Vivo terá 5G DSS, mas cobra leilão do 3,5GHz no começo de 2021

Convergência Digital* ... 15/07/2020 ... Convergência Digital

A Vivo é mais uma operadora a anunciar o 5G DSS, com o uso do compartilhamento de espectro do 3G e 4G. A Claro foi a primeira e depois a TIM anunciou o serviço DSS para setembro. A Vivo informa que terá a tecnologia em alguns pontos de oito capitais do País. São eles:

• São Paulo (regiões da Av. Paulista, Vila Olímpia e Berrini)
• Brasília (regiões do Eixo Monumental, Esplanada do Ministérios e Shoppings)
• Belo Horizonte (regiões de Savassi e Afonso Pena)
• Salvador (regiões de Pituba e Itaigara)
• Rio de Janeiro (Copacabana, Ipanema e Leblon)
• Goiânia (região central da cidade)
• Curitiba (regiões do Centro Cívico/Alto da Glória e Batel/Água Verde)
• Porto Alegre (regiões do Moinhos de Vento, Av. Carlos Gomes e Shopping Iguatemi)

Para a operadora, para se ter proveito efetivo do 5G, na faixa de 3,5GHz, será preciso instalar dezenas de milhares de small cells para servir uma cidade. "Estas small cells devem estar conectadas por uma rede de transmissão de alta capacidade e qualidade, atuando como um "pulmão" para as novas redes 5G. A Vivo vem investindo significativamente nos últimos anos para construir a maior rede urbana de fibra ótica no Brasil, o que será um dos grandes diferenciais da futura rede 5G", diz nota da operadora.

No informe, a Vivo -  faz uma defesa efetiva do leilão 5G no começo de 2021. "O potencial da tecnologia 5G é enorme, e enquanto não se tem as frequências dedicadas, a Vivo evoluirá sua rede utilizando as frequências existentes, assim como sua ampla cobertura de fibra ótica. Contudo, a exemplo de outros países da Europa, Ásia e EUA, faz-se necessário o leilão do 3,5GHz no início de 2021 para acelerar a adoção do 5G como ferramenta de digitalização do País"

De forma geral, afirma a Vivo, espera-se que o 5G traga benefícios em três campos principais: Internet móvel de alta qualidade que possibilita novas experiências mais imersivas como Realidade Virtual e Realidade Aumentada; Comunicações de missão crítica que demandam uma conexão ultra estável, ultra confiável e de baixa latência, como por exemplo o controle remoto de infraestruturas críticas em fábricas, carros autônomos e robôs industriais; e o Internet das Coisas que possibilita a conexão massiva de sensores possibilitando a criação de novas aplicações em um grande número de indústrias como o agronegócio, cidades inteligentes, automação industrial de alta precisão e várias outras aplicações.

Pode-se afirmar que a principal diferença da internet 5G é a menor latência, ou o menor tempo de resposta para transferir um pacote de dados na rede. A latência é diferente da velocidade. O 5G permite uma taxa de transmissão centenas de vezes maior do que a atual, com picos de até 20 Gbps e uma latência (teórica) de até 1 milissegundo - atualmente, com o 4G, a latência está perto de 80 milissegundos.

A tele lembra que a maior parte dos países no mundo com redes comerciais 5G tem optado por frequências de 3,5GHz/ 3,4Ghz ou 28GHz, com espectro 100% dedicado. É possível citar como exemplo Coreia do Sul, Alemanha, Reino Unido, China e Japão a partir do 3.4 GHz e EUA lançado a partir da faixa de 28 GHz. No Brasil, a real experiência de 5G virá com o leilão de 3.5Ghz, com largura de banda de pelo menos 100 MHz, provavelmente a ser realizado no início de 2021.

A Vivo informa ainda que tem trabalhado com seus parceiros, fabricantes de smartphones, para aumentar a oferta de aparelhos 5G ready, para propiciar uma experiência completa. O portfólio atualmente conta com o lançamento do Motorola Edge e nos próximos meses deve ampliar a oferta com pelo menos mais dois modelos Samsung. Neste momento, a maior oferta de smartphones estará concentrado no segmento Premium dos fabricantes.

Experiência externa

A Vivo tem se alavancado na experiência internacional do Grupo Telefónica para trazer ao Brasil o melhor da tecnologia 5G. Tanto no Reino Unido quanto na Alemanha as operadoras do Grupo já estão desenvolvendo as novas aplicações que a tecnologia torna possível.

Em outubro de 2019, a Telefonica O2 do Reino Unido lançou, a partir da faixa de 3.4GHz o serviço 5G em 5 cidades: Belfast, Edimburgo, Londres, Slough e Leeds. No início de junho, a rede já chegava em mais de 60 cidades, como Manchester, Birmingham, Glasgow, Leicester, Liverpool, Newcastle, Bradford, Sheffield, Coventry, Nottingham, Norwich, Bristol, Derby e Stoke.

Por lá, o 5G possibilitou a O2 o lançamento de novos serviços, como por exemplo a venda de planos 5G associados ao headset da Oculus (Facebook), com assinatura de 12 meses do serviço MelodyVR, que oferece uma experiência exclusiva (e virtual) em shows musicais. Mais recentemente a infraestrutura da O2 UK também tem sido a plataforma de teste de veículos autônomos e sistema de transporte inteligente na cidade de Londres.

Na Alemanha, a Telefonica O2 anunciou seu plano para 2020 incluindo o lançamento do 5G nas 5 maiores cidades do País: Berlim, Hamburgo, Munique, Colonia e Frankfurt. A implantação se dará a partir de espectro dedicado na faixa de 3.5GHz, adquirido em leilão no ano de 2019.

Em março de 2020, a subsidiária alemã também passou a oferecer a primeira solução de "campus" 5G indoor da capital alemã, para que qualquer interessado possa testar novas soluções a partir do uso desta tecnologia. Adicionalmente, a O2 assinou um acordo com a Ericsson para oferecimento de rede 5G privada a uma fábrica da Mercedes-Benz.



Internet Móvel 3G 4G
Lei de inovação de Florianopólis bancou case brasileiro de rastreamento da Covid-19

Pandemia forçou spinoff de startup brasileira de turismo e criação do Smart Track. “Enquanto Google e Apple pensavam em desenvolver, nós já tínhamos sistema operando. Somos a única plataforma mundial que faz rastreamento sem geolocalizacao”, diz a CEO Jucelha Carvalho.

Anatel recria 10 colegiados após extinção por Decreto presidencial

Uso do Espectro, Defesa dos Usuários, Prestadoras de Pequeno Porte, Aferição da Qualidade, Ofertas de Atacado, Acompanhamento de Redes são alguns dos grupos reestabelecidos pela agência. 

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G