INCLUSÃO DIGITAL

eGov digital: atendimento em tempo real fica abaixo de 10% no Brasil

Ana Paula Lobo ... 12/05/2020 ... Convergência Digital

A maior parte dos órgãos públicos federais e estaduais, além das prefeituras possui websites, mas a maioria é para divulgar informações e não para fazer um atendimento efetivo de serviço ao cidadão, revela a pesquisa TIC Governo Eletrônico 2019, realizada pelo CETIC.br, com dados apurados entre julho e dezembro do ano passado, portanto antes de qualquer impacto da pandemia de Covid-19, divulgada nesta terça-feira, 12/05.

O levantamento mostrar que os websites são pouco responsivos - ou seja, não permitem uma interação efetiva com o cidadão. Eles massificam informações, mas oferecem poucas opções de serviços efetivos. Apenas 9% dos órgãos federais admitiram ter atendimento virtual ou por chatbots à população. Nos estados, esse percentual cai para 6%. No caso do atendimento em tempo real o percentual fica ainda menor: ele cai para 8% nos órgãos federais e 5% nos estaduais. Nas prefeituras, entre as grandes com mais de 500 mil habitantes, apenas 38% admitiram ter alguma forma de atendimento em tempo real. O atendimento online por meio de atendentes em tempo real teve pouca evolução nas prefeituras. Em 2017, respondia por 10%. Em 2019, esse percentual ficou, em média, em 13%.

"Sabemos que a realidade da Covid-19 fez muitos sites federais, como o do ministério da Saúde, avançarem no uso dos dados, no uso das ferramentas digitais como o big data, mas é fato que a maior parte dos websites de governo, em qualquer esfera, tem muita informação do que se pode fazer, mas pouca oferta de serviços efetivas e 100% online ao cidadão", pontua o responsável pelo CETIC.br, Alexandre Barbosa.

O levantamento TIC Governo Eletrônico 2019 corroborou que o acesso à Internet é uma realidade na maioria dos órgãos e a boa surpresa é a massificação da fibra ótica como meio de conexão à Internet. Nas prefeituras, afirma Manuella Ribeiro coordenadora do TIC Governo Eletrônico 2019, o serviço mais disponibilizado é a emissão de nota fiscal eletrônica. Em 2017, as NFes eram emitidas pela Internet em 51% das prefeituras, em 2019, esse percentual subiu para 69%. Mas ainda é preciso fazer muito. Apenas uma em cada quatro prefeituras permite fazer agendamento de serviços.

O uso das redes sociais também está massificado. Tanto que 99% dos órgãos federais usaram as redes sociais, em especial, Facebook, Yahoo Profile e Google +, até já descontinuada pelo Google. O estudo ressalta porém uma tendência forte: o maior uso do Instagram e do Snapschat, com 64%. Interessante detectar que as OTTs - WhatsApp e Telegram são pouco disseminadas para a oferta de serviços, ficando em 28% nos órgãos federais e 25% nos Estados.

Veja os principais resultados do estudo TIC Governo Eletrônico 2019
[Arquivo PDF - 3 MB]


Carreira
Accenture abre mais de 550 vagas em TI

Vagas são para home office e consultoria busca profissionais com conhecimento em Cloud, Java, APIs & Microsserviços, Node.js, Angular, React, Reactive Native, iOS, Android, Arquiteto Cloud ou DevOp.

Bemol quer Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E para levar banda larga para quem não tem nem 3G

Varejista com atuação na região norte do País tem planos de expandir sua infraestrutura para mais cidades, mas conta com a frequência não licenciada, diz o gerente de TI, Jesaias Arruda.

Licitação do MEC abre espaço para MVNOs na oferta de banda larga móvel gratuita

Propostas têm de ser enviadas ao governo até o dia 17. Contratação acontece ainda em julho. O preço de referência da RNP para este processo é de R$ 0,56 GByte/mês sem ICMS, considerando um pacote de dados de 20 Gbytes, para a quantidade de 5.000 alunos. 

Escolas viram telecentros para quem não tem acesso à Internet

Maior parte dos usuários vai para fazer pesquisa escolar e digitar currículos ou outros documentos. Conexão à Internet melhorou, mas a maioria tem conexão entre 1 Mpbs até 5 Mbps.

MEC exige energia elétrica nas escolas para levar banda larga

Escolas precisam também estar  em área de cobertura terrestre ou via satélite, e ter mais de 14 matrículas em 2020. 

No Brasil, 4,8 milhões de crianças e adolescentes não têm acesso à Internet

A desigualdade digital e social se evidencia quando se constata que a maior parte dos sem acesso está nas classes D e E e nas regiões Nordeste e Norte. O celular é o meio principal de contato com a rede social.

No Brasil, 39% dos alunos das escolas públicas não têm PCs, notebook ou tablet para estudar

A TIC Educação 2019 constata ainda que nas escola rurais, apenas 40% delas têm um PC ou uma conexão à Internet.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G