentos de telecomunicações. Além disso, a Oi realiza a revisão e manutenção preventiva dos equipamentos instalados na estação.

 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

18/02/2020
Oi reforça investimento na Oi Móvel em dezembro

11/02/2020
Anatel: risco financeiro da Oi no curto prazo está descartado

06/02/2020
Oi contrata mais uma consultoria para asessorar venda de ativos não estratégicos

04/02/2020
Oi reforça atuação no mercado de edge computing

31/01/2020
Rodrigo Abreu é o novo presidente da Oi

30/01/2020
Oi confirma venda de prédio em Botafogo, no Rio, por R$ 120 milhões

28/01/2020
Oi reitera à CVM intenção de vender torres e ativos não estratégicos

27/01/2020
STJ nega bloqueio de R$ 1 milhão da recuperação judicial da Oi

24/01/2020
Oi consegue US$ 1 bilhão para fortalecer caixa com venda de operadora em Angola

22/01/2020
Oi volta a apresentar caixa negativo em novembro

Destaques
Destaques

Governo do Brasil ainda avalia restringir Huawei na implantação do 5G

MCTIC estuda a publicação de um novo Decreto, ou em forma de Portaria, com normas para cibersegurança específicas para o setor de telecomunicações. A estratégia Nacional de Segurança Cibernética, recém-lançada pelo Governo, tratou - de forma genérica- o tema 5G.

5G exigirá uso de requisitos mínimos de Segurança Cibernética

Tecnologia é apontada como 'uma revolução na comunicação de dados, no potencial de emprego de equipamentos de Internet das Coisas e na prestação de novos e disruptivos serviços".

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site