Home - Convergência Digital

5G: Diretrizes genéricas deixam espaço para acordo entre teles e TVs

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 03/02/2020

A sinalização de operadoras móveis e emissoras de televisão de que costuram um acordo para mitigar os riscos de interferência do 5G nas antenas parabólicas facilitou o papel do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Esperada desde outubro de 2019, a Portaria 418/20, publicada nesta segunda, 3/2, é suficientemente evasiva nas orientações para que o edital acomode a proposta conjunta. 

Nela, o MCTIC diz que a Anatel deve: “estabelecer medidas de melhor eficiência técnica e econômica para solucionar interferências prejudiciais identificadas sobre serviços fixos por satélite em operação na Banda C, considerando formas de assegurar a recepção do sinal de televisão aberta e gratuita pela população efetivamente afetada”. 

É, portanto, uma orientação suficientemente elástica para que prevaleça a proposta das teles, agora também com a adesão das TVs, que prevê, além do uso de filtros nas antenas parabólicas, a oferta de 300 MHz entre 3,4 GHz e 3,7 GHz, com outros 100 MHz como banda de guarda até 3,8 GHz. 

Diz ainda o MCTIC que a Anatel deve “considerar a harmonização regional e internacional, de forma a adotar arranjo de frequência que favoreça a convivência harmônica entre sistemas, o proveito social proporcionado pelos serviços ofertados e o aproveitamento de ganhos de escala visando à inclusão digital”. 

Mas se observados diferentes leilões realizados e previstos pelo mundo, a oferta das ‘bandas médias’ para o 5G varia bastante. A Coreia licitou 280 MHz, a Austrália 125 MHz, a França planeja vender 300 MHz, enquanto nos Estados Unidos o desenho prevê até 150 MHz, apenas para citar alguns. 

Até aqui, há duas propostas de leilão, cada uma com dois votos. A primeira, apresentada por Vicente Aquino, altera o próprio modelo de licitação e estabelece também mudanças na regionalização da oferta, estipulando 14 áreas, com blocos exclusivos para prestadores de menor porte. Além do próprio relator, ela tem voto do ex-conselheiro Aníbal Diniz. 

Um segundo voto, de Emmanoel Campelo, apoiado pelo presidente da aagência Leonardo Morais, retomou a proposta original da área técnica, resgatando o leilão tradicional da Anatel e a divisão do país em sete regiões de cobertura. Em ambas, no entanto, preveem praticamente a mesma oferta de espectro em 700MHz, 2,3 GHz e 3,5 GHz, com diferença significativa apenas na faixa de 26 GHz – Aquino listou apenas 1.600 MHz, Campelo 3.200 MHz. 

Espera-se para a próxima reunião, em 6/2, o voto de Moisés Moreira, que busca construir uma maioria capaz de dar andamento ao leilão, cujo edital ainda precisa ser submetido à consulta pública. O timing da Portaria do MCTIC, portanto, sugere que essa proposta também deverá ser genérica no tema da interferência. Até porque teles e TVs ainda estão construindo uma proposta formal a ser apresentada justamente durante a consulta pública do edital. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

30/03/2020
Coronavírus: Anatel suspende testes de campo do 5G na faixa de 3,5GHz

27/03/2020
GSI: Anatel deve ajustar norma de cibersegurança aos casos específicos do 5G

27/03/2020
Anatel prorroga consulta pública do edital 5G por 15 dias

27/03/2020
GSI impõe combinação entre operadoras na instalação de redes do 5G

25/03/2020
Coronavírus faz EUA adiar leilão do 5G

23/03/2020
Japão promete 5G para março, mesmo com o COVID-19

17/03/2020
China concentra 70% das conexões 5G do planeta

13/03/2020
Anatel avalia outorgas do 5G à banda larga fixa, não só telefonia móvel

12/03/2020
Empresas ainda temem impacto dos custos da interferência do 5G nas parabólicas

12/03/2020
Operadoras pedem que edital do 5G traga compromissos na nova tecnologia

Destaques
Destaques

Operadoras pedem que edital do 5G traga compromissos na nova tecnologia

Mas Anatel lembra que reduzir preço das frequências para exigir investimentos que o mercado já faria naturalmente não faz sentido na licitação. 

Bloqueio de celular pirata não impediu disparada de 344% no mercado cinza

Segundo dados da IDC Brasil, o resultado de 2019 indica que o aperto no bolso dos brasileiros foi maior que o da fiscalização. Entre os modelos mais baratos, no entanto, o mercado “paralelo” caiu. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site