Clicky

Defesa Cibernética: 5G do Brasil deve resistir a riscos de qualquer empresa ou nação

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/02/2020 ... Convergência Digital

Ao discutir os riscos de segurança relacionados à implantação do 5G no Brasil, o comandante de Defesa Cibernética, general Guido Amin Naves, ressaltou que cabe ao país tomar as medidas que entender necessárias para restringir ações indesejáveis sobre as redes de telecomunicações. Questionado sobre o discurso dos EUA contra fornecedores de equipamentos chineses em geral, e da Huawei em especial, o general lembrou que o risco existe seja qual for o fornecedor estrangeiro. 

“Qualquer empresa, de qualquer país, tem condições de executar ações adversas. O que importa é que as empresas que vierem a participar tenham imposições de segurança e confiança”, defendeu o general Amin ao participar de debate promovido pelo Interlegis nesta quarta, 18/2. “Mas nada disso é razão para bloquear ou banir qualquer empresa, porque qualquer uma pode fazer a mesma coisa. É uma questão de nós nos preparamos para nos opor a isso.”

Ele defende, porém, que essa preparação inclua medidas desde o edital do 5G. “No 5G o que é preciso fazer, na visão da defesa de segurança cibernética, é adotar medida de resiliência desde o momento dos leilões de frequência. Medidas de resiliência cabíveis para nos opormos a essa situação, por exemplo, restringir participação de empresas controladas, por posse ou legislação, por qualquer governo estrangeiro, impor medidas de represália contratuais e legais severíssimas no caso de ação espúria intencional identificada”, apontou. 

Ele é favorável ao limite de participação de fornecedores, especialmente no core de rede. “Que nenhuma empresa tenha domínio significativo de todo o backbone do 5G. Podemos também diminuir a influência de empresas que sejam controladas, por posse ou legislação, por qualquer governo estrangeiro. Podemos estruturar o sistema de forma a termos uma divisão de frequência e de áreas com recobrimento de maneira que se alguma tiver problema outra possa cobrir”, enumerou o comandante de defesa cibernética. 

Uma sugestão já apresentada ao governo é a adoção de um ente público – uma empresa estatal, ou uma agência – que atue como integrador da rede. “Uma medida seria ter uma integradora nacional, preferencialmente sobre controle do governo, que possa não só integrar o sistema todo, garantir o serviço, mas que possa também auditar, fiscalizar.”

Assista ao posicionamento do comandante de Defesa Cibernética, general Guido Amim Naves.


Internet Móvel 3G 4G
Cobertura 4G chegou a 85% da população mundial, mas metade dela seguiu sem acesso à Internet em 2020

Levantamento da União Internacional de Telecomunicações mostra que a principal razão da exclusão digital é o alto preço do serviço diante da receita do consumidor. "Houve uma queda nos preços, mas precisa cair muito mais para termos um futuro melhor", pontuou o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Pequenos provedores querem antecipar uso outdoor do Wi-Fi 6E

“Desenvolver toda a base de dados leva tempo. Mas há operações que já sabemos onde são usadas e onde evitar problemas. Então podemos começar a implementar desde já”, diz o presidente da Associação Neo, Alex Jucius. 

GSMA: há risco no uso do Wi-Fi 6E em ambiente outdoor

Entidade insiste na necessidade de destinar uma parte dos 1200 MHz do espectro de 6 GHz para a oferta de serviços licenciados. "Essa faixa é mais viável para atender a demanda de espectro de banda média", afirma o diretor para a América Latina na GSMA, Lucas Gallitto.

IDC: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E exigem evangelização por parte do ecossistema

Hoje menos de 10% dos equipamentos disponíveis têm capacidade de conexão para o Wi-Fi 6E e esse processo tem de ser acelerado, reforça o gerente de Pesquisa da IDC América Latina, Reinaldo Sakis. 

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi
Empresa brasileira se prepara para oferecer Wi-Fi como serviço
Cambium Networks: é urgente a necessidade de atualização das redes para o Wi-Fi 6
Facebook: risco de interferência em 6 GHz não afeta a oferta do serviço
Brasil assume liderança e se torna hub do Wi-Fi 6E nas Américas
Amazon: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E têm um casamento perfeito com o 5G
Veja mais matérias deste especial

Vivo assume que rede neutra fará a diferença no 5G

Batizada de FiBrasil, a rede neutra terá papel central na estratégia nacional, afirmou o CEO da Vivo, Cristian Gebara.

Baigorri: Esperar demanda para exigir 5G pleno é o oposto de política pública

“O desconto no valor da frequência é uma decisão de Estado para financiar o investimento. É usar recurso público para garantir que Macapá, Boa Vista e Rio Branco tenham as mesmas funcionalidades de São Paulo”, afirma o relator do 5G na Anatel, Carlos Baigorri. 

CVM cobra Telebras que anuncia renovação por 10 anos de contrato com Eletrobras

Acordo vale para o uso de fibras óticas e infraestrutura de telecomunicações com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) e Furnas Centrais Elétricas S/A (Furnas). Estatal teve movimentação atípica de ações.

STF descarta ação da PGR e mantém gratuidade do direito de passagem

Maioria do Plenário acompanhou o entendimento do relator, Gilmar Mendes, de que um ordenamento unificado nacional faz parte das competências da legislação federal. Para Conexis, "STF reconheceu papel vital da conectividade".




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G