Home - Convergência Digital

Ericsson assume culpa e fecha acordo de US$ 1,06 bi com a Justiça dos EUA

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 09/12/2019

No acirramento da disputa dos EUA com a China, a Ericsson entrou em acordo de US$ 1,06 bilhão com o Departamento de Justiça (DOJ) dos Estados Unidos e com a comissão de valores imobiliários dos EUA, a Securities and Exchange Commission (SEC) para encerrar investigações de corrupção. Segundo informou a fornecedora sueca na noite da última sexta-feira, 6, a empresa violou a Lei norte-americana Anticorrupção no Exterior (FCPA, na sigla em inglês) em seis países: China, República de Djibuti, Indonésia, Kuwait, Arábia Saudita e Vietnã. No caso de Djibuti, no nordeste da África, a empresa já estava sendo processada por corrupção.

O acordo (Deferred Prosecution Agreement – DPA) dá três anos para a companhia resolver esses processos criminais, com o DOJ encerrando as acusações ao final do prazo em troca do atendimento a condições estabelecidas, como o pagamento de uma multa de US$ 520,650 milhões. Além disso, a subsidiária egípcia da empresa entrou com uma declaração de culpa na acusação de propina em Djibuti.

A Ericsson entrou em acordo também com a SEC, relacionada a "alegadas violações de provisões de contabilidade" com a FCPA na China, Djibouti, Indonésia, Kuwait, Arábia Saudita e Vietnã; e de propina em Djibouti, China e Arábia Saudita. A empresa concordou em entrar em acordo que previne futuras violações da lei norte-americana, pagando uma multa de US$ 458,380 milhões, mais juros pré-julgamento de US$ 81,540 milhões.

Com o acordo, as investigações relacionadas à Ericsson e sua subsidiárias serão encerradas tanto no DOJ quanto na SEC, cada um utilizando investigações e mecanismos independentes. No caso do Departamento, trata-se de um processo criminal, enquanto na Comissão o processo é civil. "O acordo com a SEC e o DOJ mostra que nem sempre atingimos os nossos padrões em fazer negócios da forma correta", declara a empresa.

*Com agências internacionais

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

27/02/2020
Corrida pelo 5G ganha impulso e acirra disputa das teles

21/02/2020
Anatel convoca fabricantes, teles e fornecedores para evento sobre 5G

19/02/2020
CCT do Senado cria subcomissão para acompanhar leilão do 5G

19/02/2020
Defesa Cibernética: 5G do Brasil deve resistir a riscos de qualquer empresa ou nação

19/02/2020
Itamaraty: Norma para fatiar fornecedores no 5G é dispensável

19/02/2020
Vivo: Controle de segurança sobre a Huawei é igual a de qualquer fornecedor

19/02/2020
Anatel: Quem escolhe fornecedor 5G são as teles vencedoras do leilão

18/02/2020
Senado chama GSI, Anatel e Huawei para debater disputa entre EUA e China pelo 5G

18/02/2020
Brasil terá 6,2 bilhões de downloads de aplicações móveis até 2023

17/02/2020
Claro, Ericsson e Qualcomm fazem teste de compartilhamento dinâmico de espectro 5G na AL

Destaques
Destaques

Governo do Brasil ainda avalia restringir Huawei na implantação do 5G

MCTIC estuda a publicação de um novo Decreto, ou em forma de Portaria, com normas para cibersegurança específicas para o setor de telecomunicações. A estratégia Nacional de Segurança Cibernética, recém-lançada pelo Governo, tratou - de forma genérica- o tema 5G.

5G exigirá uso de requisitos mínimos de Segurança Cibernética

Tecnologia é apontada como 'uma revolução na comunicação de dados, no potencial de emprego de equipamentos de Internet das Coisas e na prestação de novos e disruptivos serviços".

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site