Clicky

NEGÓCIOS

Oracle: Banco do futuro será ‘phygital’

Da redação do 5x5 TecSummit ... 10/12/2020 ... Convergência Digital

O banco do futuro será “phygital”, vai misturar o mundo físico – em um espaço que mais se assemelha a um café do que uma agência – com o virtual, permitindo o acesso a serviços e produtos via smartphones ou pulseiras inteligentes, por exemplo. Esse mesmo banco facilitará a vida das pessoas, fará recomendações inteligentes a seus clientes, seus processos serão ágeis e terá um assistente virtual personalizado. E esse chatbot estará mais próximo de um atendimento humano e entenderá melhor o cliente, pois o conhece profundamente. Esse banco de um futuro não muito distante foi apresentado por Ramon Carcolé Sans, diretor de indústria e inovação para instituições financeiras da Oracle durante sua participação no quarto dia do 5×5 TecSummit, evento online organizado por Convergência Digital, Mobile Time, Tele.Síntese, Teletime e TI Inside, e que abordou o sistema financeiro nesta quinta-feira, 10.

Essa nova roupagem para as instituições financeiras terá como foco atrair os clientes millennials e da geração Z, cujas expectativas são bem diferentes das de outras gerações. “Temos que atrair esses clientes através de experiências completamente móveis. Eles estão sempre nos smartphones e fazem tudo no celular, assim como também as transações financeiras. Temos que atendê-los de forma personalizada. E tecnologias como a inteligência artificial permitem essa personalização. Eles também estão presentes nas redes e a experiência deles no banco deve ser semelhante a das redes sociais”, explicou Carcolé Sans.

O diretor de indústrias e inovação para instituições financeiras da Oracle também disse que esses clientes do futuro precisarão de um consultor financeiro. “O advisor é importante, mesmo que ele seja automatizado. Um robô teria uma boa aceitação por parte desse público”, continuou. Outro ponto importante do banco do futuro é o conceito de marca dessa instituição financeira. “Millennials e geração Z escolhem empresas que tenham valores atrelados aos valores que eles têm”, resumiu.

As agências precisarão ser reformuladas e transformadas em “centros de experiências e relacionamento”. Esses espaços serão a junção dos mundos físico e digital, ou phygital (na junção das palavras em inglês). E, por meio de um smartphone, será possível: identificar a agência mais próxima graças à geolocalização; saber qual a agência com menos pessoas e, portanto saber onde será atendido mais rapidamente; entrar numa dessas agências e ser identificado imediatamente por meio do celular, e assim, ser cumprimentado de forma personalizada; e iniciar um processo num dispositivo móvel e, ao chegar no atendimento físico, finalizá-lo de forma mais rápida. “Os mundos físicos e digital, não estão separados. Portanto, a tecnologia ajuda a habilitar essa transformação”, completou Carcolé Sans.

O banco do futuro também vai aproximar as pessoas por meio de transações P2P, unir as empresas, seus sócios e fornecedores através da facilidade de transferências com modelos de open banking, mas também reunirá grupos a partir do conceito de social banking, facilitando a criação de comunidades para pessoas e empresas em ecossistemas. “O banco vai além do seu propósito inicial e estará imerso no sistema de consumo das pessoas e no ecossistema de negócios das empresas. Ele agrega valor além do financeiro, podendo adquirir produtos no próprio portal bancário graças a modelos de open banking”, resumiu o diretor de indústria e inovação para instituições financeiras da Oracle.

O 5×5 TecSummit é um evento online organizado nesta semana em uma parceria de cinco sites de jornalismo especializado em TI e telecom: Convergência Digital, Mobile Time, Tele.síntese, Teletime e TI Inside. O seminário discute tendências em tecnologia em cinco verticais: governo, saúde, energia, finanças e entretenimento. Nesta sexta-feira, 11, o 5×5 TecSummit debaterá inovações no setor de entretenimento. Inscreva-se gratuitamente e assista as verticais já realizadas.


Cloud Computing
Banco Modalmais compra startup de análise de dados

Refinaria de Dados, criada em 2017, já desenvolveu mais de 900 algoritmos de machine learning a partir da mineração dos dados. Objetivo do ModalMais é ser uma instituição data driven, ou seja, uma empresa com decisões guiadas por dados. O valor da compra não foi revelado pelas partes.

Intelsat contrata e abre centro de suporte a clientes no Brasil

Para o centro brasileiro, localizado no Rio de Janeiro, a empresa de satélite contratou 10 funcionários, que serão responsáveis pelo atendimento a clientes no país e em toda a América Latina.

Competitividade: o mantra do Brasil no jogo da economia digital

Em entrevista à CDTV, o executivo falou sobre os três objetivos estratégicos para 2021: reforma tributária digna para desonerar o emprego; formação de talento e medidas para garantir o uso intensivo de dados.

Produção setorial de TIC foi de R$ 506,5 bilhões em 2020

Apesar da crise econômica agravada pela Covid-19, o setor de TI e Comunicação cresceu 2.4% no ano passado, de acordo com dados da Brasscom. O segmento de software e serviços gerou R$ 216,1 bilhões, com crescimento de 5,1% e o de telecom, R$ 240,5 bilhões, mas com uma queda de 0,4%. Setor respondeu por 6,8% do PIB nacional.

Software brasileiro tem futuro ameaçado por falta de pessoas qualificadas

"O Brasil não tem de ser um celeiro de mão de obra, um BPO. Temos de fazer tecnologia. Mas falta política pública. Em 20 anos, nada aconteceu", lamenta o CEO da Plusoft, Solemar Andrade.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G