Clicky

PGMU 5: Anatel troca metas de 4G por backhaul de fibra em todos os municípios

Luís Osvaldo Grossmann ... 26/11/2020 ... Convergência Digital

A Anatel aprovou nesta quinta, 26/11, a minuta de Decreto para o quinto Plano Geral de Metas de Universalização, ou simplesmente PGMU 5 – as obrigações de cobertura e serviço impostas às concessionárias de telefonia fixa. Trata-se basicamente de um repeteco do que foi o PGMU 4, com uma diferença fundamental: caem as metas de cobertura de localidades com 4G e entra implantação de backhaul de fibra óptica em todos os 1.511 municípios onde essa rede ainda não existe. 

A imposição de metas de telefonia móvel em um instrumento associado à telefonia fixa foi uma invenção do então Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações ainda em 2018, quando publicado o Decreto 9.619, no apagar das luzes do governo de Michel Temer. Essa obrigação, no entanto, foi desde sempre criticada pela Anatel. E agora, com o novo PGMU 5, simplesmente desaparece. 

Segundo o relator da proposta no Conselho Diretor da Anatel, Emmanoel Campelo, com o mesmo saldo que seria usado para as metas de 4G será possível levar fibra a todos os municípios do país. Além disso, apontou que o novo Ministério das Comunicações é favorável à substituição das metas. 

“Os cálculos apontaram para a possibilidade de se atender todos os 1.511 municípios hoje sem rede de transportem em fibra óptica. Significa dizer que com essa obrigação, todas as sedes municipais brasileiras, ao final da meta [em 2025] estarão conectadas por rede de fibra óptica”, afirmou Campelo. 

O PGMU é motivo de conflito permanente entre as empresas e a Anatel, porque as teles reclamam da imposição de novas obrigações a partir do saldo gerado com metas que deixaram de ser exigidas. Por isso, rejeitam os valores calculados pelo regulador como o montante que deve ser transformado em benefícios aos brasileiros – que neste 2020 soma R$ 4 bilhões - embora excluindo-se o que eventualmente já foi cumprido no 4G, cai para R$ 3,79 bilhões. A discordância provocou um movimento de revolta entre as concessionárias, que se recusaram a assinar a revisão dos contratos naquele ano. 

Nada que as impedisse de aproveitar os benefícios. Vale lembrar que o PGMU 4 praticamente eliminou a obrigação em manter orelhões em funcionamento – dos 824 mil telefones públicos existentes naquele 2018, o número já foi reduzido para 174 mil neste 2020. Uma economia estimada pela agência em mais de R$ 1 bilhão por ano. 

A revisão dos contratos de concessão traz, nesse tema do saldo, uma medida expressamente apontada para evitar que se repita o protesto das concessionárias. A cláusula sobre o saldo das metas de universalização foi excluída. Segundo Campelo, “não se vislumbra prejuízo porque discutida em outros processos e registrada no PGMU”. 

Em que pese a torcida por uma aprovação célere do novo PGMU pelo governo, com o envio da minuta ao Ministério das Comunicações para repasse à Presidência da República, resta resolver o quórum do Conselho Consultivo da Anatel, que pelas regras precisa opinar sobre o conteúdo. 


Internet Móvel 3G 4G
Cobertura 4G chegou a 85% da população mundial, mas metade dela seguiu sem acesso à Internet em 2020

Levantamento da União Internacional de Telecomunicações mostra que a principal razão da exclusão digital é o alto preço do serviço diante da receita do consumidor. "Houve uma queda nos preços, mas precisa cair muito mais para termos um futuro melhor", pontuou o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Pequenos provedores querem antecipar uso outdoor do Wi-Fi 6E

“Desenvolver toda a base de dados leva tempo. Mas há operações que já sabemos onde são usadas e onde evitar problemas. Então podemos começar a implementar desde já”, diz o presidente da Associação Neo, Alex Jucius. 

IDC: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E exigem evangelização por parte do ecossistema

Hoje menos de 10% dos equipamentos disponíveis têm capacidade de conexão para o Wi-Fi 6E e esse processo tem de ser acelerado, reforça o gerente de Pesquisa da IDC América Latina, Reinaldo Sakis. 

Facebook: risco de interferência em 6 GHz não afeta a oferta do serviço

O diretor de Política Regulatória do Facebook, Alan Norman, garante que é possível a coexistência de serviços em 6 GHz sem punir o consumidor com perda de qualidade. "São improváveis as falhas na qualidade", sustentou.

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi
Empresa brasileira se prepara para oferecer Wi-Fi como serviço
Cambium Networks: é urgente a necessidade de atualização das redes para o Wi-Fi 6
Brasil assume liderança e se torna hub do Wi-Fi 6E nas Américas
Amazon: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E têm um casamento perfeito com o 5G
Chile vai usar Wi-Fi 6E para a universalização do acesso à internet
Veja mais matérias deste especial

Vivo assume que rede neutra fará a diferença no 5G

Batizada de FiBrasil, a rede neutra terá papel central na estratégia nacional, afirmou o CEO da Vivo, Cristian Gebara.

Baigorri: Esperar demanda para exigir 5G pleno é o oposto de política pública

“O desconto no valor da frequência é uma decisão de Estado para financiar o investimento. É usar recurso público para garantir que Macapá, Boa Vista e Rio Branco tenham as mesmas funcionalidades de São Paulo”, afirma o relator do 5G na Anatel, Carlos Baigorri. 

CVM cobra Telebras que anuncia renovação por 10 anos de contrato com Eletrobras

Acordo vale para o uso de fibras óticas e infraestrutura de telecomunicações com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) e Furnas Centrais Elétricas S/A (Furnas). Estatal teve movimentação atípica de ações.

STF descarta ação da PGR e mantém gratuidade do direito de passagem

Maioria do Plenário acompanhou o entendimento do relator, Gilmar Mendes, de que um ordenamento unificado nacional faz parte das competências da legislação federal. Para Conexis, "STF reconheceu papel vital da conectividade".




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G