Home - Convergência Digital

Empresas de software produzem manual com regras para o teletrabalho

Convergência Digital* - 28/04/2020

A Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES) produziu um manual de boas práticas para as associadas conduzirem o período de teletrabalho, por conta da pandemia de Covid-19. A modalidade do teletrabalho já era usada, mas explodiu com a necessidade de isolamento social.

De acordo com o Presidente do Conselho da ABES, Francisco Camargo, só a legislação não basta. As empresas precisam ter normas e diretrizes para o teletrabalho que permitam à tecnologia acompanhar a legislação para evitar abusos e problemas legais.

Segundo Camargo, mesmo com as medidas adotadas pelo governo para aumentar a segurança jurídica do teletrabalho, a tecnologia andou mais rápido e disponibilizou ferramentas que permitem aos colaboradores trabalharem em casa, no mesmo espaço de trabalho virtual que tinham na empresa, com uma boa experiencia do usuário, porém, por razões de segurança, algumas dessas plataformas permitem monitorar e até mesmo gravar a sessão de trabalho que o colaborador está realizando em casa.

"Para evitar problemas de compliance, as empresas devem complementar a legislação com normas internas, uma política de teletrabalho clara e de acordo com a legislação e, para isso, a ABES disponibilizou um template que serve de guia para qualquer organização em que os colaboradores trabalhem 'home office'", explica Camargo. Abaixo as diretrizes traçadas pela ABES:

1. A [EMPRESA], coloca à disposição dos USUÁRIOS, diversas soluções de comunicação, como telefones celulares, e-mails, sistemas de mensagens instantâneas, sistema de vídeo conferência, sistemas de trabalho em equipe, sistemas de teletrabalho (home office);

2. A [EMPRESA] dispõe de ferramentas de monitoramento em tempo real e de auditoria de como essas soluções estão sendo usadas;

3. A [EMPRESA] pode, SEM PRÉVIO AVISO, monitorar e mesmo gravar para fins de auditoria, como essas soluções estão sendo usadas, e notificar e eventualmente punir, os usuários que as estejam usando para outros fins do que está permitido nestas diretrizes, conforme o item 10 abaixo;

4. Não deverão ser veiculados ou manipulados materiais relativos a sexo explícito (em especial pedofilia), raça, orientação sexual, temas político-partidários, religião ou dos quais constem quaisquer formas de discriminação;

5. Não deverão ser veiculados por quaisquer dos meios de que dispõe a [EMPRESA], notícias falsas (Fake News), ou ainda não confirmadas por outra fonte, geralmente aceite, que induzam a erro pessoal ou coletivo;

6.A [EMPRESA] não promove campanhas de e-mails não solicitados – Spam - e seus USUARIOS não poderão usar as soluções de tecnologia disponíveis para tais finalidades;

7. Quaisquer informações de clientes e fornecedores, de terceiros, de contratos, de propostas enviadas ou recebidas, de dados contábeis e financeiros, disponíveis nos arquivos da empresa, são CONFIDENCIAIS e proprietárias da [EMPRESA] e/ou de terceiros que com ela estão vinculados contratualmente e sua divulgação sem autorização é crime conforme a legislação vigente e passível de punição administrativa;

8. O uso de quaisquer soluções descritas no item 1, não significa que os USUARIOS estão à disposição da [EMPRESA], como definido em contratos ou diplomas legais. Só estarão à disposição da empresa os USUARIOS que receberem claramente essa incumbência, por escrito, de um representante da [EMPRESA];

9. O recebimento de mensagens, e-mails, solicitações por quais meios, fora do horário normal de serviço, não significa uma solicitação para realização de qualquer trabalho, conforme definido em diplomas legais ou nos contratos de serviço e só deverá ser respondido, quando for o caso, no primeiro dia útil posterior ao do comunicado, dentro do expediente da [EMPRESA];

10. O uso de qualquer recurso da [EMPRESA] para atividades ilegais ou que violem esta política, configura  motivo para aplicação de penas pedagógicas, se aplicáveis, ou mesmo para a rescisão imediata e por justo motivo dos contratos firmados com os  funcionários, estagiários ou colaboradores, ou então, firmados  com as empresas contratadas como  prestadoras de serviços e/ou como fornecedora de bens para a [EMPRESA] aos quais os USUÁRIOS estejam vinculados, e a [EMPRESA]cooperará ativamente com as autoridades nesses casos;

11. A presente Política de teletrabalho da [EMPRESA] complementa mas não substitui outras políticas e normas da empresa.

12.Qualquer violação desta política deve ser denunciada, mesmo que anonimamente, pelo site www.UmaEmpresaEtica.com.br e será recebida e analisada pelo Compliance Officer da [EMPRESA] para as medidas legais cabíveis.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

30/11/2020
Home office disparou o custo com contas de luz, de água e de Internet

30/11/2020
Coleta de dados pelas operadoras para combate à Covid-19 vai até o dia 31 de dezembro

18/11/2020
Governo determina pagamento integral do 13º de quem teve jornada reduzida pela Covid-19

17/11/2020
Covid-19 ajuda e-mail na nuvem a desbancar e-mail tradicional

17/11/2020
Covid-19 repaginou o papel do PC e 5G entra na estratégia corporativa

12/11/2020
Pós-Covid: aberta a 1ª etapa de certificação de mentor internacional

09/11/2020
Maioria dos servidores públicos federais tem medo da volta ao trabalho presencial

09/11/2020
Por ordem do TCU, INSS inicia perícia por telemedicina

05/11/2020
Apenas 16% dos empregados em teletrabalho tiveram Internet paga pelos patrões

03/11/2020
Covid-19 impulsiona uso da nuvem e serviços de TI crescem 4,2% no 1º semestre

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A confiança é ganha com mil atos e perdida com apenas um

Por Luis Banhara*

À medida que o conceito de trabalho se descola dos escritórios, mesmo que parcialmente, surgem novos desafios de segurança. A superfície de ataque foi ampliada.

Destaques
Destaques

Certificação é critério de seleção para encarregado de dados

Ainda que a LGPD não exija qualificação específica, o mercado busca profissionais com conhecimento na área. Formação pode custar até R$ 6 mil, observou Mariana Blanes, advogada e sócia do Martinelli Advogados, ao participar do CD em Pauta.

Teletrabalho: sem regulamentação, sem direitos, sem deveres, sem regras

Depois da nota técnica do MPT alertando para o direito à desconexão, Congresso tenta acelerar a votação dos PLs que tratam do tema, entre eles o PL 3915/20. O tema é complexo. IN 65, do governo federal, repassa os custos com tecnologia para os servidores no home office.

Ministério Público: Teletrabalho exige direito à desconexão

Ministério Público do Trabalho elaborou uma nota técnica direcionada para as “empresas, sindicatos e órgãos da administração pública”.  Na orientação, sugere a adoção de etiqueta digital para orientação de patrões e empregados.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site