Clicky

Convergência Digital - Home

TIM faz multicloud com Google, Microsoft e Oracle

Convergência Digital
Convergência Digital - 22/03/2021

Depois de anunciar que seria 100% cloud no TIM Day realizado em março, a TIM formalizou a migração dos seus datacenters localizados em São Paulo e no Rio de Janeiro, para instalações da Microsoft e da Oracle. A expectativa é que o processo de migração seja feito nos próximos dois anos, contando com a transferência de todos os recursos da TIM para a nuvem.

A migração faz parte de um plano estratégico da operadora, que envolve digitalizar todos os processos, inclusive nas plataformas de atendimento e relacionamento. Desde o ano passado, com as mudanças causadas pela Covid-19, a TIM entendeu a necessidade de acelerar seu processo de transformação digital, ao verificar as mudanças no comportamento do consumidor, ajustando fluxos e plataformas para manter seu padrão de atendimento ao cliente.

Microsoft e Oracle já possuem uma parceria global de interoperabilidade em nuvem que oferece uma abordagem simples, mas poderosa, para conectar suas duas nuvens - Microsoft Azure e Oracle Cloud. Nesse projeto está sendo usado o conceito de suporte integrado em que a conexão entre os datacenters das duas empresas gera uma experiência única para a TIM. Com o uso do Oracle Cloud Infrastructure (OCI), datacenter de segunda geração da Oracle, e a adoção da plataforma Microsoft Azure, a TIM terá a mais completa solução em certificações de segurança do mercado e escolhida por oferecer uma ampla disponibilidade de ferramentas para modernização das aplicações, a operadora levará os processos de missão crítica para a nuvem, otimizando e simplificando a gestão da sua infraestrutura de TI, além de oferecer escalabilidade de acordo com a demanda de evolução dos negócios.

Outra vantagem do acordo é a aliança entre Oracle e Microsoft, firmada globalmente em 2019, e que permite a execução dos processos em ambos os ambientes com redundância. Com as duas nuvens, a TIM passará a ter conexão de ultra velocidade e disponibilidade para manter os sistemas da operadora com mais altos níveis de segurança. A mudança está ainda atrelada ao compromisso da TIM com melhores as práticas ambientais, sociais e de governança (sigla ESG, em inglês). A migração para a nuvem reduz automaticamente as emissões diretamente associadas ao armazenamento dos dados em espaços físicos, um importante passo para a meta da operadora de ser carbono neutro até 2030.

"Nossa proposta é levar a experiência do cliente a um novo patamar, com mais eficiência e agilidade, sempre com os mais altos níveis de segurança. Somos a primeira operadora a promover uma mudança com essa dimensão, antecipando também iniciativas ligadas a governança e sustentabilidade, dentro de um projeto maior, relacionadas a uma agenda ESG que permeia toda a atuação da TIM. Estamos acompanhando o movimento de mercado e investindo em áreas como Analytics e Digital, fundamentais para a expansão dos negócios da empresa, e contamos com parceiros que atendem aos mais altos níveis de qualidade para destacar nosso pioneirismo e referência para o setor de Telecomunicações", declara Pietro Labriola, CEO da TIM Brasil.


Destaques
Destaques

Multinuvem do Serpro vai concorrer com a do Ministério da Economia

Estruturada a parceria com AWS, Huawei e Azure, da Microsoft, estatal passa a disputar contratos com órgãos públicos, em briga direta com nuvem licitada e gerida pela Secretaria de Governo Digital.

Por que se tornar uma empresa data-driven?

Data-driven ou orientada a dados. É esse o novo lema das companhias que, cada vez mais, estão armazenando e analisando dados em busca de insights de negócios. Mas o que as empresas devem fazer para abraçarem os dados de forma a promover benefícios estruturais e longevos? A resposta não é simples.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.

Cloud é bom, mas quem gerencia?

Edmilson Santana*

Se a nuvem soluciona problemas de um lado, de outro sua operação demanda a formação de um time capaz de traduzir demandas de negócio em continuidade operacional, e isso de forma ágil, produtiva e consistente.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site