Clicky

Convergência Digital - Home

AWS quer 'invadir' o datacenter e vai para a disputa pela preferência do governo

Convergência Digital
Ana Paula Lobo e Pedro Costa - 22/12/2020

Em entrevista à CDTV, do portal Convergência Digital, o diretor geral para o setor público da AWS Brasil, Paulo Cunha, diz que os planos da AWS são o de estar cada vez mais presente no datacenter do cliente. "A cloud híbrida nos permite estar com serviço dentro do datacenter do cliente. O objetivo é o de invadir o on premises e fazer com que a migração passe a ser cada vez mais completa e integrada", relata Paulo Cunha.

O executivo acredita que 2021 vai acontecer com a mesma aceleração percebida em 2020, muito até em função da pandemia de Covid-19. Cunha lembra que a aceleração se deu em três etapas: o desespero do home office; a passagem para entender como se ganha elasticidade e rapidez para as aplicações e o terceiro momento, que vivemos, que é o da análise dos dados coletados para se perguntar quais deles são efetivamente válidos para o negócio. "Certo é que as empresas entenderam que a nuvem dá segurança, rapidez e é o pilar da inovação", adiciona o executivo da AWS Brasil.

Um exemplo foi a convocação feita pelo Ministério da Saúde para migrar uma aplicação on premises para o ambiente de nuvem. "Elevamos esse aplicativo para 3,5 milhões de brasileiros e, hoje, esse aplicativo é usado na América Latina. Ele saiu do on premises para a nuvem e ganhou o mundo", conta Paulo Cunha.

AWS Brasil se prepara para a disputa pelo mercado de nuvem governamental

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais vai acelerar o uso da nuvem em 2021, projeta o diretor geral para serviços públicos da AWS Brasil, Paulo Cunha. Isso porque, diz, as empresas vão tratar de forma mais responsável os dados de terceiros e a nuvem permite a realização de testes rápidos e é o melhor ambiente para se criar as políticas de segurança para a LGPD dentro de cada negócios.

Com relação ao mercado, a AWS se posiciona de forma muito efetiva: vai participar da licitação do governo - adiada de dezembro para janeiro 2021. "Vamos nos esforçar para ser o melhor provedor de governo e para criar normativas necessárias para se ter um ambiente mais inovador na vertical governo". Assistam.


Destaques
Destaques

Por que se tornar uma empresa data-driven?

Data-driven ou orientada a dados. É esse o novo lema das companhias que, cada vez mais, estão armazenando e analisando dados em busca de insights de negócios. Mas o que as empresas devem fazer para abraçarem os dados de forma a promover benefícios estruturais e longevos? A resposta não é simples.

TIM une big data,LPA e robôs para controle do pagamento de impostos

Operadora elegeu a inteligência artificial para processar grandes e complexos volumes de dados com o SAS e a KPMG. Investimento ficou em torno de US$ 500 mil, ou R$ 2,65 milhões, mas parte dele já foi recuperado em pouco mais de seis meses.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.

Cloud é bom, mas quem gerencia?

Edmilson Santana*

Se a nuvem soluciona problemas de um lado, de outro sua operação demanda a formação de um time capaz de traduzir demandas de negócio em continuidade operacional, e isso de forma ágil, produtiva e consistente.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site