Home - Convergência Digital

Edge computing é base para aplicações 5G

Convergência Digital* - 10/10/2019

Edge computing é crucial para as novas aplicações para as redes 5G. Esta é uma das conclusões do relatório '5G at the Edge', publicado pela 5G Americas, para tratar da evolução da nova geração de telefonia móvel. A Edge Computing é um conceito de descentralização que envolve a localização de aplicativos e sua infraestrutura geral de computação, armazenamento e as funções associadas de comutação e controle em locais mais próximos do usuário final e/ou terminal de IoT.

O relatório da 5G Americas analisa o papel da Edge Computing na evolução da arquitetura 5G, a aplicação de padrões nativos da computação em nuvem como redes definidas por software (SNDs) e virtualização de funções de rede (NFV), e identifica várias metodologias adotadas para aplicações 5G. O relatório aborda novos casos de uso e descreve as exigências necessárias para viabilizar as capacidades avançadas de mobilidade, computação e armazenamento em novas redes sem fio 5G.

O relatório também apresenta uma visão das várias iniciativas open source e setoriais que existem para definir as novas arquiteturas EDGE. Além disso, o documento define a arquitetura de referência para a próxima geração Edge e analisa as possibilidades futuras para redes. "Estamos criando uma nova arquitetura baseada em tecnologias centradas em dados, como análises, redes e armazenamento para sistemas 5G, que operam com a Edge Computing, que terá um grande impacto sobre a operação de redes sem fio no futuro", disse Rao Yallapragada, Diretor de Tecnologias Avançadas da Intel, e um dos líderes do grupo de trabalho que produziu o relatório.

As principais conclusões do relatório são:

A Edge Computing é fundamental para as novas aplicações desenvolvidos para redes 5G, como a realidade virtual e aumentada em eventos, análises de vídeo e fala, monitoramento remoto para videosegurança, entre outros, que exigem menos latência para operar em tempo real.

A Edge Computing pode viabilizar aplicações de realidade aumentada. A tecnologia também cria oportunidades para análises de vídeo e fala. Ela acelera a Internet aprimorando a gestão de conteúdo local. Com a Edge Computing, as redes 5G conseguem levar saúde, segurança e produção industrial para locais remotos através de comunicações ultraconfiáveis de baixa latência.
   
A 5G incorpora a Edge Computing em redes sem fio ao lado de novas iniciativas e padrões de código aberto para administrar dados na rede inteira, desde acesso via rádio, transporte, até no core - criando novos e poderosos recursos como o fatiamento de rede.
   
A Edge Computing usa tecnologias inovadoras de inteligência artificial e aprendizagem de máquina para aprimorar a gestão de dados em rede.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

08/07/2020
5G da Claro será na faixa de 2,6 GHz

08/07/2020
Faria: 5G depende de posição do presidente Jair Bolsonaro

07/07/2020
Nokia usa RAN aberto para provocar Ericsson no 5G

02/07/2020
Faixa de 1,5 GHz também pode ser destinada ao 5G para uso privado

02/07/2020
Claro traz 5G com compartilhamento de frequência para o Brasil

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

29/06/2020
Vodafone: 5G é o remédio para combater o impacto da Covid-19

25/06/2020
Covid-19 impôs revisão dos projetos 5G na América Latina

23/06/2020
Huawei: Brasil sempre teve um mercado aberto e justo no setor de TIC

Destaques
Destaques

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site