Clicky

Anatel avalia outorgas do 5G à banda larga fixa, não só telefonia móvel

Luís Osvaldo Grossmann ... 13/03/2020 ... Convergência Digital

Com a proposta de edital do 5G ainda em consulta pública, a Anatel acena com uma mudança que pode ajudar na redução de custos, especialmente para pequenos provedores. É que embora na versão em debate os lotes em oferta prevejam todos outorgas associadas ao Serviço Móvel Pessoal, a agência admite flexibilizar a escolha, permitindo que as faixas saiam outorgadas ao Serviço de Comunicação Multimídia. 

“A outorga de SCM é parte da discussão. Optou-se num primeiro momento por colocar a outorga de SMP como primária, a que será concedida, Mas sabemos que isso faz diferença quando falamos de prestadores de pequeno porte”, admitiu o superintendente de Planejamento e Regulamentação da Anatel, Nilo Pasquali, durante a audiência pública sobre o edital, realizada em 12/3. 

“Precisamos debater melhor se faz sentido deixar a opção entre diferentes outorgas para a faixa e o vencedor escolher a mais adequada no momento em que for expedida. Por enquanto, a opção na consulta pública é que todas as outorgas vão sair como SMP. Mas precisamos mais debates para ter mais clareza. E pode ser que isso possa ser diferente em função dos diferentes lotes”, emendou.

Representantes de pequenos provedores também defenderam que a Anatel fragmente ainda mais a divisão regional, se possível em todas as frequências em oferta e não apenas no bloco de 60 MHz em 3,5 GHz, até aqui destinado exclusivamente para prestadores de pequeno porte. Esse pleito, no entanto, gera preocupações na agência, especialmente por questões técnicas, mas também econômicas. 

“Não obstante a demanda das PPPs por uma granularidade municipal, há uma preocupação da área técnica com a questão da coordenação. Dentro do 5G, o New Radio do 3GPP, são mais de 200 tipos de quadros TDD, a maioria reservado. Mas a coordenação é um problema. No Brasil são 5.570 municípios e coordenar com um município vizinho, sendo que dependendo da altura da antena pode precisar coordenar a dezenas de quilômetros, porque no momento que uma estação está no downlink a outra pode estrar no uplink, se as redes forem não sincronizadas, isso preocupa muito”, afirmou o gerente de espectro da agência, Agostinho Linhares. 

E segundo o superintendente de Competição, Abraão Silva, há uma escala mínima para viabilizar a sustentabilidade dos negócios. “A entrada de pequenos prestadores no segmento móvel é uma tendência inevitável na perspectiva do desenvolvimento desses agentes e para onde caminha o setor, seja no uso de RF para oferta de serviços moveis tradicionais ou outras aplicações que o 5G traz. Mas a gente tem que entender que há uma escala mínima de produção, considerando não só o tamanho de faixa, mas escala do ponto de vista de deployment de rede para que a eficiência alocativa realmente aconteça. As áreas foram definidas tendo como premissa uma escala mínima de produção.”

Ele ressaltou, no entanto, que para além do leilão a agência já se debruça sobre outros caminhos para acesso ao espectro. “Fazendo uma análise concreta do que é necessário em termo de Capex para que haja sustentabilidade e melhor alocação até para fins de obrigação, a gente chegou nesse nível. Mas o mecanismo de acesso ao espectro não é necessariamente o leilão. Antes o leilão era a única porta de entrada para um agente atuar no setor. Ele continua, mas também é necessária uma regulação de acesso a espectro que gere outras situações, seja via acordos de compartilhamento, seja através de mercado secundário e outros tipos de ferramentas, e isso está no nosso roadmap.”


Internet Móvel 3G 4G
Deutsche Telekom investe em roaming para ser global com NB-IoT

Operadora trabalha com parcerias com outras teles como Vodafone, Orange e Telecom Italia, o que abriria, por exemplo, espaço para uma parceria no Brasil com a TIM, qu tem uma forte estratégia de Internet das Coisas.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Empresa brasileira se prepara para oferecer Wi-Fi como serviço

Definindo-se como uma empresa de software que precisa de hardware e frequência para atuar, a Mambo Wi-Fi diz que os hotspots públicos vão crescer até nove vezes até 2022 com a liberação da faixa de 6 GHz para serviços não licenciados.

Cambium Networks: é urgente a necessidade de atualização das redes para o Wi-Fi 6

“O número de aparelhos vai crescer de forma exponencial nos próximos três anos e é interessante começar a colher benefícios o mais cedo possível”, diz o vice-presidente de Gestão de Produtos da empresa, Scott Imhoff. 

Brasil assume liderança e se torna hub do Wi-Fi 6E nas Américas
Amazon: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E têm um casamento perfeito com o 5G
Chile vai usar Wi-Fi 6E para a universalização do acesso à internet
Wi-Fi Alliance: é possível harmonizar serviços na faixa de 6 GHz
"Se já geramos trilhões de dólares com pouca frequência, imagina com três vezes mais espectro", diz o Wireless CTO da Intel
Cisco: demanda para Wi-Fi em toda a faixa de 6 GHz já chegou
Veja mais matérias deste especial

Vivo assume que rede neutra fará a diferença no 5G

Batizada de FiBrasil, a rede neutra terá papel central na estratégia nacional, afirmou o CEO da Vivo, Cristian Gebara.

Baigorri: Esperar demanda para exigir 5G pleno é o oposto de política pública

“O desconto no valor da frequência é uma decisão de Estado para financiar o investimento. É usar recurso público para garantir que Macapá, Boa Vista e Rio Branco tenham as mesmas funcionalidades de São Paulo”, afirma o relator do 5G na Anatel, Carlos Baigorri. 

CVM cobra Telebras que anuncia renovação por 10 anos de contrato com Eletrobras

Acordo vale para o uso de fibras óticas e infraestrutura de telecomunicações com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) e Furnas Centrais Elétricas S/A (Furnas). Estatal teve movimentação atípica de ações.

STF descarta ação da PGR e mantém gratuidade do direito de passagem

Maioria do Plenário acompanhou o entendimento do relator, Gilmar Mendes, de que um ordenamento unificado nacional faz parte das competências da legislação federal. Para Conexis, "STF reconheceu papel vital da conectividade".




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G