Home - Convergência Digital

Qualcomm e BNDES lançam fundo para IoT já aderente à nova Lei de Informática

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 18/12/2019

A Qualcomm Ventures, braço de investimentos da Qualcomm Incorporated, e o BNDES lançaram um fundo de investimento em participações de R$ 160 milhões focado em startups que desenvolvam produtos e serviços para Internet das Coisas (ou Internet of Things -- IoT). Com o objetivo de fomentar o desenvolvimento de IoT no Brasil, o fundo irá apoiar startups em estágio inicial (capital semente e financiamento de série A).

A Qualcomm e o BNDES planejam investir 50% do valor total esperado para o fundo, o equivalente a R$ 80 milhões. Outros investidores serão convidados a participar e ajudar na composição do valor integral. O fundo será administrado por um gestor profissional a ser selecionado pela Qualcomm e pelo BNDES através de um edital de seleção, disponível no site do BNDES. Os gestores de fundos de investimentos em participações poderão encaminhar suas propostas até o dia 07/02/2020.

"A criação deste fundo está em linha com a visão estratégica da Qualcomm de impulsionar o ecossistema de Internet das Coisas no Brasil. Queremos nos engajar com empresas líderes em diferentes verticais, de maneira a explorar o potencial do país como produtor de tecnologia", explica Rafael Steinhauser, Vice-Presidente Sênior da Qualcomm Serviços de Telecomunicação Ltda. e Presidente da Qualcomm para a América Latina.

"O lançamento do fundo vem em um bom momento de retomada do crescimento econômico e contribuirá para o desenvolvimento do ecossistema de startups e de IoT. Fundos como esse são instrumentos inovadores para fomentar o empreendedorismo no Brasil, principalmente em setores de maior risco, como o de tecnologia", afirma Gustavo Montezano, Presidente do BNDES.

"BNDES e Qualcomm demonstram hoje o alinhamento das estratégias de governo, MCTIC, indústria e ecossistema ao darem início a esse fundo de investimento em participações voltado especificamente a IoT. Esperamos que esta iniciativa inspire outros agentes a investirem nas potencialidades da inovação aberta por meio de capital inteligente", afirma Paulo Alvim, Secretário de Empreendedorismo e Inovação do SEMPI/MCTIC.

A política de investimentos do fundo deve contemplar empresas com aplicações de hardware, software e análise de dados, voltadas para áreas estratégicas, tais quais: manufatura 4.0, smart cities, saúde, smart agro e IoT residencial. Além disso, o fundo está alinhado com o Plano Nacional de Internet das Coisas, política pública lançada em junho de 2019 com o objetivo de desenvolver o ecossistema de IoT no Brasil. Está alinhado, também, com a nova regulamentação da Lei de Informática que permite que empresas fabricantes de eletrônicos invistam recursos incentivados em Fundos de Venture Capital.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

15/04/2020
Internet das Coisas: Quase 30% das empresas sofreram incidentes de segurança

25/03/2020
Brasil contabiliza 19% dos projetos de IoT em produção na América Latina

18/02/2020
Conexão das coisas será quase a metade dos acessos à Internet no Brasil em 2023

14/02/2020
É urgente fazer software inteligentes para avançar Internet das Coisas no Brasil

10/02/2020
Bosch usa o Tinbot, robô brasileiro, para ampliar negócios em IoT

31/01/2020
Financiamento para IoT no BNDES recebe propostas até o dia 07

22/01/2020
Vivo chega a 10 milhões de dispositivos conectados à IoT

16/01/2020
Rede de IoT da American Tower atinge 220 cidades

07/01/2020
O carro será uma Internet das Coisas

18/12/2019
Fazendas da Atto Sementes contratam 4G e IoT da Vivo

Destaques
Destaques

Leilão 5G: TIM e Claro defendem adiamento. Vivo adverte para momento incerto

TIM e Claro se posicionam claramente contra a realização do leilão ainda em 2020. A Vivo se mostra mais cautelosa, mas admite que está tudo muito nebuloso por conta da economia e da pandemia de Covid-19. Todas asseguram que o momento ainda é de muito investimento no 4G e no 4,5G.

Operadoras pedem que edital do 5G traga compromissos na nova tecnologia

Mas Anatel lembra que reduzir preço das frequências para exigir investimentos que o mercado já faria naturalmente não faz sentido na licitação. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Para além da guerra da saúde pública, não adiem o leilão do 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

O setor de telecomunicações tem suportado a sobrecarga derivada da pandemia de Covid-19. Mas, reforcem essas redes com tecnologia mais avançada para prover serviços de baixa latência. Dessa forma, não se postergue o leilão das redes ditas de quinta geração (5G) e atenção à segurança cibernética.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site