Home - Convergência Digital

Ericsson assume culpa e fecha acordo de US$ 1,06 bi com a Justiça dos EUA

Convergência Digital - 09/12/2019

No acirramento da disputa dos EUA com a China, a Ericsson entrou em acordo de US$ 1,06 bilhão com o Departamento de Justiça (DOJ) dos Estados Unidos e com a comissão de valores imobiliários dos EUA, a Securities and Exchange Commission (SEC) para encerrar investigações de corrupção. Segundo informou a fornecedora sueca na noite da última sexta-feira, 6, a empresa violou a Lei norte-americana Anticorrupção no Exterior (FCPA, na sigla em inglês) em seis países: China, República de Djibuti, Indonésia, Kuwait, Arábia Saudita e Vietnã. No caso de Djibuti, no nordeste da África, a empresa já estava sendo processada por corrupção.

O acordo (Deferred Prosecution Agreement – DPA) dá três anos para a companhia resolver esses processos criminais, com o DOJ encerrando as acusações ao final do prazo em troca do atendimento a condições estabelecidas, como o pagamento de uma multa de US$ 520,650 milhões. Além disso, a subsidiária egípcia da empresa entrou com uma declaração de culpa na acusação de propina em Djibuti.

A Ericsson entrou em acordo também com a SEC, relacionada a "alegadas violações de provisões de contabilidade" com a FCPA na China, Djibouti, Indonésia, Kuwait, Arábia Saudita e Vietnã; e de propina em Djibouti, China e Arábia Saudita. A empresa concordou em entrar em acordo que previne futuras violações da lei norte-americana, pagando uma multa de US$ 458,380 milhões, mais juros pré-julgamento de US$ 81,540 milhões.

Com o acordo, as investigações relacionadas à Ericsson e sua subsidiárias serão encerradas tanto no DOJ quanto na SEC, cada um utilizando investigações e mecanismos independentes. No caso do Departamento, trata-se de um processo criminal, enquanto na Comissão o processo é civil. "O acordo com a SEC e o DOJ mostra que nem sempre atingimos os nossos padrões em fazer negócios da forma correta", declara a empresa.

*Com agências internacionais

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

07/07/2020
Nokia usa RAN aberto para provocar Ericsson no 5G

02/07/2020
Faixa de 1,5 GHz também pode ser destinada ao 5G para uso privado

02/07/2020
Claro traz 5G com compartilhamento de frequência para o Brasil

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

29/06/2020
Vodafone: 5G é o remédio para combater o impacto da Covid-19

25/06/2020
Covid-19 impôs revisão dos projetos 5G na América Latina

23/06/2020
Huawei: Brasil sempre teve um mercado aberto e justo no setor de TIC

19/06/2020
CEO da Algar: Banir fornecedor do 5G seria um tremendo equívoco

18/06/2020
Aumento de espectro para 5G está em consulta pública

Destaques
Destaques

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site