NEGÓCIOS

Justiça não pode relativizar registro concedido pelo INPI

Convergência Digital* ... 06/08/2019 ... Convergência Digital

Registro concedido pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) não pode ser relativizado pelo Poder Judiciário. Assim entendeu a 2ª Câmara de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo ao dar parcial provimento a recurso da empresa de cosméticos Natura, que questionou o uso da palavra “natura” por uma empresa do ramo alimentício. Os desembargadores entenderam que houve violação do registro de marca.

O relator, Ricardo Negrão, destacou no voto que a Natura Cosméticos tem proteção de alto renome concedida pelo INPI em 2005. Isso garante à empresa proteção especial da marca em todos os ramos de atividade do país. O argumento da ré de que registrou o nome “Sabor Natura” em 2002, antes da concessão do alto renome, não foi acolhido pelos desembargadores — nem mesmo a alegação de que as empresas atuam em ramos distintos, não havendo concorrência desleal ou desvio de clientela.

“Destarte, têm razão as apelantes na proteção invocada à marca 'Natura', não podendo ser cogitada nem mesmo a flexibilização pelo princípio da especialidade defendida pela ré, pois conforme já mencionado, as autoras também possuem registros marcários anteriores para as classes de alimentos, já tendo explorado o mesmo segmento”, afirmou o relator, que votou para reformar a sentença de primeiro grau.

Ele foi seguido pelos demais integrantes da turma julgadora. Com isso, o TJ-SP determinou que a empresa ré se abstenha de usar a expressão “Natura” em seu negócio, sob pena de multa diária de R$ 5 mil. A Câmara considerou elevado o valor diário de R$ 30 mil que constava na inicial. Além disso, a ré terá que pagar indenização por danos morais, que será calculada na fase de liquidação da sentença.

* Do Conjur


Cloud Computing
SD-WAN ganha musculatura com a Covid-19 na América Latina

Dados da IDC mostram que o crescimento dos serviços fixos de dados deram um salto por causa da pandemia e há uma expectativa de crescimento de 24% acima da previsão nos próximos cinco anos.

Cientista de dados: seja investigativo, analítico e curioso

Não há um perfil delimitado para o cientista de dados, o que significa que ele pode ser um 'profissional mais rodado e experiente' ou uim jovem recém-saído das universidades. Mas há um ponto essencial: a multidisciplinaridade, aponta o professor e especialista em ciência de dados do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação (IGTI), João Carlos Barbosa.

Serpro busca parceria com bancos para emissão de certificado digital

Chamamento público espera identificar oportunidades de negócios que fomentem a massificação das assinaturas digitais. 

Huawei diz ter estoque suficiente para atender demanda nacional

Diretor senior de Relações Públicas e Governamentais da empresa, Atílio Rulli, assegurou que o estoque da fabricante está 'em linha com que é visto no mundo'. Hoje a Huawei produz localmente 40% dos equipamentos que vende às operadoras, ISPs e empresas brasileiras.

Acesso Digital recebe aporte e entra na briga pelo mercado de Telecom

Empresa, criada em 2007, trabalha com reconhecimento facial e assinatura eletrônica, recebeu um investimento de R$ 580 milhões liderado por SoftBank e General Atlantic.

Empresa brasileira de mineração e blockchain é comprada por R$ 165 milhões

A FastBlock, foi criada po rum brasileiro, em 2014, e possui cerca de 20 data centers e já minerou mais de 50 mil bitcoins. Bernado Shucman fica à frente da unidade de operação da Marathon Patent Group.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G