Home - Convergência Digital

Operadoras pedem que edital do 5G traga compromissos na nova tecnologia

Luís Osvaldo Grossmann - 12/03/2020

As grandes operadoras de telecom e a indústria de equipamentos defenderam junto à Anatel nesta quinta, 12/3, durante audiência pública, que sejam incluídas metas de cobertura com 5G entre os compromissos de investimento obrigatórios às empresas que vencerem o leilão do 5G. 

“Não identificamos estímulos para investimentos específicos na tecnologia 5G, apenas para tecnologias anteriores. Seria importante que ele protagonizasse mais, destinando parte do investimento mínimo na nova tecnologia”, afirmou o representante da TIM, Fabio Caires. O tom foi o mesmo das demais concorrentes. 

“Não percebemos no edital incentivos para investimento no 5G, ainda que se reconheça a relevância das obrigações referentes ao 4G”, emendou o diretor do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Pessoal e Celular (Sinditelebrasil), Sérgio Kern. 

“É primordial que se estabeleça um leilão, mais que de compromissos, de infraestrutura. O brasil tem carência enorme e o papel transversal do 5G tem que ser contemplado. A partir do preço mínimo que sejam descontadas obrigações, descontados custos de limpeza, migração ou ressarcimento, mas também que se contemplem investimentos em 5G”, completou o diretor de relações governamentais da Ericsson, Tiago Machado. 

Em que pese a concordância expressa da Anatel com o repetido pleito de que o leilão do 5G não seja arrecadatório, mas focado em obrigações, a ideia de que sejam previstas metas de cobertura com a nova tecnologia não faz parte das intenções. 

“A ideia é usar o edital como instrumento de ampliação de infraestrutura. Nesse sentido, obrigar aquilo que o setor já faria detendo as faixas não faz muito sentido. E muito menos descontar do preço mínimo algo que seria interessante para o setor fazer”, afirmou o superintendente de Planejamento e Regulamentação da Anatel, Nilo Pasquali. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

02/07/2020
Claro traz 5G com compartilhamento de frequência para o Brasil

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

29/06/2020
Vodafone: 5G é o remédio para combater o impacto da Covid-19

25/06/2020
Covid-19 impôs revisão dos projetos 5G na América Latina

23/06/2020
Huawei: Brasil sempre teve um mercado aberto e justo no setor de TIC

19/06/2020
CEO da Algar: Banir fornecedor do 5G seria um tremendo equívoco

18/06/2020
Aumento de espectro para 5G está em consulta pública

17/06/2020
Qualcomm leva 5G para smartphones de baixo custo

17/06/2020
5G é agenda prioritária para novo ministro das Comunicações

Destaques
Destaques

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Regulamentação de IoT passa por tratar a coleta e a proteção dos dados

De acordo com a KPMG, será preciso ainda cuidar da avaliação de riscos, governança, gestão da configuração e gestão da cadeia de suprimentos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site