Clicky

Home - Convergência Digital

Ericsson fez megaestoque de componentes para produzir 5G no Brasil

Ana Paula Lobo - 24/03/2021

A Ericsson fez um megaestoque de componentes e não corre risco de sofrer com a crise de desabastecimento para a produção de 5G no Brasil, na unidade de São José dos Campos. "Houve um custo adicional por termos tomado essa ação? Sim, houve. Mas demos sorte porque escolhemos a máquina três meses antes de explodir a crise da Covid-19 na China. Com o megaestoque estamos prontos para atender mercado brasileiro e latino-americano", pontuou o ainda presidente da Ericsson para a América do Sul, Eduardo Ricotta, que deixa a fabricante no dia 19 de abril para assumir a presidência da Vestas, companhia dinamarquesa de soluções de energia sustentável.

Expectativa da Ericsson é que, confirmado o leilão para julho, que a produção dos equipamentos possa começar o quanto antes para serem entregues ainda em 2020. "Muitos contratos já estão negociados com uma continuidade com as teles, mas é preciso esperar o leilão", afirmou. Do ponto de vista fabril, a Ericsson prevê destinar 60% da produção para o mercado local e 40% para o mercado latino-americano.

Um dos pontos relevantes do investimento da Ericsson – que manteve o cronograma de aportar R$ 1 bilhão de 2020 a 2024, apesar da Covid-19 -  é o registro de patentes, muitas delas já para o 5G, para a produção no Brasil e fora do país. "O nosso centro de Desenvolvimento trabalha localmente e mundialmente. Uma das nossas diferenças é fazer patente aqui", reportou.

A Ericsson decidiu produzir equipamentos standalone - exigência da Anatel - mas também equipamentos não standalone. "Quem faz a demanda é quem compra, as operadoras", completou. A Ericsson admite que não vai produzir equipamentos, ainda, para as faixas milimétricas, no caso para 26Ghz. "Precisamos avaliar a evolução da tecnologia", disse.

Com relação à Lei de Informática- que correu risco de ser inviabilizada pela PEC 186 e que recebeu a promessa do Governo e do Ministério da Economia da redação de uma Medida Provisória para manter os incentivos fiscais fora da Zona Franca de Manaus - Ricotta disse confiar na palavra dada.

"Acredito mesmo numa solução razoável para frente", reforçou. Do ponto de vista econômico, a oscilação do dólar é preocupante e determina um olhar atento. "Atrapalha bastante, torço para recuar a níveis melhores, mas sabemos que o dólar é o desafio. O Brasil não tem componente, que tem de vir de fora e do ecossistema da Ásia", completou.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

05/05/2021
TIM: 5G ‘puro’ é mais barato e rivais reclamam porque não fizeram VoLTE no 4G

05/05/2021
Huawei:5G exige empresas locais para aplicações e geração de talentos

05/05/2021
Um poço sem fundos no leilão 5G

05/05/2021
Índia libera testes de 5G no país só com fornecedores de fora da China

04/05/2021
Minicom pressiona TCU por edital e leilão do 5G em julho

04/05/2021
GE testa rede de ondas milimétricas da Verizon para novos serviços no 5G

03/05/2021
Na disputa do 5G, Apple lidera e chinesas ultrapassam a Samsung

28/04/2021
Futuro com 5G não será um nirvana, tampouco um apocalipse

27/04/2021
Estressadas com a falta de equipamentos, teles correm com estratégia 5G

26/04/2021
Algar é autorizada a emitir R$ 1,5 bi em debêntures incentivadas. BTG investe na área

Destaques
Destaques

América Latina se divide sobre uso de ondas milimétricas

Debate com representantes do México, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Argentina e Brasil mostrou que bandas altas no 5G, como 26 GHz, está longe de unanimidade na região.  Colômbia, que prevê leilão 5G no final do ano, não planeja vender a faixa de 26GHz.

Brasil está fora dos países liberados pela Espanha para o Mobile World Congress

Programado para acontecer de 28 de junho a 01 de julho, o organizador, GSMA, fechou um acerto com as autoridades espanholas para isentar os participantes das restrições impostas às pessoas de fora da União Europeia.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Futuro com 5G não será um nirvana, tampouco um apocalipse

Por Paulo Mannheimer*

O futuro, com 5G, não será nem o Nirvana dos Jetsons nem o apocalipse de "O Exterminador do Futuro". "Blade Runner" continua sendo minha maior aposta.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site