Anatel: Parabólicas comprometem porta de entrada do 5G no Brasil

Luís Osvaldo Grossmann ... 22/05/2020 ... Convergência Digital

A busca por uma solução de convivência entre o 5G e recepção de TV por antenas parabólicas vai atrasar o cronograma do leilão, reconheceu nesta sexta, 22/5, o presidente da Anatel, Leonardo Morais. Ao tratar do tema em debate online promovido pela Aliança F4, grupo de teles e fornecedores de equipamentos em prol da banda larga, Morais destacou que a principal faixa de espectro associada à nova geração tecnológica depende da saída adotada para a coexistência dos serviços. 

“A equação do 5G, ou pelo menos parte significativa dela, está condicionada a uma restrição imposta na política pública, que é preservar os sistemas de TVRO. O ecossistema existente na faixa de 3,5 GHz já é desenvolvido em equipamentos, em handsets. Mas precisamos evoluir bastante, seja na forma do endereçamento da mitigação ou na estratégia de migração, para que consigamos dar cabo da política pública”, afirmou o presidente da Anatel. 

Embora os teste de campo tenham sido suspensos em função da pandemia de Covid-19, as simulações da agência demonstraram que a estratégia de mitigação de interferências, com uso de filtros LNBF, não obteve os resultados esperados, como apontado pelo Comitê de Uso de Espectro e Órbita

“Apesar da suspensão dos testes de campo, não paramos. Aproveitamos para fazer simulações computacionais e entender melhor a coexistência do IMT-2020, o 5G, e os sistemas TVROs, que não são um serviço mas têm sua importância e são orientados por instrumentos muito rudimentares, não seletivos, o que faz com que eles acabem a receber sinais emitidos na banda adjacente”, disse Morais. 

“Isso vai ter um impacto sobre o cronograma do leilão, isso é inexorável. Temos no Brasil esse desafio. Além do desafio de cuidar dos serviços satelitais, que têm links na Banda C estendida, 3,625 GHz, e temos que garantir que o 5G não gere interferência nesses sistemas. São desafios para levar adiante. A pandemia certamente gera impacto no cronograma e na própria cadeia de suprimentos do 5G, em termos de handsets, em termos da própria capacidade dos usuários de ter um terminal pode ser afetada, e nesse sentido impacta as projeções sobre a rentabilidade”, afirmou. 

Segundo ele, há caminhos alternativos a partir do reaproveitamento de outras faixas do espectro. “Existem outras faixas onde há desenvolvimento de soluções para 5G, notadamente na faixa de 2,1 GHz, a banda H, na faixa de 700 MHz, de 1,8 GHz. Outros países já começam a fazer refarming e através de upgrade nas redes LTE, portanto podemos catalisar o 5G no Brasil com uso de outras faixas. Mas precisamos dizer que essa principal porta de entrada do 5G [a faixa de 3,5 GHz] ainda está condicionada à restrição que mencionei.”


Internet Móvel 3G 4G
Proteja os seus dispositivos IoT. A LGPD chegou e pode pesar no bolso

As corporações estão obrigadas a repensar a proteção de dados. Atualizações constantes, trocas de senhas, autenticação em dois fatores são exemplos de medidas básicas que precisam ser massificadas. 

Oi entra na disputa do mercado de marketplaces para consolidar marca de consumo

Plataforma OiPlace chega ao mercado com mais de 3 mil produtos. Tele também incluiu canal ao vivo no Oi Play, a partir da mudança da regra de conteúdo na Internet pela Anatel.

Em três meses, Anatel e PF apreendem mais equipamentos irregulares que em todo 2019

Somente entre julho e setembro deste 2020 foram 243,7 mil equipamentos sem certificação, entre baterias, carregadores, TV boxes, smartwatches e conversores digitais com Wi-Fi.

5G: Teles insistem em filtro nas parabólicas e rejeitam migração da TV

Estudo contratado pelas operadoras diz que mitigação da inferências do 5G nas antenas custaria R$ 224 milhões, enquanto transferir a recepção para a Banda Ku, acima de 10 GHz, seria R$ 1,8 bilhão. 

Para vender Correios, Minicom transforma Anatel em Agência Nacional de Comunicações

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, à Presidência da República o projeto de lei (PL) que cria as condições para a privatização dos Correios. Texto vai para o Congresso. Expectativa é fazer a privatização em 2022.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G