INTERNET

Anatel dá vitória à Fox contra a Claro e decide que conteúdo na internet é SVA

Luís Osvaldo Grossmann ... 09/09/2020 ... Convergência Digital

Em reunião extraordinária nesta quarta, 9/9, a Anatel decidiu que não deve intervir na oferta de conteúdo audiovisual pela internet, mesmo quando se trata de programação linear. Ou seja, não cabe adotar a regulação nos moldes da TV paga, ou seja, como Serviço de Acesso Condicionado, para essas assinaturas de conteúdo online. 

“Não é dever da Anatel proteger e assegurar a sobrevivência de determinadas tecnologias, serviços ou planos de negócios de empresas específicas. O principio da neutralidade tecnológica não favorece esse tipo de interferência, que entendo indevida, para estimular ou desestimular artificialmente a adoção, pelo consumidor, de determinadas empresas, modelos ou serviços”, destacou o voto vista de Emmanoel Campelo, aprovado por maioria. 

A conclusão se deu na disputa aberta pela Claro conta a Fox, quando esta última lançou, em 2018, assinaturas de vídeo sob demanda, do Fox+, depois estendida à Turner (Top Sports). A Claro acusou oferta ilegal de serviços por sustentar que a assinatura de canais lineares, ainda que pela internet, consistia em prestação de Seac, atividade proibida a programadoras no Brasil. A Anatel chegou a baixar uma cautelar contra a Fox, mas ela foi derrubada na Justiça e mais tarde suspensa pelo presidente da Anatel, Leonardo de Morais. 

Mesmo no voto do relator, Vicente Aquino, a posição da agência já era de que essa assinatura de conteúdo pela internet seria Serviço de Valor Adicionado. Aquino propôs enquadrar essa oferta como TV linear pela internet, sendo essa atividade por sua vez considerada como SVA. Campelo, por sua vez, dispensou qualquer enquadramento ou normativo. Segundo ele, a questão encaixa-se perfeitamente no artigo 61 da Lei Geral de Telecomunicações (9.472/97), visto que se trata de atividade adicional sobre uma rede que lhe dá suporte. 

“A prestação do Seac corresponde a determinada prestadora usar suas redes para disponibilizar conteúdos de terceiros, garantindo a entrega. No presente caso, as ofertas das Fox e Top Sports, bem como similares, não se dão por suas próprias redes, mas pela disponibilização de conteúdos via internet, e para serem acessados precisam contratar SCM ou SMP. Ainda que em modelo de subscrição, enquadra-se como SVA nos termos da lei. A linearidade não é fator preponderante para se definir SVA, sendo desnecessária nova nomenclatura.”

Como concluiu o presidente da Anatel, Leonardo de Morais, “a distribuição de conteúdos digitais, o comércio eletrônico de propriedade intelectual, e os padrões de consumo de serviços de informação e entretenimento tem progressivamente se norteado para cesso sob demanda, ubíquo e multiplataforma.”

“Nesse cenário, regulação não pode ser intrusiva ou obstaculizar a experimentação. É um novo universo, alheio às restrições da mencionada lei, obsoleta. Um novo universo que apenas tangencia a alçada de atuação desta agência, que regula infraestrutura de telecomunicações, mas não abarca as relações que ocorrem em outras camadas do ecossistema digital”, completou.


Revista Abranet 32 . set-nov 2020
Veja a Revista Abranet nº 31
O ano de 2020 marca os 25 anos da internet comercial no Brasil e confirma que ela é fundamental para a economia e a vida cotidiana. PIX, Wi-Fi 6, LGPD, white spaces, numeração para SCM... Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

Reclamações contra vendas pela internet disparam 208%

Procon de São Paulo já recebeu mais de 241 mil queixas contra comércio eletrônico até meados de outubro, o triplo de todo o ano de 2019, com 78 mil. E cenário preocupa com a aproximação da Black Friday.

Em campanha, governo Trump abre ação antitruste contra Google

Departamento de Justiça dos EUA, secundado por 11 estados com procuradores Republicanos, acusa empresa de usar poder de mercado para prejudicar concorrentes. 

Rádio pela internet e streaming de áudio crescem durante pandemia

Segundo a pesquisa Inside Radio 2020, realizada pela Kantar Ibope Media, 9% dos entrevistados ouvem rádio online e 16% acessam o meio quando estão navegando na internet. 

CNJ aprova norma que prevê digitalização total dos atos processuais

Ainda facultativo, o chamado “Juízo 100% Digital” prevê que todos os atos processuais serão realizados exclusivamente por meio eletrônico e remoto.

Para quem vive de dados, LGPD é lei a ser cumprida sem discussão

iFood, SulAmerica Seguros e Agência Knewin têm os dados como estratégia de negócios e se dizem prontos para cumprir as regras da legislação. "Quem lida e vende dados tem de estar preparado", afirmou Bruno Henriques, do iFood.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G