Home - Convergência Digital

Apps proibidos acirram confronto entre patrões e empregados no home office

Da redação - 12/08/2020

Clicar em um link suspeito recebido por e-mail, anotar senhas em papéis à vista de todos e conectar o computador da empresa a uma rede pública de Wi-Fi sem utilizar os devidos softwares de segurança: pequenos erros cometidos pelos colaboradores, mas que podem expor as organizações a enormes riscos. Como revela a PwC Workforce Pulse Survey, a maioria das pessoas não entende as consequências de uma eventual violação de dados ou outro tipo de ataque digital a uma empresa, à sociedade ou até mesmo à sua vida pessoal, embora esteja ciente da existência dos roubos cibernéticos e outros crimes digitais.

Realizada em julho, a pesquisa contou com a participação de 1.100 trabalhadores dos Estados Unidos. Os resultados demonstram que a comunicação e o treinamento que as empresas vêm oferecendo sobre segurança cibernética e prevenção de crimes digitais não têm ressoado junto aos profissionais, que em alguns casos chegam a baixar aplicativos não seguros ou, em tempos de home office, compartilhar seu dispositivo de trabalho com familiares, desrespeitando regras básicas de segurança corporativa.

"Orientar os colaboradores a respeito dos riscos cibernéticos e seus impactos é ação essencial nos dias de hoje. Essa orientação deve ter o propósito de mudar comportamentos e atitudes e de diminuir as chances de o profissional ser involuntariamente um agente ou um veículo para a materialização de um ataque cibernético na empresa", explica Edgar D'Andrea, sócio da PwC Brasil e especialista em segurança cibernética.

Com 61% dos diretores de Segurança da Informação (CISOs) e diretores de TI (CIOs) afirmando perceber um aumento nos riscos do uso de dispositivos e software não corporativos por conta da quantidade de pessoas trabalhando em casa, surge a oportunidade para tornar a segurança cibernética parte de uma agenda maior que envolva os profissionais. É necessário redobrar a comunicação e o treinamento direcionados, aplicar políticas e boas práticas de segurança cibernética e incorporar controles eficazes, além de convencer os funcionários de que tais medidas ajudarão não só a empresa, mas também suas vidas no ambiente digital, tanto em casa quanto no trabalho.

Devido à atual pandemia, as medidas preventivas de segurança - que já vinham recebendo investimentos - se intensificaram. Quase 70% dos CISOs e CIOs afirmaram ter aumentado o treinamento de segurança devido à Covid-19. Mas apenas 30% dos profissionais afirmaram ter recebido algum treinamento sobre o que fazer ou não na proteção dos ativos digitais.

Preocupados, mas não o suficiente

A principal porta de entrada para incidentes e violações cibernéticas nos últimos anos tem sido os funcionários e o uso que fazem dos dispositivos - tanto os da empresa quanto os pessoais. A maioria dos entrevistados demonstrou preocupação com os riscos dos ataques virtuais e suas consequências para o trabalho - 59% estão preocupados com as possíveis perdas financeiras para a empresa -, mas pensam antes nos possíveis impactos à sua privacidade.

Cerca de 75% deles, por exemplo, afirmaram confiar mais em seu empregador do que em empresas de tecnologia para manter suas informações pessoais seguras - desconsiderando o fato de que cibercriminosos podem ter como alvo essas mesmas informações. Apenas 22% dizem ter receio da perda financeira pessoal decorrente de um ataque, enquanto 15% estão preocupados com a exposição de seus e-mails. Porém, 59% demonstraram preocupação em relação a uma potencial exposição de dados pessoais a terceiros, seguidos de 57% que pensam nos impactos na carreira.

Pouco menos de um terço dos entrevistados (30%) afirma que seu empregador forneceu dispositivos para que pudessem trabalhar fora do escritório, sem a necessidade de usarem seus dispositivos pessoais (19% afirmaram utilizar os próprios equipamentos para acessar redes e dados corporativos). E apenas 23% dizem que sua empresa apresentou um exemplo que os convencessem a ter bons hábitos de segurança de dados. Apesar de ser fundamental a comunicação imediata de uma situação de risco, apenas 26% dos entrevistados concordam que podem reportar um potencial problema de segurança de dados no equipamento sem medo de sofrer repreensões.

A pesquisa da PwC também descobriu que os grupos formados por trabalhadores das gerações Y e Z podem contribuir para um maior risco de suas empresas - esses profissionais são mais inclinados a permitir que amigos e familiares utilizem seus equipamentos de trabalho para jogos, compras on-line ou outras atividades pessoais. Mais da metade (51%) dos millennials e 45% da geração Z também afirmam usar aplicativos e programas expressamente proibidos pelo empregador em seus dispositivos de trabalho.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

23/09/2020
Dos 10% em teletrabalho no Brasil, maioria é branca, tem diploma e maior renda

18/09/2020
Oi prorroga home office até janeiro de 2021

09/09/2020
Volta ao escritório pós-Covid-19 chega a 62% até dezembro

03/09/2020
Economia do governo com teletrabalho bate em R$ 691 milhões

20/08/2020
Teletrabalho: Novo PL quer acordo prévio para custos com Internet e PCs

12/08/2020
Apps proibidos acirram confronto entre patrões e empregados no home office

05/08/2020
Teletrabalho: Brasil somou 8,7 milhões de trabalhadores em home office em junho

04/08/2020
Desemprego cai pela metade em atividades adaptáveis ao Teletrabalho

03/08/2020
Trabalho remoto reduziu R$ 466 milhões em despesas de custeio do governo

31/07/2020
Teletrabalho: servidor é obrigado a assumir custo de energia, de TI e de Internet

Cientista de dados: seja investigativo, analítico e curioso

Não há um perfil delimitado para o cientista de dados, o que significa que ele pode ser um 'profissional mais rodado e experiente' ou uim jovem recém-saído das universidades. Mas há um ponto essencial: a multidisciplinaridade, aponta o professor e especialista em ciência de dados do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação (IGTI), João Carlos Barbosa.

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Futuro sem aposentadoria – qual a saída?

Por luis Macedo*

O futuro financeiro nunca foi tão incerto. A aposentadoria "oficial", pelo INSS, fica cada vez mais distante para muitas pessoas, especialmente porque o mundo do trabalho mudou. Uma alternativa para uma parcela significativa da população que não tem carteira assinada são os fundos de previdência. O problema, no entanto, é a infinidade de fundos que existem.

Destaques
Destaques

Um em cada cinco servidores públicos será substituído por robô no Brasil

A Escola Nacional de Administração Pública estima que, por conta da Transformação Digital, a automação deverá substituir cerca de 100 mil postos de trabalho no Serviço Público Federal nos próximos cinco a 10 anos, sendo que a metade deles terá menos de 50 anos.

Acordo trabalhista em Goiás será pago em Bitcoins

Em conciliação realizada pelo TRT de Goiás, empresa de mineração aceitou o pagamento no valor de R$350 mil convertidos na moeda eletrônica. 

Teletrabalho: Novo PL quer acordo prévio para custos com Internet e PCs

Iniciativa também não permite que o tempo de uso dos aplicativos, como o WhatsApp, fora da jornada normal, seja um regime de prontidão. Projeto tem regras distintas da IN 65 do Governo Bolsonaro para os servidores públicos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site