Clicky

Teles querem deixar migração das parabólicas para depois do leilão 5G

Luís Osvaldo Grossmann ... 15/01/2021 ... Convergência Digital

As operadoras móveis circulam por Brasília com uma nova investida sobre as obrigações do leilão de 5G relacionadas ao tratamento das interferências sobre as antenas parabólicas. Ao retomarem a defesa de que o edital obrigue apenas a instalação de filtros, sugerem que a migração do sistema TVRO seja feito no futuro.

Em conversas com Anatel, Ministério das Comunicações e mesmo com as emissoras de TV, as teles argumentam que a migração deve ficar para um outro edital da Anatel, quem sabe o resto da Banda C. Do Poder Público, teriam ouvido que pode ser uma alternativa. Das TVs, "cordiais" negativas. Falta levar a ideia ao Ministério da Economia. 

Para as teles, além de reduzir o tamanho da obrigação associada a evitar interferências dos serviços móveis (em 3,3 a 3,7 GHz) sobre a recepção das parabólicas (3,8 a 4,2 GHz), exigir somente a solução de mitigação no edital poderia permitir uma implantação mais rápida do 5G no país. 

A conta é de que custa R$ 388 milhões para instalar filtros nas parabólicas daqueles entre os inscritos no Cadastro Único de programas sociais que vierem a reclamar de interferência na recepção dos sinais de televisão. O valor descarta o custeio da digitalização dos 18 canais via satélite ainda analógicos, até porque as teles acreditam que não há previsão regulamentar nesse sentido. 

Com a digitalização, o custo da mitigação sobe para cerca de R$ 1,1 bilhão. Já a migração, ou seja, a troca dos equipamentos para que os sinais via satélite sejam transmitidos em faixas lá depois de 10 GHz, longe dos serviços móveis, é estimada em R$ 1,6 bilhão. 

A ideia, então, é que sejam exigidos apenas os filtros, de forma a permitir que o 5G comece rapidamente, ao menos nos grandes centros. A migração ficaria para depois, a ser prevista como obrigação em um futuro edital de radiofrequências, de preferência quando for destinado ao serviço móvel o naco restante de 3,8 a 4,2 GHz.

Isso não aconteceria antes de cinco anos, ou mais, para depois do retorno com o investimento no 5G. Segundo as teles, a passagem do tempo vai tornando a migração mais barata, com uma projeção de que a cada ano o número de residências com parabólicas encolhe em cerca de 5%. Em três anos a redução já seria superior a todo o custo estimado da mitigação. 

Mas quem acompanha o assunto de perto nas emissoras de TV diz que a proposta só reduz o custo para as operadoras, mas encarece para a maior parte dos brasileiros que usa antenas parabólicas. Além disso, desconsidera que no parque instalado de antenas predominam equipamentos de baixo custo – que podem acabar exigindo investimentos bem maiores aos projetados na conta dos filtros.

Partindo da estimativa de que existem mais de 20 milhões de residências com parabólicas no país, e que receberiam filtros gratuitos cerca de 6,9 milhões de famílias inscritas no CadÚnico, a radiodifusão aponta que o custo total da solução é na verdade maior para os outros 13 milhões de lares, pois terão que pagar duas vezes por novos equipamentos. O que fica menor é o desembolso das vencedoras do leilão do 5G. 


Internet Móvel 3G 4G
Cobertura 4G chegou a 85% da população mundial, mas metade dela seguiu sem acesso à Internet em 2020

Levantamento da União Internacional de Telecomunicações mostra que a principal razão da exclusão digital é o alto preço do serviço diante da receita do consumidor. "Houve uma queda nos preços, mas precisa cair muito mais para termos um futuro melhor", pontuou o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Pequenos provedores querem antecipar uso outdoor do Wi-Fi 6E

“Desenvolver toda a base de dados leva tempo. Mas há operações que já sabemos onde são usadas e onde evitar problemas. Então podemos começar a implementar desde já”, diz o presidente da Associação Neo, Alex Jucius. 

IDC: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E exigem evangelização por parte do ecossistema

Hoje menos de 10% dos equipamentos disponíveis têm capacidade de conexão para o Wi-Fi 6E e esse processo tem de ser acelerado, reforça o gerente de Pesquisa da IDC América Latina, Reinaldo Sakis. 

Facebook: risco de interferência em 6 GHz não afeta a oferta do serviço

O diretor de Política Regulatória do Facebook, Alan Norman, garante que é possível a coexistência de serviços em 6 GHz sem punir o consumidor com perda de qualidade. "São improváveis as falhas na qualidade", sustentou.

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi
Empresa brasileira se prepara para oferecer Wi-Fi como serviço
Cambium Networks: é urgente a necessidade de atualização das redes para o Wi-Fi 6
Brasil assume liderança e se torna hub do Wi-Fi 6E nas Américas
Amazon: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E têm um casamento perfeito com o 5G
Chile vai usar Wi-Fi 6E para a universalização do acesso à internet
Veja mais matérias deste especial

Vivo assume que rede neutra fará a diferença no 5G

Batizada de FiBrasil, a rede neutra terá papel central na estratégia nacional, afirmou o CEO da Vivo, Cristian Gebara.

Baigorri: Esperar demanda para exigir 5G pleno é o oposto de política pública

“O desconto no valor da frequência é uma decisão de Estado para financiar o investimento. É usar recurso público para garantir que Macapá, Boa Vista e Rio Branco tenham as mesmas funcionalidades de São Paulo”, afirma o relator do 5G na Anatel, Carlos Baigorri. 

CVM cobra Telebras que anuncia renovação por 10 anos de contrato com Eletrobras

Acordo vale para o uso de fibras óticas e infraestrutura de telecomunicações com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) e Furnas Centrais Elétricas S/A (Furnas). Estatal teve movimentação atípica de ações.

STF descarta ação da PGR e mantém gratuidade do direito de passagem

Maioria do Plenário acompanhou o entendimento do relator, Gilmar Mendes, de que um ordenamento unificado nacional faz parte das competências da legislação federal. Para Conexis, "STF reconheceu papel vital da conectividade".




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G