Clicky

INCLUSÃO DIGITAL

Com prioridade pra TVs, Anatel divide sobras de R$ 1,4 bilhão da TV Digital

Luís Osvaldo Grossmann ... 27/11/2020 ... Convergência Digital

Ao fim de dois anos de intensas disputas entre emissoras de televisão e operadoras móveis, a Anatel aprovou na quinta, 26/11, a destinação das sobras de R$ 1,38 bilhão em dinheiro aportado por meio do leilão do 4G para a implantação da TV Digital no Brasil. No rateio, a vitória da radiodifusão foi completa, ao ganhar prioridade no projeto de financiar a digitalização de 1,7 mil pequenos municípios onde a transmissão continuou analógica. 

A costura, aprovada por unanimidade no Conselho Diretor da agência, foi feita pelo superintendente de competição e conselheiro substituto Abraão Balbino e Silva. Ela prevê reservar parte das sobras, R$ 297 milhões, para missões restantes e contingências eventuais da EAD, a empresa criada como braço operacional da digitalização – sendo R$ 161 milhões para pendências do processo de digitalização e R$ 136 milhões como reserva de segurança. 

Dos cerca de R$ 1 bilhão restantes, R$ 658 milhões – além de 700 mil kits de conversores digitais – serão destinados ao projeto apresentado pelas emissoras de TV, que prevê digitalizar transmissão e recepção nos 1.710 municípios menores que não foram incluídos na transição digital encerrada em 2018 – e que supostamente ficarão sem sinal nenhum a partir de 2023. 

Esse projeto tem custo total estimado em R$ 844 milhões, mas parte dos recursos só será destinada em uma segunda etapa, lá para 2022, com dinheiro que, espera-se, vai sobrar daquela reserva de contingência da EAD e de uma segunda reserva dos chamados ‘projetos adicionais’. A ideia é que não falte dinheiro para concluir a transição digital da televisão, como defendem tanto as emissoras privadas como públicas (leia-se, EBC e canais do Legislativo).

Outra parte do dinheiro será destinada ao projeto do Ministério das Comunicações (na verdade, a reciclagem de um antigo projeto do Exército e da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa) de implantar redes de fibra óptica pelo leito dos rios amazônicos. Repaginado como Programa Amazônia Integrada e Sustentável, PAIS, ele já teve duas etapas iniciais concluídas, na primeira encarnação como ‘Amazônia Conectada’, com fibras entre Manaus e Tefé. Restam oito etapas de um projeto que no todo envolve 10 mil km de fibras subaquáticas.

A proposta aprovada pela Anatel prevê a possibilidade de financiar três delas, o que custaria R$ 528 milhões, mas inicialmente será destinado dinheiro apenas para a primeira, R$ 162 milhões. O desenho prevê uma reserva de R$ 267 milhões, que prioritariamente deve complementar o projeto da radiodifusão, mas que pode sobrar para o projeto das fibras na Amazônia. Portanto, a partida é R$ 658 milhões (TV) + R$ 162 milhões (fibra) + R$ 267 milhões (reserva), somando os R$ 1,08 bilhão a serem rateados. 

O arranjo passou por unanimidade. O conselheiro Moisés Moreira, que também preside o Gired, o grupo que reúne teles e TVs e a ao qual coube indicar os projetos para uso do saldo, disse ser uma proposta “sólida e factível”. Carlos Baigorri destacou ser uma solução “de equilíbrio entre todas as partes”. Emmanoel Campelo realçou a “delicada convergência” e o presidente da agência, Leonardo Morais, festejou que o colegiado foi “sensível ao chamamento consensual”. 

Para tanto, porém, a derrota das teles móveis foi total. Elas recorreram contra os projetos indicados e o pleito foi negado. As duas propostas que apresentaram, de usar o dinheiro em suas próprias redes 4G e em bloqueadores de sinais em presídios, foram descartadas. Mas o principal revés foi na decisão da agência de manter a empresa criada pelas operadoras vencedoras do leilão dos 700 MHz em 2014, a EAD, não apenas ativa mas como responsável direta pela implantação da rede de fibra no Amazonas a ser financiada com as sobras. 

Esse ponto, por sinal, é a principal dúvida que fica com a decisão da agência. Pois resta definir como será feita a reversão à União da infraestrutura que será construída na Amazônia, além de como será a própria governança da EAD, criada por Vivo, Claro, TIM e Algar como parte das condições do leilão do 4G de 2014. A Anatel indicou que as respostas devem ser dadas pelo Ministério das Comunicações. 

Às teles, resta torcer que a compensação venha logo dobrando a esquina, com a Anatel decidindo favoravelmente a elas – em prejuízo do que querem as emissoras de TV – no custeio da mitigação de interferências do 5G nas antenas parabólicas, a ser previsto no leilão esperado para meados de 2021. 


Carreira
Globalweb abre 188 vagas para profissionais de TI

Prestadora de serviços de TI busca especialistas em mais de 20 áreas das tecnologia, entre eles, testes, qualidades, cloud computing, UX e outras e analista para cobol, voltada para mainframes.

Governo anuncia lançamento de cabo submarino entre Brasil e Europa

O cabo ligará Fortaleza a Sines, em Portugal, anunciou o ministro das Comunicações, Fabio Faria. A obra será feita pela EllaLink, que promete uma estrutura capaz de proporcionar um tráfego de dados a 72 Terabits por segundo (Tbps) e latência de 60 milissegundos. Serão lançados 6 mil quilômetros de cabos submarinos.

Em um Brasil desigual, governo digital tem de servir para todos

Como destaca o professor Silvio Meira, no Brasil onde a desigualdade aumenta, “a gente vai ter que ser muito competente para desenhar serviços que possam ser usados realmente por todo mundo e não só por quem tem acesso à conectividade".

Treze anos depois, Congresso aprova uso do Fust para inclusão digital

Texto permite uso dos recursos, cerca de R$ 1 bilhão por ano, por serviços no regime privado, como a oferta de banda larga. Mas como ressaltado na votação, como não é impositivo, haverá conflito com a PEC dos Fundos. 

Brasil tem desempenho pífio em ranking global de educação digital em cibersegurança

Levantamento mostra o País em 42º entre 50 pesquisados e avalia nível de conhecimento atual sobre risco cibernético e a relevância das iniciativas para promover educação e treinamento. 

Apenas 16% dos empregados em teletrabalho tiveram Internet paga pelos patrões

Nova pesquisa TIC Covid, do Cetic.br, reforça que a alternativa do home office se deu predominantemente entre os mais ricos e escolarizado. Apenas 20% dos patrões ofereceram aplicações de segurança.

Desigualdade econômica acentua exclusão digital do campo no Brasil

Estudo mostra que na região, 77 milhões de pessoas não tem acesso à internet. No Brasil, que puxa os índices agregados para cima, diferença é gritante entre grandes e pequenas propriedades. Levantamento mostra que 244 milhões de pessoas na AL não têm acesso à Internet.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G