Convergência Digital - Home

Apenas 4% das empresas usam big data nos negócios no Brasil

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 28/04/2020

Se a disseminação da internet parece etapa vencida no universo corporativo brasileiro, o uso de ferramentas tecnológicas mais avançadas vai ganhando espaço nas empresas, desde as pequenas até as grandes. Segundo a pesquisa TIC Empresas 2019, divulgada nesta terça, 28/4, robôs, impressão 3D e, especialmente o Big Data fazem parte de uma pequena parte dos negócios no país. 

“Esse uso avança, mas ainda é um núcleo pequeno de empresas que usa essas tecnologias. Por exemplo, apenas 2% das empresas realizaram impressão 3D, mas essencialmente para uso interno, ainda sem escala”, afirma o gerente da pesquisa, Leonardo Lins. 

As ferramentas mais “populares” entre as tecnologias avançadas envolvem a mineração de grandes volumes de dados, ou Big Data, o que é reconhecidamente utilizado por 4% das pequenas, médias e grandes empresas ouvidas pela pesquisa do Cetic.br, o braço de estudos do NIC.br. 

No caso das grandes empresas, o percentual chega a 20% daquelas que possuem departamento de TI próprio – o que segundo a pesquisa representa um universo de 35% do total das organizações com mais de 250 funcionários. Entre as médias, 15% das que possuem TI própria usam Big Data. 

Segundo Lins, a maioria dos serviços de Big Data são feitos com dados da própria empresa, através de sensores, já criados e gerados internamente. Mas os números mostram que a mineração de dados de geolocalização ou pesquisas em redes sociais não ficam muito atrás. 

Assim, se o uso de dados próprios ou sensores chega a dois terços daquelas que se valem de ferramentas de Big Data, 60% admitem minerar dados de geolocalização provenientes dispositivos móveis, notadamente aparelhos celulares, conexões sem fio ou GPS. 

Também nesse grupo é prática analisar dados gerados a partir de redes sociais, blogs ou sites de compartilhamento de conteúdo multimídia. E nesse caso, a pesquisa indica que informações de redes sociais são especialmente usadas por empresa menores, 59% das pequenas que usam Big Data, enquanto o percentual cai para 55% das médias e 49% das grandes. 


LEIA TAMBÉM:
Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

CSU avança de empresa de BPO para uma companhia de tecnologia

Com diferentes atividades, entre elas, processamento de transações eletrônicas de meios de pagamento e serviços de relacionamento com clientes, a CSU contratou o NICE Nexidia para melhorar os resultados dos negócios com uma abordagem consultiva e analítica.

Cientista de dados: seja investigativo, analítico e curioso

Não há um perfil delimitado para o cientista de dados, o que significa que ele pode ser um 'profissional mais rodado e experiente' ou uim jovem recém-saído das universidades. Mas há um ponto essencial: a multidisciplinaridade, aponta o professor e especialista em ciência de dados do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação (IGTI), João Carlos Barbosa.

Destaques
Destaques

Fleury cria empresa baseada em ciência de dados e inteligência artificial

Saúde ID funcionará como um marketplace de serviços ligados à saúde e recebeu investimentos de R$ 50 milhões. O paciente terá todas suas informações de saúde integradas em uma única plataforma, que poderá oferecer às empresas e operadoras um serviço com algoritítimos preditivos.

No Brasil, empresas 'confiam, desconfiando' das multiclouds

Estudo, feito pela F5 com vários países da América Latina, mostra que as organizações têm menos confiança na capacidade da nuvem pública resistir a um ataque hacker voltada às aplicações. Escolha da nuvem é feita aplicação por aplicação.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem privada?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site