TELECOM

Leilão 5G: Empresas menores pedem lotes regionais de espectro

Luís Osvaldo Grossmann ... 08/08/2019 ... Convergência Digital

Com interesses distintos, empresas e entidades enviaram suas posições sobre a política de 5G no Brasil como resposta à consulta pública promovida pelo Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. As operadoras querem tributação menor e garantia de que será possível instalar mais antenas nas cidades. As TVs temem interferência nas parabólicas. E as empresas de menor porte querem a chance de ficar com um naco do espectro em oferta. 

“As operadoras que não participarem do ecossistema 5G estarão fadadas a tornarem-se obsoletas a médio/longo prazo. Nesse sentido, é importante garantir que o Edital de Licitação das radiofrequências para o 5G apresente oportunidades de aquisição de espectro pelas operadoras regionais. Especificamente na faixa de 3,5GHz”, defende a Algar Telecom. 

Na mesma linha, a maior entre os provedores de pequeno porte, a Brisanet quer que sejam “criadas condições favoráveis à participação de prestadoras regionais como forma de potencializar a infraestrutura, além de balancear o atendimento de municípios grandes (interesse dos grandes grupos) com os de menor porte (interesse das PPP)”. 

Enquanto isso, propostas como as apresentadas pela Oi e pela Telefônica enumeram pontos importantes numa política de 5G, mas sempre com destaque especial ao tratamento tributário – o que exige, por exemplo, a revisão do Fistel – e com a preocupação sobre as restritivas leis municipais para implantação de infraestrutura. E, claro, o mantra  de que não seja um leilão “arrecadatório”. 

Outra questão importante na consulta é o impacto da interferência do uso da faixa de 3,5 GHz na Banda C, ou mais especificamente nas antenas parabólicas domésticas. Trata-se do velho problema da faixa de 3,5 GHz, uma vez que qualquer solução de mitigação técnica nas antenas esbarra no preço. 

A Abert reclama que o tema “é tratado sem a devida ênfase” na consulta. “É certa e grave a interferência na recepção por satélite na banda C e a proteção a essa recepção é de tamanha importância que merecia mais destaque no documento.”

Não é a única. Da parte das teles, a própria Claro levantou preocupação com o tema interferência, mas no viés de que precisa ficar explicado antecipadamente como será um eventual processo de mitigação e quais os custos envolvidos. 

“O processo de mitigação deve estar muito bem mapeado em todas suas etapas, que serão devidamente descritas no Edital, para que os possíveis interessados na faixa tenham plena ciência de todas as suas variáveis, seus responsáveis e custos envolvidos, evitando surpresas e discussões que possam atrasar ou inviabilizar o uso pleno da radiofrequência por parte dos adquirentes.”


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Prazo para questionar serviço não contratado de telefonia é dez anos

A decisão é da Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça que entendeu aplica-se a esses casos o disposto no artigo 205 do Código Civil. Seguindo o voto do relator, ministro Og Fernandes, a corte aplicou ao caso o entendimento que resultou na Súmula 412 para as tarifas de água e esgoto.

Juiz manda CVM investigar compra e venda de ações da Oi

O juiz Fernando Viana, da 7ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, afirma na ordem encaminhada à Autarquia Federal que é 'preciso que se tentha conhecimento de toda e qualquer forma de capitação especulativa".

Procon-SP multa Sky em R$ 2,9 milhões por publicidade enganosa

De acordo com o órgão de defesa do consumidor, a operadora também efetuou cobranças de taxas de licenciamento do software, segurança de acesso e de locação de ponto adicional que são ações proíbidas pela Anatel.

Brasil terá um ganho de R$ 40 bilhões por uso de faixas milimétricas no 5G

Segundo projeções da GSMA, uso de faixas acima de 24 GHz será crescente até 2034 para manipulação remota, automação industrial e realidade virtual. Entidade recomenda, além dos 26 GHz, que o Brasil use 40 GHz e 66 a 71 GHz.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G