SEGURANÇA

Atrasada, Autoridade de Dados terá de eleger prioridades

Luís Osvaldo Grossmann ... 05/12/2019 ... Convergência Digital

Diante das novas obrigações trazidas pela Lei Geral da Proteção de Dados, mas ainda sujeito a velhas exigências que recaem sobre o Poder Público, o governo, em todos os níveis, tem talvez ainda mais trabalho pela frente do que o setor privado para se adaptar ao novo marco que entra em vigor em menos de 200 dias. E embora ainda não exista uma Autoridade Nacional de Proteção de Dados, os órgãos podem se preparar avaliando como e quais os dados que utilizam. 

“A própria lei traz abertura para que os regulados participem da conformação do ambiente regulatório, por meio de códigos de conduta, códigos de boas práticas, e haveria sim oportunidade para o Poder Público começar a buscar sua adequação, a mapear onde estão os dados, de onde vem, quais são as bases legais, para que utiliza, em preparação para uma abordagem mais estruturada e transversal. Mas não vamos subestimar a complexidade”, afirma a diretora de serviços de telecomunicações do MCTIC, Miriam Wimmer. 

O prazo é curto e é improvável que a ANPD consiga dar conta de todas as demandas até agosto de 2020. Mesmo que o Decreto com a criação da Autoridade saia até o fim deste 2019, como ainda esperado, a própria constituição do órgão, seu regimento e as primeiras decisões exigem ritos próprios da administração. Até a requisição de servidores públicos de outros órgãos para atuarem na ANPD exige ritos burocráticos. 

“Em um cenário em que não haverá muitas pessoas, e que haverá muitas demandas, seria importante eleger prioridades. E um aspecto muito importante que a Autoridade pode desempenhar é o papel educativo de gerar um ambiente de incentivos para o ‘compliance’ aconteça, ao invés de iniciar com uma perspectiva punitivista, que seria sequer justa uma vez que o marco regulatório ainda está se estruturando. "Assista a entrevista.


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Accenture compra divisão de segurança cibernética da Symantec

Os valores da transação não foram revelados. Com a aquisição a Accenture Security passa a fazer parte dos principais fornecedores de serviços de segurança gerenciados e terá a nuvem como plataforma de desenvolvimento.

Adiar a LGPD para ganhar tempo não vai resolver o problema das empresas

“Existe um viés de adiamento, mas isso não vai resolver o problema”, afirma o gerente de contas do grupo Binário, Leandro Alves.

Serpro faz a plataforma para consentimento ao uso de dados no Governo

“O governo coleta informações para usos obrigatórios, mas para outros usos precisa de consentimento”, explica o superintendente de segurança da informação da estatal, João Vieira de Almeida Junior.

Cyberseason se alia à NEC e diz que LGPD vai mudar a cibersegurança no Brasil

"O hacker brasileiro é único. Ele não quer atacar fora da fronteira. Ele ataca internamente. É um comportamento diferente", afirmou o co-fundador e CEO da Cyberseason, Lior Div. O 5G também trará mudanças relevantes.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G