INTERNET

Mais do que adiar a LGPD, é urgente formalizar a Autoridade de Dados

Ana Paula Lobo ... 03/04/2020 ... Convergência Digital

A aprovação pelo Senado Federal do adiamento da vigência da Lei de Proteção de Dados Pessoais de agosto para 1º de janeiro de 2021, com a aplicação das multas e penalidades vigorando apenas a partir de agosto de 2021, não é unânime entre os especialistas consultados pelo portal Convergência Digital. Mas todos afirmam que mesmo com a pandemia do Coronavírus o Governo deve formalizar a Autoridade de Dados em prol do cidadão e dos negócios internacionais.

"A decisão do Senado é muito ruim. O governo está vendendo os nossos dados, estamos sendo monitorados pelo governo. Seria fundamental ter uma legislação para evitar abusos do Estado e das redes sociais. No momento em que mais precisamos de proteção, ficamos desprotegidos", afirma o advogado especializado em direito digital Walter Capanema. Segundo ele, o país passa ainda outro recado negativo ao mundo, o que sem Lei de privacidade, não dá valor à proteção dos dados nem protege os dados dos seus cidadãos. E cobra: 'Quando o governo vai formalizar a Autoridade de Dados? Como teremos compliance sem a Autoridade de Dados?'

O presidente da Assespro Nacional, Ítalo Nogueira, diz que, inicialmente, a entidade não defendia o adiamento da vigência da Lei Geral de Proteção de Dados, mesmo com a pandemia do coronavírus. Mas articulou para que houvesse a postergação das aplicações de multas e sanções por mais 12 meses para garantir mais tempo à adequação das empresas.

"Gostaríamos que entrasse em vigor em agosto deste ano, mas defendemos um ano a mais para a aplicação das sanções exatamente para permitir às empresas fazerem todos os ajustes necessários", afirma o presidente da Assespro Nacional, Ítalo Nogueira. O adiamento da vigência para janeiro de 2021, porém, não é entendida como uma medida negativa.

Mundo ideal

"Temos de compreender a situação do Brasil. Esse prazo não nos retarda tanto. A verdade é que o pós-coronavírus será muito diferente. Os países vão ficar mais fechados, as disputas comerciais vão se expor ainda mais e temos de ter uma legislação de proteção à privacidade", reforça o presidente da Assespro Nacional, entidade que reúne quase 2 mil empresas de TI do Brasil.

Indagado pelo Convergência Digital sobre a Autoridade de Proteção de Dados - ainda não oficializada pelo governo Bolsonaro - Ítalo Nogueira diz que ela é muito necessária e deve ser formalizada o quanto antes, mas assegura ser possível, em seis meses, estabelecer as diretrizes para uma vigência mais tranquila a partir de janeiro de 2021. "Teremos 16 meses a mais para discutir as multas e penalidades. É um bom tempo de adequação", diz. O presidente da Assespro não acredita que a Câmara vá mexer no texto aprovado pelo Senado. "Esse texto converge para o entendimento atual do Brasil. Não acredito que a Câmara tente mudar ou não aprovar o que virá do Senado", completa.

O advogado especialista em gerenciamento, mitigação e mapeamento de risco, pós-graduado em Compliance pela Fundação Getúlio Vargas e certificado pelo INSPER em Proteção de Dados & Privacidade e sócio da P&B Compliance, Lucas Paglia, diz que para quem trabalha no cenário da privacidade, o adiamento é ruim porque posterga uma legislação oficial. "Os nossos dados estão sendo compartilhados pela Saúde por conta da pandemia coronavírus. Era importante ter uma Autoridade de Dados para colocar limites e definir diretrizes", comenta.

O especialista, porém, assume que em momento de crise como a atual, seria um tiro no pé exigir das empresas o cumprimento dos ritos da LGPD, mesmo que se tenha dado um prazo de dois anos desde a sua sanção. "Infelizmente, hoje, a prioridade é manter as empresas vivas. Mas houve tempo de adequação e muitas não se preocuparam. O governo mesmo não formalizou a Autoridade de Dados", reforça. Paglia diz que a ausência da Lei já reflete nos negócios.

Segundo ele, empresas da Europa estão negando fechar contratos com as brasileiras por ausência de legislação voltada à privacidade com corporações brasileiras. "E com o coronavírus isso só vai agravar. Europa, EUA e até a China têm regras de privacidade. O Brasil só a terá a partir de janeiro de 2021", lamenta. O mundo ideal e perfeito, acrescenta Paglia, seria que o adiamento da vigência da LGPD tivesse sido feito pela Autoridade de Dados. "Agora, ela nascerá refém desse momento ruim do Brasil e do mundo", completa.

Medida prudente

Em posicionamento encaminhado ao Convergência Digital, a ABES -Associação Brasileira das Empresas Software classificou o adiamento da LGPD foi uma medida 'necessária e prudente diante do momento delicado que vivemos'. Segundo a entidade, os associados estão fazendo a “lição de casa”, participando dos estudos da legislação, por meio de grupos de trabalhos promovidos pela entidade, bem como já iniciaram a implementação de programas de governança e boas práticas em privacidade e proteção de dados, mesmo antes da entrada em vigor da legislação.

Ainda de acordo com o posicionamento, "o fôlego dado com a prorrogação da entrada em vigor da LGPD é de suma importância, pois o prazo inicialmente previsto na lei para sua implementação já era exíguo. Para completar, no atual cenário, as empresas estão totalmente focadas em combater a crise instaurada pela pandemia da Covid-19, impossibilitadas de direcionar esforços para o cumprimento das obrigações trazidas pela LGPD."

O informe termina reportando que 'não apenas as empresas serão beneficiadas por essa postergação, mas o Governo também, que terá maior prazo para dar efetividade à Agência Nacional de Proteção de Dados (ANPD), a qual deverá ter o compromisso de promover a educação, a conscientização e a transparência, e ser formada por um colegiado cujos membros devem refletir pluralidade e tecnicidade, possibilitando a segurança jurídica ao setor empresarial e à sociedade civil. '




Revista Abranet 30 . fev-mar-abr 2020
Veja a Revista Abranet nº 30 A matéria de capa enfatiza a relevância do engajamento ao mostrar que uma internet mais segura depende da ação conjunta de todos os atores do ecossistema. Tratamos também do leilão das frequências do 5G. Veja a revista.
Clique aqui para ver outras edições

MP de Brasília abre inquérito para apurar venda de dados pessoais

Empresa na mira do Ministério Público do Distrito Federal e Territorios (MPDFT) é a Procob S.A. De acordo com a denúncia, essa empresa comercializa relatórios contendo informações como endereço, telefones, e-mails e outros.

TJSP começa com grupo Itaú projeto de citação eletrônica de pessoas jurídicas

Segundo oTribunal, informações técnicas para a participação foram enviadas a diversas instituições, mas por enquanto  somente o grupo financeiro respondeu. 

Facebook anuncia exclusão de mais de 50 milhões de postagens falsas

Trabalho de filtragem de conteúdo é  feito por algoritmos de inteligência artificial que identificam conteúdos abusivos com expressões de discurso de ódio, nudez adulta e atividades sexuais, violência e conteúdo explícito, bullying e assédio.

MPF: Expor em redes sociais quem descumpre isolamento é obrigação

Em nota técnica, Procuradoria dos Direitos do Cidadão defende ato de denunciar ou expor pessoas que promovem festas, reuniões ou outras atividades temporariamente proibidas.

MPF pede ao Google para tirar do ar vídeo de pastor vendendo feijão como cura da Covid-19

Valdemiro Santiago de Oliveira, líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, vende por R$ 100 a até R$ 1 mil, sementes de feijão "mágico". 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G