GOVERNO » Compras Governamentais

Assespro pede para Bolsonaro revogar compras centralizadas de TI

Luís Osvaldo Grossmann ... 03/07/2020 ... Convergência Digital

A Federação Assespro, que representa cerca de 2,5 mil empresas e tecnologia da informação, fez um apelo direto ao presidente da República e ao ministro da Economia para que o governo reverta a estratégia de centralizar as compras de produtos e serviços de TI na administração federal. 

Em ofício encaminhado a Jair Bolsonaro, Paulo Guedes e aos secretários do Ministério da Economia, a Assespro, o presidente da entidade, Ítalo Nogueira, sustenta que “a realização de ‘compras centralizadas’ prejudicará de forma significativa as micro e pequenas empresas nacionais que serão alijadas do mercado governamental, acarretando seu fechamento e aumento do desemprego no país”. 

O pleito ataca diretamente algumas metas do Decreto 10.332/20, publicado em abril, que institui a Estratégia de Governo Digital de 2020 a 2022, particularmente as iniciativas 16.1 e 16.6 anexadas ao Decreto, nas quais o governo prevê “realizar, no mínimo, seis compras centralizadas de bens e serviços comuns de tecnologia da informação e comunicação”, e “negociar acordos corporativos com os maiores fornecedores de tecnologia da informação e comunicação do governo, de forma a resultar na redução de, no mínimo, vinte por cento dos preços de lista, até 2022”. 

A Assespro pede a revogação de ambos, em ofício datado de 2/7, mesmo dia em que a secretaria de Governo Digital anunciou o resultado de dois desses “acordos corporativos”, inclusive com a Microsoft, além de duas reduções unilaterais de preços de referência em licitações diante da ausência de entendimento com Adobe e Broadcom. 

Para a Assespro, trata-se de “uma estratégia do Governo Federal que, com uma visão equivocada de economicidade nas compras públicas, estabelece metas para a realização de aquisições centralizadas de bens e serviços de tecnologia da informação”. 

Nogueira se vale do conceito da OCDE de que “a gestão das compras públicas deve ser concebida de modo a criar incentivos à participação alargada de potenciais concorrentes, incluindo novos operadores e pequenas e médias empresas”. No entanto, afirma que “a sistemática de compras centralizadas pode ter como efeito inverso ao propalado pela OCDE, com a concentração do mercado de TI voltado para administração pública, reduzindo a saudável variedade de oferta de soluções”. 

“O modelo proposto pode levar à coordenação anticompetitiva de preços por parte dos competidores de maior porte e barreira a entrada de empresas de menor porte”, conclui o presidente da Assespro. 


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Suspeita de fraude faz Caixa bloquear 1,3 milhão de CPFs no Auxílio Emergencial

Total de contas bloqueadas responde por cerca de 5% dos pedidos aprovados. Para reativar o benefício, o dono da conta bloqueada terá de ir pessoalmente a uma agência e provar a sua identidade.

ABES: Software cobra transparência do ministério da Economia

Para o presidente da Associação Brasileira de Empresas de Software, Rodolfo Fücher, o veto à prorrogação da desoneração da folha chega em um momento onde a inadimplência aumenta e da falta de crédito.País caiu para 10º no ranking mundial de software.

Bolsonaro surpreende e veta prorrogação da desoneração da folha

Ao sancionar a Lei 14.020/20, presidente descartou manter o benefício até o fim de 2021 para 17 setores, inclusive TI e cal center. “Dispositivos acabam por acarretar renúncia de receita”, anotou na mensagem de veto.

Governo segue com privatização de Serpro, Dataprev e Telebras para 2021

O secretário de desestatização do Ministério da Economia, Salim Mattar, disse que não há mudança de planos do governo Bolsonaro, mesmo com o papel desempenhado pelas estatais de TI na pandemia, e está mantido o plano de vender 12 estatais no ano que vem.

Projetos estratégicos de TIC dependem do ajuste fino entre os 'novos' MCTI e Minicom

No 'novo' MCTI, ficam políticas de inovação, entre elas,  Inteligência Artificial. O Minicom assume a política de Telecom e a radiodifusão.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G