Clicky

GOVERNO » Compras Governamentais

Nova Lei de Licitações remodela compras de serviços e produtos de TICs

Luís Osvaldo Grossmann ... 17/03/2021 ... Convergência Digital

O Congresso Nacional concluiu em 10/3 a aprovação do projeto 4.253/20, nascido ainda em 2013 como PLS 559, texto que se tornará a nova Lei de Licitações brasileira. Em vias de ser sancionada, a nova lei consolida práticas adotadas pelo governo federal, como planejamento prévio, uso preferencial do pregão eletrônico e compras coletivas, e indica que em dois anos elas devem ser reproduzidas por estados e municípios. 

Para o secretário de Gestão do Ministério da Economia, Cristiano Heckert, a nova Lei de Licitações encaminha a convergência digital das compras públicas em todo o país, com mais facilidade para fornecedores e transparência sobre os gastos governamentais. E traz novidades que terão impacto especialmente sobre as contratações de produtos e serviços de tecnologia da informação e comunicações.  

“A Lei traz uma modalidade que até então não existia no Brasil, o diálogo competitivo, inspirado nos normativos da União Europeia. Essa modalidade é particularmente útil para contratações de TICs. É aquela situação em que a administração não consegue de antemão especificar, no detalhe técnico, o que quer comprar”, revela Heckert. 

“No setor de tecnologia, muito dinâmico, sempre evoluindo, nem sempre a administração está up to date com as melhores tendências. Portanto, pode ser interessante fazer essa fase de diálogo em que administração chama fornecedores e ao invés de apresentar o que quer, apresenta sua necessidade, o problema a ser resolvido. Aí cada fornecedor apresenta e à medida que isso evolui converge para uma especificação técnica e vai para a disputa, que pode ser técnica e preço ou puramente preço a partir dessa especificação já construída nesse diálogo com os fornecedores. ”

Dessa forma, além de pregão, concorrência, concurso e leilão, a nova Lei define o diálogo competitivo como a “modalidade de licitação para contratação de obras, serviços e compras em que a Administração Pública realiza diálogos com licitantes previamente selecionados mediante critérios objetivos, com o intuito de desenvolver uma ou mais alternativas capazes de atender às suas necessidades, devendo os licitantes apresentar proposta final após o encerramento dos diálogos”. 

Inovação

Como também ressalta o secretário adjunto de Gestão, Renato Fenili, a nova Lei traz ainda uma mudança estrutural na lógica das compras governamentais ao incluir entre os fins almejados aos processos licitatórios “incentivar a inovação e o desenvolvimento nacional sustentável”. 

“A inovação tecnológica entra como um objetivo do processo licitatório. Isso é imenso. Hoje a licitação tem objetivo de isonomia, proposta mais vantajosa e desenvolvimento sustentável. Agora a Lei traz no inciso IV do artigo 11 incentivar a inovação. Isso dá um fôlego a mais. Logicamente vamos ter a recepção da norma, a jurisprudência, o uso dela vai dizer como isso será absorvido. Mas é um cunho principiológico. A licitação não é só para fazer rodar a máquina. É para incentivar a inovação. Tudo a ver com a temática de TICs.”

Assista a entrevista com Cristiano Heckert e a participação do secretário adjunto de Gestão, Renato Fenili, sobre a mudança da Lei de Licitação e o impacto nas TICs.


Dell: proteção de dados exige pilares na segurança cibernética

“Ataques estão mais sofisticados enquanto as pessoas e as empresas mais expostas. Precisamos de avançar na cultura da segurança cibernética”, observou o diretor da Dell para setor público, Bruno Assaf.

Plano do Ceitec é manter 105 empregados até leilão da estatal em setembro

Em audiências de conciliação no TRT-RS, trabalhadores defenderam a transferência, mas governo ainda resiste à proposta. Estatal em liquidação insistiu na demissão de 33 funcionários, suspensa pela Justiça.

ANPD define listas tríplices para vagas no Conselho Nacional de Proteção de Dados

Dos 122 indicados, Autoridade aprovou 39, de onde sairão os 13 escolhidos pelo presidente Jair Bolsonaro.  Brasscom, Federação Assespro, ConTIC e Feninfra estão entre os selecionados.

LGPD: cidadão vai controlar dados pessoais pelo portal Gov.br

Promessa é secretário de governo digital do Ministério da Economia, Luis Felipe Monteiro. Plataforma permitirá ao cidadão revogar autorizações, ou reclamar à CGU.

Economia será o 'tinder' do financiamento para evitar desperdício no governo digital

“Não faz sentido um estado investir em uma identidade digital se já temos uma no governo, ou dois municípios gastarem com plataforma de gestão de tributo local”, explica o secretário Luis Felipe Monteiro.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G