TELECOM

EB Capital está 'supercomprador' no ativo de redes

Por Roberta Prescott e Rafael Mariano ... 18/11/2019 ... Convergência Digital

O EB Capital começou a olhar o setor de telecom há três anos e já fez um movimento grande no mercado, quando investiu na Sumicity, no fim de 2018. Hoje, conta com dois braços de atividades: venture capital para empresas menores e private equity para as médias. "Em 2014, os ISPs eram 6% ou 7% do mercado de banda larga e hoje já passaram as grandes. Foi assim que a tese passou lá dentro", disse Felipe Matsunaga, sócio na EB Capital, durante painel no XII Seminário Telcomp, realizado no dia , 12/11, em São Paulo. 

O fundo investiu, há um ano, na Sumicity. Matsunaga contou que o que chamou a atenção foi o fato de o provedor ter construído backbone e backhaul e navegado em um oceano azul. "Grande parte do sucesso veio de colocar fibra ótica e competir com infraestrutura legada. Nosso dever de casa foi ajudar a povoar e sabemos que daqui para frente será mais complicado", reconhece.

Antes de investir na Sumicity, o fundou avaliou cerca de 30 provedores. "Nos identificamos com a Sumicity porque eles tinham um backbone enorme e superestruturado, não dependia de ninguém para este backbone, não comprando — ou comprando pouco — tráfego, tinham uma rede de FTTH muito extensa e vasta e estavam crescendo quase 50% ao ano. era uma joia que achamos no meio do Rio de Janeiro a ser lapidada", contou, em entrevista à CDTV.

Matsunaga ressaltou que o fundo segue "supercomprador" e alertou que as empresas que almejam a entrada de investidores precisam se preparar. O primeiro desafio, disse, é a formalização e o segundo é valoração, porque a percepção do empreendedor do que ele acha que vale a companhia é, normalmente, diferente do que realmente vale. "Eles têm de se formalizar e seguir crescendo", afirmou.


Internet Móvel 3G 4G
Coronavírus SUS vai rastrear contatos de infectados com covid-19

Tecnologia só será ativada se o usuário habilitar a função 'notificação de exposição' nas configurações do aplicativo. O sistema não identifica o doente, apenas avisa da proximidade de alguém que, voluntariamente, informou estar com diagnóstico positivo para a doença nos últimos 14 dias.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Qualcomm defende faixa de 6GHz para não licenciados atenta ao 5G

Diretor da Qualcomm, Francisco Soares, espera que a Anatel se defina por dar os 1,2GHz para os serviços licenciados. "O 6GHz não licenciado será o complemento ideal para os serviços licenciados 5G", sustenta.

Anatel define se faixa de 6GHz será 100% não licenciada ou terá 500 MHz para as teles

"A área técnica recomendou o uso para não-licenciado", contou o superintendente da Anatel, Vinicius Caram, ao participar do eForum Wi-Fi 6, realizado pelo Convergência Digital e pela Network Eventos.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G