GESTÃO

Cadastro dos cidadãos ganha primeiras regras e órgãos têm 90 dias para classificar dados

Luís Osvaldo Grossmann ... 20/03/2020 ... Convergência Digital

O Comitê Central de Governança de Dados, instância supervisora do cadastro unificado de dados dos cidadãos brasileiros em poder do Estado, baixou nesta sexta, 20/3, as primeiras orientações aos órgãos federais sobre como proceder na trajetória de simplificar a troca de informações entre eles. 

Como apontado expressamente na Resolução 2/2020 – a 1, também publicada nesta sexta, trata do regimento interno do Comitê – “o objetivo deste trabalho é facilitar o compartilhamento de dados dentro do governo, esclarecendo conceitos e procedimentos operacionais básicos para cumprimento do Decreto nº 10.046, de 2019”. 

Para esse objetivo, a fase atual de implantação do ‘Cadastrão’ envolve “”reduzir a ambiguidade das normas legais existentes”, “categorizar dados para facilitar o compartilhamento de dados” e “adequar os requisitos de segurança para o compartilhamento de dados”.

A primeira instrução efetiva determina que os “órgãos e às entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional (...) têm 90 dias, a partir da data de publicação desta Resolução, para categorizar seus conjuntos de informações para fins de compartilhamento de dados”.

A valiosa leitura da Resolução 2/20, disponível neste link, já indica que a tarefa não é simples. “Embora exista a interpretação de que, em face do disposto no inciso X do art. 5º da Constituição Federal, toda a informação pessoal deve ter seu acesso a restrito, isso conflita com outras normas e princípios, como o da publicidade da informação do governo, e com práticas sociais que publicam, por exemplo, resultados de provas e de concursos. É necessário fornecer orientações mais precisas aos gestores de dados para que estes possam definir se os dados sob sua gestão são públicos ou não”, aponta o documento. 

Mais complexo ainda, lembra que “as previsões de restrição de acesso a serem aplicadas também a determinadas informações são pouco detalhadas nas normas legais. A legislação apenas estabelece comandos de que determinadas informações ‘são invioláveis’, que em relação a elas se deve ‘assegurar sigilo’ ‘guardar sigilo’ e ‘assegurar a proteção da informação sigilosa e da informação pessoal’. Contudo, nenhuma dessas normas detalha o que é ser inviolável, assegurar ou guardar sigilo, ou assegurar a proteção.”

Como conclusão, o Comitê reconhece que “as informações protegidas não podem ser de livre acesso para a sociedade e o seu tratamento dentro do governo é variado. Muitas são compartilhadas regularmente, outras não. Hoje, não temos clareza sobre quais informações podem ser compartilhadas dentro do governo nem sobre como fazê-lo”.

Fica evidenciado no conjunto de considerações e instruções da Resolução 2/20 que os órgãos públicos precisam consolidar a figura do “gestor de dados”, responsável pela classificação, integridade, segurança, compartilhamento e interlocução sobre o tema com demais esferas do governo. 

A norma repete instruções anteriores ao permitir tratamento de dados por terceiros, como empresas contratadas – mas mantendo os órgãos que as utilizem solidariamente responsáveis, ao mesmo tempo que cobra políticas de segurança da informação, análise de risco e uso de ferramentas como criptografia para a transmissão dos dados. 


Governo reabre prazo para doações de PCs, notebook e tablets para teletrabalho

Empresas e cidadãos poderão doar equipamentos de informática até 29/5.  Nos últimos dias, mais de 24 desktops foram doados para a prestação de serviços públicos remotos.

Assespro: Lei de apoio financeiro às PMEs é bem-vinda, mas ainda há a exigência de garantias

Governo Bolsonaro sancionou a Lei 13/999/2020 para crédito às PMEs por conta da pandemia de Covid-19. Até o momento, conforme pesquisa do SEBRAE, as pequenas e médias empresas tiveram mais de 80% dos seus pedidos de crédito rejeitados.

Justiça Federal acata pleito e investe em software feito em código aberto

Sistema  eproc, desenvolvido pela Justiça Federal da 4ª Região, já distribuiu mais de 10 milhões de processos e teve a sua continuidade assegurada pelo Conselho da Justiça Federal.

Governo vai usar Alexa, da Amazon, para informar sobre serviços digitais

Acordo permite, até aqui, que a assistente virtual responda a algumas perguntas, como os procedimentos para emitir documentos digitais, pedir seguro desemprego ou se informar sobre prevenções à Covid-19.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G