Com 12 meses no vermelho, Oi prepara fatiamento e nova negociação com credores

Luís Osvaldo Grossmann ... 16/06/2020 ... Convergência Digital

Dois anos e meio depois da aprovação do plano de recuperação judicial junto aos credores, a Oi tem uma nova proposta de reestruturação da companhia, com fatiamento e venda até mesmo do controle sobre as redes fixas, além da já prevista alienação da operação móvel e ativos ‘não essenciais’. 

A nova proposta, formalizada no âmbito da recuperação judicial e apresentada ao mercado junto com os resultados do primeiro trimestre de 2020, vem na sequência de 12 meses de prejuízos. O mais recente, entre janeiro e março deste ano, bateu em R$ 6,2 bilhões, com especial impacto do câmbio. 

Os números mostram alguma variação do mergulho no vermelho ao longo de cada um dos últimos quatro trimestres. No segundo trimestre de 2019, o resultado foi negativo em R$ 1,5 bilhão, seguido por prejuízos de R$ 5,7 bilhões e R$ 2,3 bilhões nos trimestres seguintes. 

Já a queda nas receitas é mais constante: de R$ 5,09 bilhões naquele segundo trimestre do ano passado para R$ 5,01 bilhões, depois R$ 4,91 bilhões e agora R$ 4,74 bilhões. Entre janeiro e março, os recuos foram de 2,5% na operação móvel, 12% na fixa e de 7,1% no corporativo. 

Isoladamente, a Oi tem números positivos na rede de fibra óptica, que se tornou o carro-chefe da estratégia no último ano. São 6 milhões de casas passadas, com cerca de 1 milhão delas conectadas. Esse segmento gerou R$ 205 milhões em receitas no primeiro trimestre, o que é 700% acima de um ano antes. Mas são valores que ainda representam apenas metade das receitas de dados no cobre (R$ 408 milhões) ou com DTH (R$ 402 milhões) e apenas uma fração dos R$ 1,6 bilhão de faturamento no móvel.

Nesse cenário, a apresentação de resultados nesta terça, 16/6, foi dominada pela apresentação do aditamento ao plano de recuperação judicial, a resultar no que o presidente da operadora, Rodrigo Abreu, chamou de “uma nova oi, mais leve e ágil, focada no futuro”. 

Leve, certamente. O novo plano, a ser votado pelos credores em assembleia prevista para agosto, quebra a Oi em unidades a serem vendidas: operação móvel, torres, datacenters e uma para a rede fixa de transporte e FTTH. O que sobra, ou seja, os clientes, ficam na ‘Client Co’. 

Com as vendas – toda a operação móvel, torres, datacenters e até 51% da Infra Co – a Oi espera arrecadar R$ 22,8 bilhões. Paralelamente, o plano prevê novas condições para as dívidas que persistem, inclusive aquelas junto à Anatel, que pela versão atual do plano de recuperação são as últimas da fila. 

Para tanto, a Oi espera se valer da recente Lei 13.988/20, que prevê a possibilidade de descontos nas multas e juros de dívidas tributárias, além de outra que está à caminho, o PL 6229/05, que também prevê condições facilitadas para empresas que estejam em recuperação judicial. 

“É possível primeiro passar pela Lei 13.988/20 e se uma nova regulação surgir, melhorando as nossas condições, podemos migrar a negociação para essa nova regulamentação que poderá entrar em vigor no futuro”, afirmou Rodrigo Abreu. No caso a dívida com a Anatel, parte em dívida ativa, parte administrativa, o executivo indicou que “poderemos cortar a dívida pela metade”. 

No caso da parcela ainda na instância administrativa, a ideia é costurar com a Anatel a transformação em compromissos de investimentos. “Podemos trabalhar com a Anatel em um mecanismo que a agência já vem discutindo, relacionado a obrigações de fazer. Isso permitiria reduzir a dívida e converter em obrigações de Capex, de serviço, muito melhor do que ter que considerar. Seria mais uma obrigação de investimento.”

Adicionalmente, o novo plano prevê descontos de 60% sobre o valor de face de obrigações com bancos. “Estaremos eliminando o risco dos bancos em 100% e haverá monetização de pagamentos agora. Isso sinaliza o valor justo, porque vamos eliminar o risco completamente. Essa é a premissa principal”, completou Rodrigo Abreu. 


Internet Móvel 3G 4G
Lei de inovação de Florianopólis bancou case brasileiro de rastreamento da Covid-19

Pandemia forçou spinoff de startup brasileira de turismo e criação do Smart Track. “Enquanto Google e Apple pensavam em desenvolver, nós já tínhamos sistema operando. Somos a única plataforma mundial que faz rastreamento sem geolocalizacao”, diz a CEO Jucelha Carvalho.

Anatel recria 10 colegiados após extinção por Decreto presidencial

Uso do Espectro, Defesa dos Usuários, Prestadoras de Pequeno Porte, Aferição da Qualidade, Ofertas de Atacado, Acompanhamento de Redes são alguns dos grupos reestabelecidos pela agência. 

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G