Home - Convergência Digital

Claro vai fornecer WiFi nativo em todos os carros da GM na América Latina

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann* - 13/09/2019

Depois de anunciar o sistema de WiFi nativo para o sedã médio Cruze, a GM apresentou nesta sexta-feira, 13/9, em Porto Alegre, a conectividade 4G em seu carro de entrada, o Onix, e avisou que o acordo firmado com a operadora Claro passa a valer para todos os automóveis novos que saírem de fábrica no Brasil e demais países da América Latina. Esses dois primeiros modelos começam a ser vendidos neste mês de setembro. 

Segundo a Claro, o acordo com a montadora favorece a qualidade do sinal porque os carros têm antenas específicas para essa conexão. Além disso, o sistema se vale da combinação de uso das faixas de 700 MHz, 1,8 GHz e 2,5 GHz para melhor performance, a exemplo do que o mercado apelidou de ‘4,5G’. Na experiência em Porto Alegre, foi possível atingir mais de 50 Mbps de download. 

“A conectividade nativa, comparada com o que se tem no mercado hoje, traz um diferencial muito grande que é a instalação de antenas externas que garantem uma experiência melhor. Com isso garante um 4G muito mais estável, maior velocidade e a captação do sinal mais longe das estações radiobase”, afirma o diretor de IoT da Claro, Eduardo Polidoro. O sistema se vale de chips eSIM pré-instalados nos automóveis. 

Com o lançamento, quem comprar um Cruze (a partir de R$ 96 mil) ou um Onix (a partir de R$ 54 mil), terá três meses, ou 3GB, de degustação do WiFi. Depois disso, será preciso contratar um plano junto à Claro, de 2, 5, 10 ou 20 GB de franquia mensal de dados. Por enquanto, apenas o plano de 2 GB tem preço definido, R$ 29,90. Os demais ainda estão sendo negociados entre as empresas.

A contratação é independente da montadora e 100% da receita pela conectividade fica com a Claro. E embora não seja preciso já ser cliente da operadora, as duas empresas também estão em tratativas para a oferta planos especiais. A ideia é que para os clientes haja oferta de conteúdo do Now, Claro Vídeo e aplicativos como Netflix sem o consumo da franquia de dados. 

Segundo as empresas, os carros com esse sitema de WiFi nativo também fazem as vezes de ‘hotspot’, uma vez que o sinal tem alcance superior a 15 metros. E a indicação é de que será possível conectar até sete dispositivos simultaneamente.  Assista  a entrevista feita com o diretor de IoT da Claro, Eduardo Polidoro.

* O repórter viajou à Porto Alegre a convite da Claro

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

19/02/2020
Defesa Cibernética: 5G do Brasil deve resistir a riscos de qualquer empresa ou nação

12/02/2020
Dona da Claro também quer comprar ativos móveis da Oi

04/02/2020
Preço é salgado, mas geladeiras conectadas ganham escala no Brasil

07/01/2020
O carro será uma Internet das Coisas

19/12/2019
Nextel é oficialmente da Claro no Brasil

11/12/2019
Cade volta a aprovar compra da Nextel pela Claro sem restrições

05/12/2019
Anatel diz ao CADE que compra da Nextel pela Claro respeita limite de espectro

28/11/2019
Cade dá 10 dias para Anatel responder sobre Claro/Nextel em ação da TIM

25/11/2019
OVUM:Consolidação é inevitável nas operadoras competitivas

22/11/2019
Claro perde na Senacon e vai ter de pagar multa de R$ 9,3 milhões

Destaques
Destaques

Governo do Brasil ainda avalia restringir Huawei na implantação do 5G

MCTIC estuda a publicação de um novo Decreto, ou em forma de Portaria, com normas para cibersegurança específicas para o setor de telecomunicações. A estratégia Nacional de Segurança Cibernética, recém-lançada pelo Governo, tratou - de forma genérica- o tema 5G.

5G exigirá uso de requisitos mínimos de Segurança Cibernética

Tecnologia é apontada como 'uma revolução na comunicação de dados, no potencial de emprego de equipamentos de Internet das Coisas e na prestação de novos e disruptivos serviços".

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site